Professores de Português discutem em Congresso a forma como a Literatura está presente nos programas

0
99
Professores de Português discutem em Congresso a forma como a Literatura está presente nos programas escolares

Os professores de Português reúnem-se em congresso segunda e terça-feira para discutir a forma como a literatura está presente nos programas escolares, defendendo uma maior atenção para os autores africanos de língua portuguesa.

 Em declarações à agência Lusa, a presidente da Associação de Professores de Português (APP) admitiu que, entre os autores portugueses, Sophia de Mello Breyner está “muito esquecida” e que os escritores africanos têm também pouca expressão nos currículos.

 “Não estão representados nos conteúdos obrigatórios do programa, aparecem só na área de projecto de leitura”, afirmou Edviges Antunes Ferreira, lamentando: “Não há mesmo uma área que contemple o estudo dessa literatura”.

 No último congresso da APP, realizado há dois anos, em Évora, os professores manifestaram interesse em aprofundar o tema da literatura, pelo que o 12.º Encontro Nacional destes docentes, em Lisboa, vai decorrer sob o mote “Língua e Literatura na Escola do Século XXI”.

 As temáticas passam também pelas metas curriculares e pela literacia na literatura infantojuvenil, como preparação para o século XXI, estando previsto um debate com Isabel Alçada, José Jorge Letria e Teresa Calçada.

 O objectivo é abordar os temas numa perspectiva de cidadania, enquadrando-os igualmente no Perfil do Aluno para o Século XXI, um documento estratégico que o Ministério da Educação está a preparar e para o qual criou um grupo de trabalho e pediu a colaboração das associações de professores e sociedades científicas.

 “Até agora havia um sistema muito dirigista, os professores concordam que conhecer melhor a nossa cultura, especialmente a literária, é fundamental”, referiu a professora.

 Para a presidente da APP, os programas já têm muita educação literária. O importante é “transmitir aos alunos toda a tradição” a este nível.

 “Não é excessiva, não é os alunos falarem dos aspectos menos interessantes, é ficarem com uma perspectiva global da literatura portuguesa”, explicou.

 Para atingir este objectivo, os professores querem mais liberdade, mas a dirigente associativa está optimista. “Penso que esta liberdade será possível muito brevemente”.

 “O programa vai manter-se, mas certamente o professor vai ter maiores opções de escolha, o que é fundamental”, defendeu, referindo-se à flexibilização curricular anunciada pelo Ministério.

 A professora considera que os programas já permitem um bom conhecimento da literatura portuguesa. “Tem, de facto, grande expressão nos programas, porque é um marco da nossa cultura e é conveniente os alunos conhecerem as nossas obras literárias e estarem dentro de tudo isso”.

 Durante o encontro, pretende-se fazer uma reflexão sobre a literatura enquanto formadora do Perfil do Aluno do século XXI, um tema que o Ministério tem associado a futuras alterações no domínio pedagógico.

 Os professores têm agora esperança de que os programas sejam flexibilizados e que seja definido “um conjunto de conhecimentos essenciais” que os alunos devem ter ao fim de 12 anos de escolaridade.

 “Acreditamos que vai acontecer no próximo ano lectivo, esperamos pelo menos que algumas coisas já possam acontecer. É essencial uma flexibilização curricular”, disse.

 De acordo com o Ministério da Educação, um grupo de escolas do ensino básico e secundário, públicas e privadas, começará no próximo ano lectivo a trabalhar com a flexibilização pedagógica, permitindo mais autonomia de decisão e cruzamento de disciplinas.