Sociedade de Beneficência perde oportunidade soberana de ter Lar de Idosos bem administrado

0
67
Sociedade de Beneficência perde oportunidade soberana de ter Lar de Idosos bem administrado

No dia 21 de Abril deste ano – depois de uma série de peripécias a que oportunamente nos referimos, relativamente a um insucesso de admissão sem concurso público de alguém não português para o preenchimento de um posto laboral -, a Sociedade Portuguesa de Beneficência colocou um anúncio, pago, no Século de Joanesburgo com o seguinte teor:

  “LAR RAINHA SANTA ISABEL procura Homem ou Senhora para posição de gestão de Lar de Terceira Idade, situado em Albertskroon. Interessado deverá ser pessoa dinâmica, com qualificações e experiência no tratamento de pessoas idosas, a fim de cumprir com regulamentos e práticas implementadas, reportando directamente à Direcção Executiva do Lar. Domínio falado e escrito de Português e Inglês é essencial, assim como conhecimentos de guarda-livros, orçamentos, administração e gestão de pessoal. Candidatos deverão contactar…… (etc., etc…)”

  Preenchendo a 200 por cento todos as condições requeridas pela SPB e com um estatuto de prestígio no seio da comunidade portuguesa – gestor bancário que nunca enganou ninguém, membro eleito do Conselho das Comunidades Portuguesas e nessas funções facilitador de contactos com membros do Governo e instituições oficiais portuguesas, colaborador da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Sul-Africana, antigo membro do Board of Trustees da Sociedade Portuguesa de Beneficência e da sua Direcção, figura estimada por todo o pessoal do Lar de Idosos da SPB e pelos antigos residentes ainda vivos, conhecedor daquela instituição por dentro e por fora, quadro superior com conhecimentos acrescidos que lhe advêm da mais recente experiência no campo de gestão na indústria de restauração tanto em pessoal como em aquisições, pessoa capaz de fazer um bom discurso e de receber com dignidade entidades oficiais, senhor de uma postura que não  pactua com vigarices e pessoa de um perfil humano extraordinário -, Vasco de Abreu candidatou-se ao lugar.

  Ao contrário de um aplauso, que seria ver nesta candidatura uma oportunidade soberana de ter o Lar de Idosos bem administrado, os directores da Sociedade de Beneficência encararam-na como um problema e meteram o assunto no “congela-dor”.

  O lugar a preencher, afinal, não seria assim tão urgente! Ao ponto de, passados mais de três meses, os directores da SPB não acusarem a recepção das candidaturas nem de terem desencadeado as respectivas entrevistas de selecção dos candi-datos. Se é que algum director da Beneficência tem competência profissional para tomar uma decisão deste calibre!

  Desiludido com o comportamento dos actuais membros do Board of Tustees da Sociedade Portuguesa de Beneficência e da sua Direcção Executiva, Vasco de Abreu enviou-lhe a 21 de Julho uma carta, cujo texto nos facultou e que passamos a publicar. Fê-lo em inglês, porque, infelizmente, os directores da Beneficência entendem melhor a língua da Rainha de Inglaterra do que a Língua de Camões.

 

Dear Members Board of Trustees and

Executive Committee,

 

It’s disappointing that after three (3) months of applying for the job of Director of the "Lar Rainha Santa Isabel", the receipt of the application has not been acknowledged yet and no news if the same is being considered, or not, was received by the undersigned.

 

If not for anything else, as a former member of the Board and Executive Committee, I think I deserved better treatment. If not in writing, at least verbally, the acknowledgement.

 

Due to the facts mentioned above, I hereby withdraw my candidacy to the position, with immediate effect, as I do not want to prolong the appointment of a new Director to the "Lar Rainha Santa Isabel"  further, prejudicing the well being of the residents!

I regret taking this decision, but in having the distinct impression that the same hasn’t been well received by some Members of the present Board and Executive Committee, therefore the decision of delaying the all process, with the use an outside source for the choice of the new Director, with obvious costs and consequences to the Residents and the finances of the SPB.

 

I still think that, for the good of the Institution, I was the best candidate, although I do not know the names of the others. I was involved directly for more then 10 years, know the in and outs of the same and, furthermore, being also a member of Academia do Bacalhau, could, somehow, contribute for a better cooperation between the two organizations.

 

Kind Regards,

 

Vasco P. de Abreu

 

  Depois disto, resta-nos monitorizar a situação, acompanhar os seus desenvolvimentos, verificar se quem for admitido satisfaz as condições requeridas no anúncio publicado pela SPB e, no fim, fazer uma comparação de currículos, para que a Comu-nidade saiba como é que a Sociedade de Beneficência – que não é um “shop” de ninguém mas uma instituição comunitária – está a ser administra.