Prevaleceu empate nulo no clássico Sporting-FC Porto jogado sem emoção

0
36
Prevaleceu empate nulo no clássico Sporting-FC Porto jogado sem emoção

Sporting e FC Porto empataram no sábado sem golos no “clássico” da 14.ª jornada da Liga portuguesa de futebol, num encontro de muito baixa qualidade e que poderá deixar os "leões" a oito pontos da frente.

 No Estádio José Alvalade, as duas equipas praticaram um futebol sofrível e deram uma fraca imagem do campeonato nacional, mostrando um receio exagerado de início ao fim, principalmente o Sporting, que tinha a obrigação de vencer para continuar a sonhar com o "título".
 As únicas oportunidades do jogo só apareceram nos instantes finais, com Izmailov a ficar perto de marcar, valendo ao FC Porto o uruguaio Álvaro Pereira, que tirou a bola em cima da linha de golo, e depois por James Rodriguez, com Polga a ser o salvador "leonino", numa jogada em que Rui Patrício já estava batido.

 De resto, muita luta a meio-campo, mas pouco espectáculo. Foi raro um lance com princípio, meio e fim, com os jogadores a demonstrarem sempre muito nervosismo quando tinham a bola nos pés, preferindo quase sempre os pontapés para a frente.
 A equipa de Alvalade, que nos últimos jogos tem tido demonstrado uma quebra de forma, tinha o dever de ter feito mais e sobretudo de ter feito melhor. Diego Capel foi uma sombra do jogador que mostrou ser no início da temporada e Ricky Van Wolfs-winkel esteve sempre trapalhão na altura de atirar à baliza.

 Por seu lado, o FC Porto "abusou" de Hulk, deixando o brasileiro quase sempre so-zinho na frente, enquanto o resto da equipa estava mais preocupada em defender e não dar espaços para os "leões" poderem surpreender.
 Hulk correu quilómetros e chegou mesmo a obrigar Rui Patrício a boa defesa durante a segunda parte, um lance que mesmo assim não serviu para esconder o excessivo re-ceio que a equipa campeã nacional mostrou em Alvalade.
 O jogo só teve alguma emoção nos minutos finais, altura em que o Sporting se "lembrou" que tinha de vencer para continuar a poder aspirar o título nacional. Contudo, muitos jogadores já denotavam muito cansaço.

 Aos 83 minutos, Matias Fernandez, que tinha entrado na segunda parte para o lugar do estreante Renato Neto, conseguiu fugir pela esquerda, centrou rasteiro para Iz-mailov, que, em dificuldades, rematou, mas viu Álvaro Pereira negar o golo, quando este parecia certo.
 O FC Porto resolveu "imitar" o “rival” de Lisboa e, numa jogada muito parecida, Defour apareceu solto na esquerda, cruzou para James Rodriguez encostar para a baliza deserta, mas Polga opôs-se ao remate do colombiano.