Sporting e Benfica não deixam FC Porto fugir no topo da tabela classificativa

0
65
I Liga Portuguesa de Futebol: Sporting e Benfica não deixam FC Porto fugir no topo da tabela classificativa

Sporting e Benfica não deixaram ontem o FC Porto fugir no topo da I Liga portuguesa de futebol, ao vencerem os respectivos jogos da nona jornada, de forma mais categórica os ‘leões’ e mais pragmática as ‘águias’.

  A equipa de Jorge Jesus só precisou de meia parte para resolver o jogo perante um Desportivo de Chaves que cumpriu a promessa feita pelo seu treinador, Luís Castro, de enfrentar o Sporting ‘olhos nos olhos’, ousadia que pagou com uma derrota pesada (5-1).

  Esta visão cândida de Luís Castro, de defrontar os ‘grandes’ ‘peito a peito’, como já tinha feito com Benfica e FC Porto, proporciona até espectáculos agradáveis para os espectadores, mas também derrotas, algumas pesadas, para a sua equipa, geralmente macia, pouco agressiva e a jogar no campo todo, deixando muitos espaços entre setores, nomeadamente no defensivo.

  O Sporting arrumou a questão do vencedor aos 39 minutos, quando Acuna ‘assinou’ o terceiro golo e deu até para o ponta de lança holandês dos ‘leões’, Bas Dost, que vinha de uma ‘seca’ assinalável de golos, fazer um ‘hat-trick’, com dois golos a abrir, aos seis e 15, e outro a fechar, aos 75, a fazer o 5-0. O argentino ‘bisaria’, aos 58.

  Depois de ter tido um jogo de elevado grau de exigência a meio da semana, em Turim, frente à Juventus, para a Liga dos Campeões, o Sporting não podia ter desejado adversário mais conveniente.

  De assinalar, ainda, o grande golo de Davidson, aos 90+2 minutos, que deixou Bruno César e Jéremy Mathieu com os ‘rins quebrados’, antes de bater Rui Patrício.

  Dois penáltis marcados por Jonas e um golo de Seferovic asseguraram a vitória do Benfica em casa do Desportivo das Aves por 3-1, que assim manteve os cinco pontos de atraso que leva em relação ao FC Porto, enquanto a equipa avense segue com apenas uma vitória na prova, no 16.º lugar da tabela.

  O Benfica, que surgiu na Vila das Aves com Svilar e Diogo Gonçalves a repetir titularidade, Jonas e Seferovic de regresso e Pizzi no banco, adiantou-se no marcador aos 28 minutos, de penálti, por Jonas, após derrube de Washington a Diogo Gonçalves.

  Aos 50 minutos, após um ‘disparo’ de Jonas contra a defesa do Aves, o ressalto acabou para sobrar para Salvio, que tirou Nelson Lenho da frente e desviou a bola de Quim, proporcionando a Seferovic o toque final para o segundo golo do Benfica.

  Na estreia no campeonato de Lito Vidigal, o Desportivo das Aves, mesmo assim, não deixou de se bater pelo golo, algo que acabou por acontecer aos 76 minutos, altura em que Paulo Machado, de canto, atirou a bola para a zona do primeiro poste, permitindo a Defendi antecipar-se a Seferovic, fazendo um cabeceamento indefensável para Svilar.

  O Benfica acabou por selar o resultado com mais um penálti, que gerou grande contestação. Jonas derrubou Nildo antes de fazer um passe longo para Pizzi, mas o árbitro nada assinalou, acabando o médio, entrado aos 67 minutos, por ser carregado e o brasi-leiro por ‘bisar’ de penálti.

  Quim sofreu, assim, três golos, no dia em que se tornou o jogador mais velho de sempre a actuar na I Liga. Aos 41 anos, 11 meses e nove dias, o antigo jogador de Benfica e Sporting Braga ultrapassou Bento, que tinha alinhado, em 1990, com 41 anos, 10 meses e 25 dias.

  No outro jogo do dia, o Tondela venceu o Belenenses por 2-0, arrecadando a primeira vitória em casa, com dois golos na segunda parte do jogo, com os visitantes reduzidos a 10 unidades.

  Os golos foram apontados no segundo tempo, primeiro por Helder Tavares, aos 71 minutos, e depois por Murilo, aos 86, após expulsão de Persson, aos 44.

  As três equipas – Tondela, Belenenses e arbitragem – deram entrada no Estádio João Cardoso fazendo-se acompanhar de oito bombeiros, que receberam uma calorosa salva de palmas e participaram também no minuto de silêncio em homenagem às 44 vítimas mortais do incêndio no penúltimo domingo, a 15 de Outubro.

  Como o concelho de Tondela foi um dos fustigados pelas chamas, os homens de Pepa jogaram com braçadeiras negras, que simbolizaram o luto de toda uma região.