Secretário de Estado José Luís Carneiro conviveu na Casa Social da Madeira com a Comunidade de Pretória

0
58

 Ao dedicar o dia de sexta-feira 6 de Abril a Pretória, onde participou em reunião com os professoras de língua portuguesa e à condecoração do dr. João Manuel Branco da Fonseca, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, dr. José Luís Carneiro, acompanhado do embaixador Manuel de Carvalho, e do secretário Regional da Educação da Madeira, Jorge Carvalho, jantou com significativo número de membros da nossa comunidade, no convívio que em sua honra foi oferecido pela Casa Social da Madeira, contando-se entre os presentes, o conselheiro da embaixada e chefe dos serviços consulares de Pretória, Eduardo Rafael e a chanceler da embaixada Carlota Amorim; o cônsul-geral de Joanesburgo, Francisco-Xavier de Meireles; o coordenador do Ensino de Português Carlos Gomes da Silva; o novo director das Comunidades Madeirenses Sancho Gomes; os comendadores Estêvão e Manuela Rosa, Joe Quintal e Ivo de Sousa; a conselheira da Comunidade Helena Rodrigues; o Frei Lameque, pároco da Igreja de Santa Maria, a presidente dos Lusíadas, Paula de Castro, e a da Liga da Mulher Portuguesa, Ma-nuela Calado; além do presidente da CSM, Samuel da Silva, os membros directivos desta mesma casa, Lino Faria, Augusto Baptista Rosa, José Dias Roda e Angelino Nascimento.

 Com os presentes de pé foram cantados em palco por Roberto Adão, os hinos nacionais da África do Sul e de Portugal, seguindo-se o jantar, foram por Samuel da Silva dadas as boas vindas ao secretário de Estado das Comu-nidades Portuguesas, José Luís Carneiro e acompanhantes, e agradecer a presença de quantos ali se encontra-vam, entre os quais e pela primeira vez o embaixador Manuel de Carvalho e sua esposa, sentindo-se como afirmou, lisonjeado com a visita de tão destacadas individualidades.

 Prosseguindo no seu improviso o presidente da CSM disse ser com muito bons olhos que a Comunidade vê a presença das entidades nestas nossas colectividades, daí devermos fazer da nossa parte com que venham mais vezes junto de nós, para se aperceberem do que realmente necessitamos e em relação a esta casa a que preside dizer que a Direcção que o acompanha trabalha no voluntariado e sem qualquer interesse pessoal, e neste caminho iremos conti-nuar e tudo fazer para a união nas colectividades, “porque no fundo somos todos portugueses, como hoje aqui que considero uma casa portuguesa, e é com enorme prazer que a todos vos recebo aqui, com os desejos de uma noite agradável”.

 Chamou de seguida ao palco o secretário Regional da Educação da Madeira.

 Começando por a todos saudar e endereçar um abraço fraterno do presidente do Governo Regional da Madeira, dr. Miguel Albuquerque, “dizer-vos ser com enorme satisfação que volto a encontrar-vos aqui neste espaço tão característico, onde no ano tran-sacto aqui estive a representar o governo da Região Autónoma da Madeira, aquando das comemorações do “Dia da Região”, e hoje acompanhando o senhor secretário das Comunidades Portugue-sas, nesta visita à África do Sul, nesta proximidade que temos procurado com a comunidade portuguesa, independentemente das suas origens, tem pretensões e anseios que são comuns, e como tal devemos estar todos também envolvidos, não só na procura dessas soluções, mas acima de tudo na realização e concretização de contextos que sejam facilitadores e respondam a essas preocupações”.

 “Queria também dizer-vos que é com grande satisfação que ao longo dos encontros que temos realizado nos dois dias que aqui nos encontramos, percebermos que a nossa Comunidade, que é vasta, em algumas situações que a preocupa, mas acima de tudo é uma Comunidade que está perfeitamente integrada, que tem procurado corresponder às diferentes circunstâncias, que os contextos que vai vivendo vão obrigando a essa capacidade de adaptação e de construção que tanto caracteriza os portugueses, e perceber aqui, nestes contactos que temos realizado, dizer-vos também da parte que toca, mais especificamente ao Governo Regional da Madeira, naquilo que é o acompanhamento das nossas comunidades, devermos estar mais próximos e ter um conhecimento mais profundo para que as nossas respostas sejam mais adequadas”.

 “É nesse sentido que nos aproximamos das comunidades a fim de procurar responder melhor a essas preocupações, deixando uma palavra de gratidão por tudo quanto têm feito pela Região, não só neste país, e acima de tudo aquilo que procuram, e este evento é prova de manter os laços de proximidade com as nossas origens, e da nossa parte responder às vossas preocupações”.

 Convidado de seguida a proferir algumas palavras o embaixador, depois de cumprimentar as entidades presentes e saudar comendadores, conselheiros e amigos que se dedicam à Comunidade, casos de Paula de Castro, dos Lusíadas; Manuela Calado, da Liga da Mulher Portuguesa e o Frei Lameque, da Igreja de Santa Maria, afirmando ser para si um prazer estar nesta CSM, no seu caso pela primeira vez, a quem deu os parabéns pela forma elegante com que decorou o salão para esta ocasião, a par do magnífico jantar que ofereceu, agradecendo a todos os madeirenses que o ajudaram neste percurso pessoal, e simultaneamente realçar a importância e significado da visita do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, vindo, como disse, do governo central de Lisboa, e do secretário Regional das Comunidades Madeirenses para, como classificou, uma peregrinação pela África do Sul, nas visitas a Joanesburgo, Pretória, Vanderbijlpark, Welkom, Bloemfontein e Cidade do Cabo, com a embaixada e os consulados no terreno, mostrando que somos todos uma equipa, e como se diz a união faz a força, precisamente o que nos move e nos junta aqui a todos enquanto portugueses de todas as origens.

