Vitória fácil do Sporting sobre o Zurique no Estádio José Alvalade

0
50
Vitória fácil do Sporting sobre o Zurique no Estádio José Alvalade

O Sporting garantiu  o primeiro lugar do grupo D da Liga Europa em futebol, ao vencer com facilidade os suíços do Zurique (2-0), num jogo pobre e "salvo" pelos lampejos de classe de Diego Capel.

 Numa partida nivelada por baixo valeram as mudanças de velocidade e o reportório técnico do extremo espanhol para dar vida a um jogo propício à monotonia, pelo facto do Sporting estar privado de alguns titulares indiscutíveis e de já ter assegurado o apuramento, ao mesmo tempo que o Zurique tinha remotas aspirações a alcançá-lo.

 Inesperadamente, o Zurique teve uma entrada forte no jogo, assumindo a iniciativa e forçando o Sporting a baixar as suas linhas, mas esse ascendente não iria além do primeiro quarto de hora e custar-lhe-ia um golo bem cedo.
 Com efeito, o balanceamento ofensivo dos suíços significou espaços no seu meio-campo, propiciando rápidas transições ofensivas ao Sporting, uma das quais coroada com êxito logo aos 15 minutos, com a marcação do primeiro golo, por Wolfswinkel, após abertura do seu compatriota Schaars, que apanhou a defesa helvética completamente descompensada.

 A partir deste golo, o Zurique foi de uma mediocridade competitiva confrangedora, permitindo sempre, pela sua passividade, espaços ao Sporting para circular a bola e desenvolver os seus lances ofensivos, com destaque para as acelerações de Capel no flanco direito, só travadas em falta.
 O segundo golo só surgiu aos 58 minutos, por Bojinov, mas os “leões” podiam ter ampliado a vantagem ainda na primeira parte, com Daniel Carriço a perder duas boas ocasiões, Wolfswinkel outra e o avançado búlgaro outra ainda.
 Com o golo de Bojinov, a cruzamento de Capel, Domingos Paciência decidiu poupar o espanhol, retirando-o do campo e “roubando” ao jogo a sua principal atracção, fazendo entrar Pereirinha para o seu lugar.
 A última meia hora foi ainda mais desinteressante, com o Sporting a jogar com relativo à vontade e a controlar o jogo, dispondo até de mais duas si-tuações para ampliar o resultado.

As ausências forçadas por lesões de alguns titulares abriram uma janela de oportunidade a André Martins e Bojinov, sendo que o primeiro soube agarrar a oportunidade, confirmando-se como um talento promissor, enquanto o segundo voltou a adiar um juí-zo mais rigoroso sobre o acerto da sua contratação, apesar do golo que marcou e de Do-mingos o ter colocado descaído sobre o flanco esquerdo, afastado da zona de finalização. Só o futuro e novas possibilidades é que dirão.