Taça da Liga: FC Porto vence União da Madeira e fica mais perto das “meias-finais” da competição

0
35
Taça da Liga: FC Porto vence União da Madeira e fica mais perto das “meias-finais” da competição

O futebol tem esta estranha dicotomia: por cada momento memorável,por cada jogo para a história, há-de aparecer uns dez FC Porto-União da Madeira, a uma terça à noite de Janeiro, para a fase de Grupos da Taça da Liga. O exemplo é meramente figurativo e surge, apenas, pela lógica, claro está. Afinal, é esse o encontro que vamos analisar.

 Mas o que se pretende mostrar é que o duelo da noite, que o FC Porto venceu por    3-1, estava condenado à partida a cair na gaveta dos jogos para esquecer.

 Porque, com estes ingredientes, só números assombrosos ou uma surpresa gigante fariam com que o futebol brilhasse em pleno no relvado do Dragão. Quase sempre não é assim. E esta noite voltou a não ser.

 Ganhou o FC Porto, com justiça e números certos, mais coisa, menos coisa. Daqui por um ano, se tanto, ninguém se lembrará do resultado. É sempre assim.

  Talvez recordem a estreia de Ivo Rodrigues, mais nervoso do que brilhante na primeira amostra, ou o regresso de Helton, quase um ano depois da grave lesão de Alvalade.

  Os golos surgiram com normalidade, o guião foi seguido à letra. Talvez o tento do União, quando já perdia 2-0, tenha combatido a mediania. Mas, por ventura, só mesmo para os adeptos madeirenses com mais fé. O FC Porto nem se assustou.

 Vamos ao jogo, então?

 Conta-se de forma simples. A pior casa da época no Dragão (cerca de 11 mil) viu, desde cedo, o FC Porto assumir o controlo.

 Afinal, mesmo que com um onze bastante diferente do habitual, que voltou a ter Ru-ben Neves, com Campaña a trinco, e Adrian como ponta de lança, para além das novidades já referidas, era esse o papel que lhe estava destinado.

 O União também cumpriu a sua parte. Vítor Oliveira montou um esquema necessariamente defensivo, mas sem excessos. Helton teve pouco trabalho, sim, mas o União não se limitou a defender. Foi um bloco compacto que Quintero furou ao minuto 24.

Com calma, o colombiano veio da direita para o centro à procura da nesga por onde atirar. Quando a teve, fez golo.

 Antes e depois, em duas incursões ao segundo poste, Ivo Rodrigues ficou a centí-metros de coroar a estreia com golo.

 Quintero e Reyes obrigaram Ricardo Campos a mostrar serviço e o União, no melhor lance que dispôs até ao descanso, viu o poste evitar que Barnes empatasse.

 No segundo tempo, já com Quaresma no lugar de Ivo, chegou o 2-0. Com qualidade e sorte. A jogada é boa, envolvendo Quintero e Adrian, mas o desvio de Zarabi ajudou a que terminasse em festa, após remate do português.

  O 2-0 durou pouco, contudo, porque o União aproveitou o adiantamento de Ricardo para lhe colocar uma bola nas costas que Élio, entrado também no reatamento, aproveitou.

 Apenas um espasmo, contudo, porque o domínio continuou a ser azul e branco (ou azul marinho).

 E assim ficou até ao fim. Ainda chegou o terceiro, por Evandro, no segundo penálti sofrido por Quaresma. Rui Rodrigues não viu o primeiro.

 Mas o essencial não mudou: vitória portista, tranquila, num jogo para esquecer em breve. Está lançada a equipa na Taça da Liga, com duas vitórias em dois jogos. Importante porque a deslocação que falta (para além da recepção à Académica) é a Braga. E esse duelo promete bem mais.