 “E é isto que enquanto embaixador de Portugal, de que estou encarregado, de utilizar os nossos valores, a nossa memória e a nossa língua, que como património que recebemos devemos respeitar como língua do país moderno, e embora reconhecendo o valor do inglês, não se esqueçam de falar sempre que possível o Português, e com isso preservar essa nossa herança, o nosso valor e a nossa cultura”. 

 Anunciou de seguida a homenagem que se iria prestar ao presidente da Casa Social da Madeira, a quem convidou para subir ao palco, reconhecimento esse a ser feito pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

 Ao receber essa distinção do Governo Português, Samuel da Silva manifestou a vontade de repartir esse reconhecimento – medalha de mérito em ouro das comunidades -, com toda a Direcção que o acompanha, porque como salientou, sem eles, dando o apoio sempre que necessário, as coisas não podiam correr tão bem , como têm corrido até agora, com um obrigado a toda a comunidade portuguesa de Pretória.

 No discurso que viria a ser o mais longo da noite, o secretário de Estado das Comuni-dades Portuguesas, dr. José Luís Carneiro, depois de saudar e agradecer a presença de quantos nesta noite ali se encontravam, e com isso dignificarem as entidades oficiais presentes na ocasião, um esforço individual para que aqui nos pudéssemos encontrar, alguns certamente pela primeira vez, já que quanto a si  estivera em Fevereiro do ano transacto, e agora poder conviver com outros compatriotas em diferentes actos, reuniões e convívios na embaixada, aproveitando a ocasião para agradecer outros contributos que registou com agrado, englobando neste prisma o contributo do cônsul-geral de Joanesburgo, pelo trabalho e esforço de podermos ter novas instalações naquela cidade prontas para melhor poder servir a Comunidade, com prestígio junto dos sul-africanos, com uma palavra de reconhecimento ao encarregado da secção consular da embaixada de Portugal, em Pretória.

 Depois de se mostrar grato ao modo como aqui tem sido recebido em visitas e contactos, numa atitude digna em re-lação à sua pessoa, e esse espírito de confraternização fraterna não haver portugueses da Madeira, de Lisboa, do Porto ou do Algarve, mas sim portugueses de primeira qualidade em representação de todas as comunidades portuguesas do mundo, naturalmente com a madeirense na África do Sul numa expressão muito especial, e não seria justo deixar de reconhecer essa força dos portugueses da Madeira que aqui se encontram na África do Sul, a todos eu quero agradecer a vossa força, a vossa determinação, a vossa coragem e exemplos de vida, que nós aqui quisemos homenagear na atribuição de medalha de mérito das comunidades portuguesas, grau ouro, a Sa-muel da Silva.

 “Queria que neste reconhecimento todos se sentissem homenageados por parte do governo português, porque quando homenageamos Samuel da Silva, ou outros empresários de sucesso na África do Sul, alguém que empreendeu ou foi capaz de vencer dificuldades com que se deparou ou confrontou ao lon-go da sua vida, é homenagear alguém que entregou parte da vida pessoal ao associativo, significa homenagear o espírito que caracteriza os nossos compatriotas, porque o movimento associativo tem uma condição muito relacionada com a vida dos portugueses no mundo”.

 “Quanto à remodelação dos serviços consulares de Joanesburgo, esperamos num futuro breve poderem ser melhoradas também as da secção consular da embaixada, em Pretória, o que me deixará satisfeito, e para o qual o senhor embaixador está a trabalhar com o arquitecto que procedeu à remodelação da de Joanesburgo, para as alterações que se pretendem na estrutura da representação diplomática, além do esforço ligado à promoção da língua e cultura portuguesa, e é com satisfação que hoje, no diálogo que tive com professores, poder ouvir que todas semanas e todos os meses no seu trabalho verificarem haver uma procura, cada vez maior, não só da parte de luso-descendentes, segunda, terceira e quarta geração, na aprendizagem da língua portuguesa, como também sul-africanos interessados em aprender a língua de Camões, por saberem ser a utilizada em países vizinhos da África do Sul, e a encaminhar-se para a seu tempo ser a mais falada no continente africano”.

 Terminando na descrição que em apoio deve ser dado ao associativismo e lares de terceira idade que albergam os nossos mais idosos, José Luís Carneiro transmitiu a terminar uma palavra de confiança, aos que vivem com alguma preocupação, dizendo que Portugal, pese embora tenha passado por dificuldades num passado recente, está no bom caminho rumo a um futuro que se prevê e espera seja auspicioso em todos os ramos de actividade, onde a taxa de desemprego tem diminuído, e o turismo na descoberta do nosso património a aumentar, com desejos de felicidade para todos os que o ouviam, e extensivos à comunidade lusa em geral, radicada na África do Sul, que juntamente com as demais espalhadas pelo universo continuem a ser a força máxima do nosso querer.

 Recorda-se que que a música para este convívio – onde se exibiu o rancho desta CSM, e o presidente desta casa agradecer a alegria que este “bailinho” transmitiu aos presentes ali naquela noite, a quem pediu para continuar a divulgar a nossa cultura popular -, esteve a cargo do “DJ Vix”, e por último actuou o cançonetista da comunidade Roberto Adão.