Sporting de Braga deu vitória folgada aos 2.196 adeptos diante do AEK

0
179

O Sporting de Braga começou quinta-feira da melhor forma o grupo G da Liga Europa de futebol, ao vencer folgadamente o AEK Atenas por

3-0, em jogo que marcou o regresso de público ao recinto bracarense.

  Na primeira partida com espectadores, no Estádio Municipal de Braga (2.196), após a interrupção das competições, em Março, por causa da pandemia de covid-19, e 54 anos depois da estreia nas competições europeias precisamente diante do AEK Atenas, o Sporting de Braga venceu com inteira justiça por 3-0, com golos de Galeno (44 minutos), Paulinho (78) e Ricardo Horta (88), e lidera, com o Leicester (que bateu o Zorya também por 3-0), o grupo G.

  Os ‘arsenalistas’ entraram muito dominantes e a pressão da equipa orientada por Carlos Carvalhal chegou a ser asfixiante, para o que contribuía, também, uma gritante falta de capacidade técnica do AEK na primeira fase de construção.

  Contudo, apesar do domínio, a turma bracarense não tinha arte, nem engenho para criar gran-des ocasiões de golo, com excepção de um lance aos 38 minutos em que, após grande cruzamento de Paulinho da esquerda, Fransérgio cabeceou ao lado.

  O internacional português da equipa grega Nélson Oliveira respondeu com a melhor oportunidade dos helénicos neste período (42), mas logo a seguir surgiu o primeiro golo dos minhotos, com Galeno, de cabeça, a antecipar-se a um defesa do AEK e a responder da melhor maneira a um bom cruzamento da direita de Esgaio (44).

  O AEK entrou melhor na segunda parte e, aos 50 minutos, após um livre e em excelente posição, o central ucraniano Chygrynskiy rematou fraco e Matheus defendeu com facilidade.

  Aos 57 minutos, um ‘tiro’ de Sequeira de fora da área obrigou o guardião grego a uma boa defesa e, quatro minutos depois, foi Fransérgio a rematar: Tsintotas defendeu e Galeno, na recarga, atirou ao lado.

  O AEK era agora mais perigoso e, aos 63 minutos, o recém-entrado Tankovic ladeou Matheus, mas foi Nélson Oliveira que rematou, já de ângulo apertado, às malhas laterais.

  Depois só ‘deu’ Braga e, aos 72 minutos, Ricardo Horta desperdiçou flagrante ocasião. O golo que ‘matou’ a partida surgiu aos 78 minutos, com um remate cruzado de Paulinho após uma grande jogada de Galeno.

  O extremo brasileiro intercetou uma bola ainda no meio campo defensivo bracarense, tabelou com Ricardo Horta, foi galgando terreno e deixou mais dois adversários pelo caminho antes de assistir o ponta-de-lança.

  A vantagem permitiu a Carlos Carvalhal gerir a equipa com vista ao ‘clássico’ minhoto de domingo, em casa do Vitória de Guimarães, e, aos 88 minutos, Ricardo Horta fez o último dos ‘arsenalistas’ a passe de Paulinho.