Situação económica é “muito crítica” em Moçambique

0
164
Moçambique

MoçambiqueO economista moçambicano João Mosca considera que a situação económica de Moçambique é “muito crítica” e diz que o país é “dos mais corruptos do mundo”.

 Economista e professor, doutorado em Economia Agrária e Sociologia Rural, João Mosca comentava os recentes conflitos em Maputo, resultantes de protestos populares pelo agravamento do custo de vida, e a decisão do Governo de subsidiar produtos básicos, entre eles o pão, e congelar aumentos nos salários dos políticos.
 “No contexto em que foi tomada, não havia margem para outra decisão do Governo”, mas “medidas que deviam ter sido tomadas não fo-ram” e o Executivo “não sabe o que fazer”, disse.
 A decisão de subsidiar os produtos “foi política” e o Governo moçambicano, no entender do economista, não sabe que reflexos terá no Orçamento do Estado nem que consequências terá na economia.

 João Mosca deu o exemplo do pão, que o Estado terá de financiar com cerca de 400 mil dólares por dia, sem ter esses recursos.
 E quanto à contenção da despesa, congelando por exemplo os aumentos de políticos, disse João Mosca que não é “completamente verdade”, porque há suspensão de aumentos mas mantém-se a actual situação e por isso “não tem efeitos práticos”.
 No entender do responsável, “a situação é muito crítica economicamente” em Moçambique, onde “o volume de subsídios é imenso”, onde o Estado está endividado, e onde o Governo “viveu muito à custa de uma suposta estabilidade que já se sabia que não existia”.
 “A economia moçambicana há muitos anos que de estabilidade tem muito pouco” e há “estudos internos que demonstram que a estabilidade é injetada de recursos que a economia não cria”, disse João Mosca, acrescentando que os subsídios vão agravar o défice publico, a dívida pública e a pressão sobre o metical.

 “Na Agricultura, a produtividade é hoje igual ou inferior à de há 40 anos, a produção alimentar por habitante é 40 por cento menos do que há 40 anos. E não são números meus, são do Governo”, acusou o economista, para quem não se pode atribuir as culpas à guerra civil, porque “já passaram 16 anos e a produtividade continua igual”.
 Ainda segundo João Mosca, “o discurso que dá ideia de que Moçambique é um país das maravilhas não é verda-deiro e não é sustentado”. “Já falo nisto há três ou quatro anos”, assegurou.
 Há dias, confrontos entre população e polícia, nas cidades de Maputo e Matola, provocaram 18 mortos, segundo fontes clínicas contactadas, ain-da que o Governo só reconheça 14 mortes.

 A população protestava contra o aumento dos preços da água, luz e pão. Na terça-feira, o Governo suspendeu os aumentos e congelou os preços, prometendo que iria subsidiar, nomeadamente as panificadoras, que aumenta-ram o preço do pão devido ao aumento também do preço da farinha.