Venda da REN e EDP a preços de mercado renderia quase 3 mil milhões

0
168
Venda da REN e EDP a preços de mercado renderia quase 3 mil milhões

Venda da REN  e EDP a preços de mercado renderia quase 3 mil milhõesO Estado português arrecadaria pouco mais de 2,9 mil milhões de euros nas privatizações completas da EDP e da REN caso as conseguisse fazer aos preços de mercado de hoje, segundo dados da agência Bloomberg.

 De acordo com a Bloomberg, se o Estado vendesse hoje, a preços de mercado, os 25,05 por cento que detém na EDP (através da Parpública), ou seja 915.977.598 acções, poderia angariar pouco mais de 2,244 mil milhões de euros com a privatização completa da eléctrica.
 Já se vendesse a preços de hoje a participação que detém na REN, ou seja as 272.340.000 acções que pertencem à Parpública e à Caixa Geral de Depósitos, correspondentes a 51 por cento da empresa, o Estado arreca-daria cerca de 675,4 milhões de euros.
 Tudo junto significa um encaixe de 2,919 mil milhões de euros.

 A venda também implica que o Estado deixará de receber um dividendo certo anual distribuído por estas empresas, que têm apresentado e distribuído parte dos lucros todos os anos. A EDP distribuiu no ano passado 17 cêntimos brutos por cada ação, o que no caso do Estado (que também retém o imposto) corresponde a mais de 155 milhões de euros.

 Já a REN entregou aos seus acionistas estatais 45,7 milhões de euros, graças ao dividendo de 16,8 cêntimos brutos por ação.
 O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou no parlamento que a REN e a EDP são algumas das empresas que o Governo tenciona colocar em processo de privatização já no terceiro trimestre deste ano, quando o acordo com a troika apenas referia que seriam privatizadas até final do ano.
 O novo calendário da privatização surge no dia a seguir ao Instituto Nacional de Estatística ter anunciado que o défice das contas públicas situou-se, no primeiro trimestre, nos 7,7 por cento do PIB, aci-ma dos 5,9 por cento acordados com a ‘troika’ do Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeu.

 No memorando de entendimento, prevê-se que a receita total das privatizações, incluindo outras empresas como a TAP, ultrapasse os 5 mil milhões de euros.

No Parlamento, o primeiro-ministro afirmou: “Precisamos nesta altura de um activismo muito maior dentro das políticas para corrigir desvios que nas contas nacionais já são evidentes”, afirmou o primeiro-ministro, adiantando que tendo em conta as estatísticas publicadas pelo INE, são necessários “pouco mais de dois mil milhões de euros para garantir” que a meta de défice de 5,9 por cento acordado com as instituições internacionais.