Sporting opera reviravolta e confirma ‘veia goleadora’ face ao Nacional

0
65

O Sporting venceu hoje o Nacional por 5-2, em jogo da 13.ª jornada da I Liga de futebol, mas teve de virar um resultado desfavorável de dois golos, confirmando a ‘veia goleadora’ na ‘era’ Marcel Keizer.

 A equipa insular surpreendeu o Sporting na fase inicial, ao marcar dois golos, o primeiro logo aos seis minutos, por João Camacho, e o segundo, aos 25, pelo sérvio Aleksandar Palocevic, mas a reação ‘leonina’ foi extraordinária e criou as condições para a reviravolta.

 Ainda antes do intervalo, Bas Dost reduziu, na execução de um penálti cometido sobre si, mas seria na forma como abordou a segunda parte que o Sporting conseguir virar para 5-2, perante um Nacional que adotou sempre uma postura positiva, de querer disputar o jogo em todo o campo.

 Um ‘bis’ de Bruno Fernandes, que confirmou estar a atravessar grande momento de forma, depois de um início de época frouxo, aos 70 e 90+1 minutos, outro penálti convertido por Bas Dost, aos 87, e um livre superiormente pelo central francês Jéremy Ma-thieu, a 25 metros da baliza do Nacional, aos 75, consumaram a reviravolta.

 Há que destacar a extraordinária execução do livre direto de Mathieu, além da importância desse golo, que significou a passagem do Sporting, pela primeira vez, para a frente do marcador.

 Não se pode, também, deixar de sublinhar a ‘veia’ goleadora da equipa desde a chegada do treinador holandês a Alvalade, ao marcar 25 golos em seis jogos, três para o campeonato, dois para a Liga Europa e um para a Taça de Portugal, o que dá uma média de 4,16 por jogo, o que é invulgar.

 Se nos cingirmos aos três jogos do campeonato, frente ao Rio Ave (3-1), em Vila do Conde, ao Desportivo das Aves (4-1) e ao Nacional

(5-2), em Alvalade, o Sporting marcou 12 golos, o que dá uma média de quatro por jogo.

 Com mais este triunfo, o Sporting mantém o segundo lugar, com 31 pontos, a dois do líder FC Porto, mas com mais um do que o Sporting de Braga, e mais dois do que o Benfica, terceiro e quarto classificados, respectivamen-te.

 Um golo solitário de Jonas, de penálti, à beira do intervalo, permitiu ao Benfica vencer fora o Marítimo por 1-0, com sofrimento, e somar o quarto triunfo consecutivo no campeonato e o quinto em todas as provas, face a um Marítimo em agonia, que completou o nono jogo sem vencer na pro-va.

 De realçar que Jonas marcou em todos os jogos do campeonato desde que regressou à equipa como titular, o que aconteceu na Luz frente ao Moreirense, fazendo sempre o ‘gosto ao pé’ nos quatro jogos seguintes.

 Entretanto, Rio Ave e Bele-nenses empataram a dois golos, em Vila do Conde, re-sultado que manteve as duas equipas em igualdade na classificação, em sexto e sétimo lugar, respectivamente, com 19 pontos, com o detalhe de os ‘azuis’ se-rem a única equipa invicta fora de casa.

 A equipa anfitriã esteve por duas vezes em vantagem, na sequência dos golos marcados por Gonçalo Silva, aos 28 minutos, na própria baliza, e pelo angolano Gelson Dala, aos 64, mas os visitantes conseguiram sempre restabelecer a igualdade, por intermédio de Licá, aos 58, e do angolano Fredy, aos 69, de penálti.