Sporting de Braga goleia Feirense e cola-se ao Benfica no 2º lugar

0
52
Sporting de Braga goleia Feirense e cola-se ao Benfica no 2º lugar

Direito de resposta do Sp. Braga após os triunfos de F.C. Porto e Benfica. Galanteio não assumido ao troféu nacional, qualidade em todos os sectores para justificar o desejo escondido e cada vez mais real.

 Passagem imaculada por Santa Maria da Feira, onde passa a morar o último classificado da Liga (1-4). Doze vitórias consecutivas para os guerreiros do Minho.
 Hélder Barbosa, Lima, Márcio Mossoró e Hugo Viana.
 Quatro golos, quatro momentos de afirmação para valores de primeira linha, criativos num projeto trabalhado ao pormenor por Leonardo Jardim.
 O Feirense, que empatara o F.C. Porto em casa emprestada, que fizera o mesmo ao Marítimo, que não merecera perder com o Benfica, esse mesmo Feirense foi manteiga perante a faca arsenalista, derreteu-se como se estives-se ao lume.
 “Só queremos o Braga campeão”
 Os resultados acumulados da 23ª jornada redundaram em pontos de pressão para as duas formações. O Sp. Braga respondeu da melhor forma ao Porto e ao Benfica. A equipa da Feira, por seu turno, caiu para o último lugar por culpa da U. Leiria, durante a tarde, e entrou em sobre-aquecimento.
 Sem nexo, com os nervos à flor da pele, o Feirense entrou a perder e envolveu-se num processo irracional em busca do empate. Criou apenas uma oportunidade, num cruzamento perigoso de Fonseca, na etapa inicial.

 Os minhotos, com pose de grande, ocuparam o relvado e as bancadas do Marcolino de Castro. Com um milhar de adeptos em Santa Maria da Feira, o Sp. Braga sentiu-se em casa e terminou o jogo com o desejo assumido por quem segue este candidato.
 “Nós só queremos o Braga campeão, só queremos o Braga campeão”. Os adeptos não escondem. A equipa, pelo que faz no relvado, também não. Palavras para quê?
 Entrada de rompante. Os retardatários, ainda no início da digestão depois de uma refeição rápida a caminho do estádio, terão falhado o aviso prévio do Sp. Braga, tão forte como a sua ambição.
 O Feirense tirava as medidas ao seu próprio relvado e a equipa de Leonardo Jardim já marcava. Mossoró caiu com indícios de lesão mas nem assim. Os arsenalistas pegaram na bola, insistiram pelo centro, depois pela direita e marcaram.
 Custódio, qual extremo, tabelou com Lima e encontrou Hélder Barbosa na área.
 Paulo Lopes não fez mais que adiar a questão. Na emenda, o esquerdino inaugurou a contagem.
 Quim Machado exasperava. Perdera todo o setor intermediário devido a castigo e a reformulação saiu-lhe mal. Sténio, Thiago e Diogo Rosado nunca conseguiram pegar no meio-campo e abriram verdadeiras clareiras para Custódio, Viana e sobretudo Mossoró.
 Com tempo e espaço, as unidades cerebrais do Sp. Braga engendraram vários planos ofensivos, executados regularmente até ao momento do descalabro contrário. Lima falhou uma, duas mas não três.

* REACÇÕES NO FINAL DO ENCONTRO:

 Leonardo Jardim, treinador do Sp. Braga:
 “O jogo acabou por se tornar mais fácil por termos uma entrada muito forte em jogo e por nos termos colocado em vantagem no marcador.
 Quando o adversário consegue limitar a transição, o Feirense sente mais dificuldades.
 Foi pena não fazermos o 0-2 mais cedo. Conseguimos na segunda parte e garantimos a vitória. O Sp. Braga tenta dar sempre o máximo mas temos um jogo já na quinta-feira, pra a Taça da Liga por isso tivémos que gerir mais o cansaço de alguns jogadores.”
 Adeptos já cantam que querem o Braga campeão?
 “É normal que os nossos adeptos tenham esse objectivo mas nós temos o nosso.
 Neste momento, demos um passo grande para garantir, mais três pontos e penso que garantimos o quarto lugar.
 Mas o Sp. Braga é uma equipa ambiciosa e quinta-feira já temos outro jogo importante, procurando a final da Taça da Liga”
 Dentro do grupo falam no título?
 “O que nós pretendemos, dentro do grupo, é trabalhar para que a “performance” desportiva seja cada vez melhor. Vamos abordar cada jogo na perspetiva de vitória”
 Hugo Viana merece a selecção?
 “Acredito no nosso selecionador e acredito que ele tem qualidade. Merece todo o meu respeito nas opiniões que tem e nas escolhas que faz. Não me compete analisar critérios de seleção.

 Quim Machado, treinador do Feirense:
 “Foi uma derrota pesada e o nosso pior jogo em casa. Apanhámos um Braga muito forte, fez um golo muito cedo e quando uma equipa que está na nossa posição sofre fica mais intranquila. O segundo golo matou o jogo. Este desfecho foi culpa do Sp. Braga, há que dar mérito ao adversário. Quando se joga mal, nem sempre a culpa é nossa.
 Há um lance na primeira parte em que podíamos fazer o 1-1 e aí a história podia ter sido diferente, mas depois surge o segundo golo na etapa complementar e a partir daí complicou. O Feirense não existiu e o Braga foi muito forte. E com todo o mérito venceu folgadamente.”