União Portuguesa volta a receber com requinte a Academia-Mãe do Bacalhau

0
34
comunidades

A União Desportiva Recreativa e Cultural Portuguesa, em Turffontein, no Sul de Joanesburgo, foi na quinta-feira 14 de Julho a anfitriã pela segunda semana consecutiva da Academia-Mãe do Bacalhau. Isto, devido ao alto requinte e qualidade com que os compadres e comadres da tertúlia foram recebidos no restaurante da União, o que levou a que fosse da vontade de todos que o convívio semanal se tornasse a realizar naquela colectividade portuguesa.

 O primeiro almoço, realizado a 7 de Julho e oferecido pelos compadres José Valentim e Vitor Garrana, rendeu aos cofres da Academia do Bacalhau de Joanesburgo dezanove mil e setecentos randes, isto segundo informou o presidente José Contente durante o convívio.

 O Século de Joanesburgo soube também junto do líder da tertúlia, que o segundo almoço realizado na União, rendeu 5.500 randes naquela tarde. Tudo fundos que revertem para a tertúlia e para as suas acções de bem-fazer.

  Os convivas da Academia de Joanesburgo foram novamente recebidos com pratos individuais de entradas, nesta semana rissóis de camarão e carnes frias, em cada lugar em torno da mesa. O almoço foi aberto pelas 13h30 com o presidente José Contente a fazer soar o badalo e a pedir ao compadre Raúl Martins para dar o “tom” do brinde “Gavião de Penacho”.

 Logo em seguida ao brinde de abertura do convívio, o presidente Contente sugeriu que se cantasse o hino nacional, “A Portuguesa”, em homenagem e celebração do facto da Selecção-A de Portugal se ter sagrado campeã europeia de futebol em França no domingo 10 de Julho.

 O presidente voltou a enfatizar o facto da Academia-Mãe ter sido recebida “com honras de realeza aqui na União. Es-tamos muito gratos aos compadres Valentim e Garrana, ao restaurante da União e a todos que contribuem para estes almoços”, comentou José Contente.

 Foi logo informado no inicio do almoço que R180 dos duzentos e cinquenta randes iriam para o restaurante da União e os restantes setenta, directamente para a Academia-Mãe.

 O “carrasco” da tarde foi nomeado, com a tarefa a caber ao compadre Raúl Martins.

 A sopa foi então logo servida, nesta semana com uma quebra na tradição e, ao invés do habitual caldo-verde, a sopa foi creme de cenoura.

 Durante o repasto, o ambiente vivido foi de pura alegria, com o tema dominante das conversas a conquista de Por-tugal do Euro2016 em futebol. Várias gargalhadas e risos pontuaram o ar, fazendo jus ao salutar convívio semanal que os portugueses levam a cabo na cidade de Joanes-burgo.

 De notar que Tony Brito, tal como na semana anterior, animou o almoço com música ambiente, embora com um volume um tanto ou quanto elevado, serviu para tal como na semana anterior, dar mais requinte e um ambiente diferente aos almoços.

 A refeição em si foi servida sem demoras, com os pratos a serem levantados e levados para a mesa em rápida su-cessão. Nesta semana o prato do “fiel amigo” foi confeccionado cozido, guarnecido por batata e grão-de-bico, brócolos e ovo, também o acompanhamento todo ele cozido. De notar, novamente, o elevado tamanho das pos-tas de bacalhau que preencheram os pratos por completo e da elevada quantidade de grão e restantes legumes. Novamente, os compadres mostraram-se satisfeitos e vários comentários de “é pá, sim senhor” e “na União é que é bacalhau” foram ouvidos em torno da mesa do almoço. Como atrás referido, os pratos foram servidos em rápida sucessão e a sobremesa foi logo levada para a mesa, assim que o prato principal foi comido.

 Desta feita, o requinte novamente foi nota dominante, com copos de cerejas servidas aos compadres, seguidas da opção de pêras bêbedas, pudim de ovos e bolo molotof de caramelo.

 Findo o repasto, o presidente voltou a fazer soar o badalo em torno da mesa e tomou a palavra. Informou que o lucro que o almoço da semana anterior rendeu à Academia-Mãe foi de 19.700 randes, o que valeu uma forte salva de palmas de todos os presentes.

 Foram depois contadas várias anedotas, para entretenimento de todos.Uma delas, contadas pelo compadre José Valentim, que depois num tom mais sério, sobre ofertas de refeições de bacalhau a preços de concorrência, referiu “nós, continuamos unidos e fortes e não queremos prejudicar ninguém.”

 O presidente Contente também se referiu a tal acontecimento, ao afirmar que “é verdade. Não queremos prejudicar ninguém, mas não conseguimos perceber certas coisas, depois do email que nos foi enviado com o discriminar dos preços e que dizia justamente que com a Academia dava prejuízo. Enfim, estamos aqui para fazer o bem e dizer que todos são sempre bem-vindos ao nosso seio. Não estamos aqui para dividir a Comunidade, mas sim unir e fortalecer, como disse o compadre Valentim”, atestou o presidente.

 Antes da palavra final ser dada ao “carrasco” da tarde, foram entregues os diplomas de compadre a João Braga e a António Fernando Gomes da Silva Azeredo. O compadre Azeredo, ao receber o diploma, declarou que “come-çava por agradecer o convite e os convites que me foram endereçados para estar entre vós. Estive afastado, mas agora virei certamente mais vezes, porque isto, a Academia, o convívio, o bem-fazer é algo que faz falta na nossa Comunidade e que faz bem a muita gente. Do meu lado, o que puder fazer, vou contribuir também. Obrigado”, conclui o agora compadre António Fer-nando Azeredo.

 Seguidamente, foi a vez do agora compadre João Braga intervir, “boa tarde a todos”, começou por afirmar, “é um enorme prazer estar aqui hoje convosco e fazer parte desta tertúlia. É um prazer enorme fazer parte de algo e de quem une a Comunidade e que passa aos jovens os valores do que é ser português. Muito obrigado a todos”, concluiu o compadre Braga.

 Aproveitando o momento de efusividade da mesa, pediu José Contente, uma salva de palmas à presidência e gestão da União Portuguesa, bem como à cozinha do restaurante. Pedido que logo foi satisfeito por todos. Por fim, o presidente deu a palavra final ao “carrasco”.

 O compadre Raúl Martins “multou” todos em torno da mesa em R50, para os fundos da Academia-Mãe e, como comemorava o seu aniversário naquela quinta-feira, ofereceu ele as bebidas digestivas, as garrafas de whiskey e de vinho do Porto para acompanhar os cafés. Foram logo em seguida cantados os “Parabéns a Você” ao compadre Martins e os compadres vieram dar-lhe apertos de mão e abraços de felicitações pelo seu aniversário.

 O compadre Manuel de Arede propôs um brinde à selecção nacional, o que foi prontamente cantado por todos e logo em seguida o almoço foi encerrado com o entoar do refrão da Marcha da Academia e com novo “Gavião de Penacho”.

 Vários compadres permaneceram em conversa e convívio pela tarde adentro.

 De notar, que o próximo convívio da Academia-Mãe do Bacalhau será no restaurante “O Castelo”, no Sul de Joanesburgo, com o patrocínio do compadre Jorge Araújo. Seguir-se-lhe-á o convívio patrocinado pelo vice-presidente da tertúlia, o compadre Paulo Mariano, ainda em local a definir.