Sinais de confiança para Portugal em 2015

0
41
Sinais de confiança para Portugal em 2015

O porta-voz do PSD, Marco António Costa, considerou a semana passada que os últimos dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) são mais um sinal que indicam uma “perspectiva de confiança” para Portugal em 2015.

 Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, a economia portuguesa cresceu 0,2% no terceiro trimestre face ao segundo trimestre e 1,0% face a igual período do ano passado.

 “Aquela que é a perspectiva que nós temos para o futuro próximo, nomeadamente para o ano de 2015, é sem dúvida uma perspectiva de confian-ça“, afirmou, em Bragança, atribuindo os resultados no crescimento económico à “vi-ragem de ciclo da economia iniciada em 2013”

 O porta-voz e vice-presidente do PSD associou os dados sobre o PIB nacional a outros números como “a diminuição sustentada do desemprego”, lembrando que Portugal chegou a registar 17 por cento de desemprego e que a taxa se situa agora nos 13,1 por cento.

 Referiu ainda que os últimos dados do Governo apontam também para o “crescimento do emprego” e a criação de “210 mil postos de trabalho no último ano”.

 “Temos muito caminho ainda para fazer, mas eu julgo que são sinais de confiança que devem merecer de todos nós um estimulo e uma vontade e uma determinação para continuarmos este caminho que está a ser feito pelo país”, declarou.

 Marco António Costa realizou sexta-feira em Bragança a primeira de um conjunto de visitas que pretende realizar até ao final de março a todos os distritos do país, para ouvir as estruturas políticas do PSD, empresários, instituições da economia social, e outros agentes locais.

 

* Novo quadro comunitário de apoio é "oportunidade a não desperdiçar"

 

 O Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu a semana passada que o novo quadro comunitário de apoio 2014/2020 constitui "uma oportunidade a não desperdiçar" para manter no país o "dinamismo económico e social e assegurar a renovação das gerações". O Chefe de Estado falava após inaugurar um pavilhão multiusos da Misericórdia de Borba, num investimento de um milhão de euros, e de visitar a nova adega da cidade, tendo enaltecido o trabalho desenvolvido por ambas as instituições.

 "Sem a projecção internacional dos produtos da região, não será possível consolidar a base produtiva local e sem esta dificilmente se conseguirá manter o dinamismo económico e social e assegurar a renovação das gerações", afirmou.

 Para Cavaco Silva, o novo período de fundos comunitários "será, nesse aspecto, uma oportunidade a não desperdiçar".

No quadro plurianual 2014-2020 prevê-se, segundo o chefe de Estado, "um reforço de verbas para as regiões menos desenvolvidas do país", centrado no objectivo da competitividade das empresas e seu desenvolvimento e crescimento e na criação de emprego".

 “Trata-se de uma prioridade nacional”, destacou, assinalando ser “um esforço” que visa a concretização da “coesão territorial” e que, nesse aspecto, as autarquias assumem “um papel insubstituível”.

 Segundo o chefe de Estado, “cabe aos autarcas do nosso país aliar o conhecimento profundo e directo das necessidades das populações e das virtualidades do concelho a uma visão de futuro e a uma criatividade mobilizadora”.

O Presidente da República alertou que “o trabalho com os empresários e com os jovens e o apelo ao empreendedorismo e ao investimento são essenciais para que não se desperdice mais esta oportunidade que a integração europeia proporciona”

 Cavaco Silva referiu, por outro lado, que “é bom que as comunidades locais não es-queçam os segmentos mais frágeis da população” e que lhe proporcionem “as condi-ções para que tenham um envelhecimento com dignidade e bem-estar”.

 “Mas é necessário olhar atentamente para a sustentabilidade demográfica destas comunidades, para as condições de segurança e estabilidade que permitam às famílias assegurar a renovação das gerações”, ressalvou.

 O conceito de “Aldeia Social”, da Misericórdia de Borba, que integra no mesmo espaço valências para idosos e crianças, “vai nesse sentido”, considerou o chefe de Estado, realçando que, assim, “os mais velhos podem transmitir aos mais novos os valores e as bases da identidade local, que lhes permitam ganhar o apego à terra onde nascem e onde é importante que continuem a viver”.

 Durante a manhã, em Borba, o chefe de Estado visitou a adega local, que produz anualmente um milhão de caixas de nove litros, sendo um dos maiores produtores nacionais do sector, e a "Aldeia Social" da Santa Casa da Misericórdia, onde inaugurou o Pavilhão Multiusos “Caetano Gazimba”.

 O pavilhão da Misericórdia, instituição que está a comemorar 490 anos, envolveu um investimento de um milhão de euros, comparticipados em 250 mil euros através de fundos comunitários.

 O equipamento, que inclui um ginásio, um auditório e uma piscina, com dois tanques, está integrado na "Aldeia Social" da Misericórdia de Borba, um espaço intergeracional que integra um conjunto de valências e que apoia cerca de 700 utentes.

Durante a tarde, Cavaco Silva prosseguiu a visita ao Alentejo, com visitas ao Regimento de Cavalaria 3 (RC3), a uma nova adega e ao Palácio dos Marqueses de Praia e Monforte, espaço cultural recentemente renovado.