Presidente honorário da Academia do Bacalhau Adriano Leão, recebeu álbum de homenagem no convívio da tertúlia no Castelo

0
75

Na quinta-feira, 6 de Setembro, decorreu o convívio semanal da Academia-Mãe do Bacalhau no restaurante “O Castelo” no The Hill, sul de Joanesburgo. Neste convívio, o presidente honorário Adriano Leão recebeu um álbum fotográfico, elaborado pelo compadre Carlos Silva, fotógrafo profissional, numa oferta da Academia do Bacalhau. Um resultado da homenagem feita ao presidente honorário pela Academia-Mãe no jantar de aniversário da tertúlia em Junho do ano passado. Um momento muito bonito e sentido e que serviu para coroar o reconhecimento de décadas e trabalho empenhado feito pelo compadre Adriano Leão em prol da tertúlia.

 O almoço foi aberto com o compadre presidente José Contente a fazer soar o badalo pelas 13h30 e a inquirir se estavam reunidas as condições para começar o repasto. Com os copos com vinho tinto, o “tom” do “Gavião de Penacho” foi dado pelo presiden-te honorário Adriano Leão.

 O presidente deu em seguida as boas-vindas a todos em torno da mesa do almoço.

 O compadre Adriano Leão interveio logo de seguida. “Boa tarde caras comadres e compadres. Enquanto de férias em Portugal sofri um abalo de coração, tinham-me dito que morreu o Joaquim Pinho, meu companheiro de golfe. Mas, passado meia hora telefonaram a dizer que era outro Pinho, paz à sua alma!”

 “Quero também dizer que me apraz muito ver o nosso compadre José João Abreu com outra cara e muito “culpa” dis-so é da comadre honorária Matilde Abreu. Por isso, quero dedicar-lhe um “Gavião de Penacho” e ao facto do meu companheiro e amigo do gol-fe, compadre da Academia Pinho estar aqui connosco.”

 Foi então cantado o brinde aos três membros da tertúlia.

 O presidente Contente elegeu para “carrasco” da tarde o compadre Joaquim Pinho.

 “O ano passado, no nosso aniversário, fizémos uma homenagem ao nosso presidente honorário Adriano Leão. E, hoje através do nosso compadre Carlos Silva, temos para si um livro dessa noite e com fotografias e memórias dos longos anos na Academia”, afirmou o compadre Contente. O compadre Carlos Silva entregou então uma caixa preta cujo interior continha o dito álbum.

 “Não sei se todos sabem, o nosso compadre Carlos Silva começou a trabalhar na nossa maquinaria, na empresa gráfica que dirigi em Lourenço Marques. Hoje, sinto-me mesmo muito honrado com isto. Os anos que passei nesta Academia são muitos, mas são de boas memórias, recordações e isto hoje veio encher o meu coração de alegria. De muita alegria. Muito obrigado”, comentou e agradeceu o compadre Leão.

 O primeiro prato, o da sopa de caldo-verde, foi servido. Sopa excelente, caldo de batata fluído e leve, a couve muito bem escaldada e cortada no tamanho certo, adornada de duas rodelas de chouriço. A sopa seguiu-se às entradas de ameijoas e de dobrada, também estas muito bem confeccionadas. Na mesa estavam também carnes curtidas como paio, salpicão, presunto, entre outras.

 Os pratos foram servidos em rápida sucessão. O “fiel amigo” foi servido assado, acompanhado de batatas assadas. O peixe estava muito bem demolhado e muito bem assado, a lascar “como manda a lei”.

 Depois do prato principal levantado, o presidente soou o badalo e voltou a informar que a entrada ou sinal de 440 mil randes já foi dado ao Casino Emperors Palace onde decorrerá o Congresso Mundial das Academias do Bacalhau. “A casa está garantida, teremos uma recepção tipicamente africana com música e temática africana. Sábado serão os trabalhos do Congresso e depois o jantar de gala, onde esperamos entre 500 a 600 pessoas e temos já pago o preço para 400 pessoas. No domingo, será a despedida do Congresso em Pretória, na ACP.”

 “Com a presença aqui do nosso compadre Jorge Simons, quero cantar um “Gavião de Penacho” ao banco BIC pelo patrocínio de 10 mil euros” para o Dia de Golfe do programa do Congresso, brinde que foi prontamente cantado. 

 O compadre Francisco-Xavier de Meireles interveio no almoço. “Eu já tive ocasião de dizer, este congresso do 50º aniversário vai ser a imagem do que são os membros hoje. A “fotografia” que vão tirar é da Academia hoje e hoje somos nós. O que formos capazes de fazer para transformar no que o presidente e na sua direcção sonharem ser. É mais fácil ficar à espera para criticar sem perceber o que podia ser feito. As bodas de ouro são estas, este ano, por isso é este ano que quem pode e consegue, deve ajudar a fazer deste congresso um sucesso sem precedentes”, afirmou o compadre Meireles. Referiu-se depois à necessidade da Comunidade se tranquilizar porque o Estado português irá conferir protecção aos filhos e cônjuges de cidadãos portugueses, tendo estes a nacionalidade ou não. E também aludiu ao facto de apesar das incertezas e muitas dúvidas antes das eleições presidenciais sul-africanas em 2019, “a situação da África do Sul não é nem de perto, nem de longe como a da Venezuela”, afirmou o compadre, ao assumir-se como cônsul-geral.

 As sobremesas, típicas portuguesas, foram servidas e a palavra final foi dada ao “carrasco” da tarde. O compadre Pinho ofereceu uma garrafa de vinho do Porto e o compadre Adriano Leão ofereceu uma garrafa de whiskey. Os cafés foram levados para as mesas acompanhados dos digestivos.

 O almoço foi encerrado com o “tom” do último “Gavião de Penacho” dado pelo compadre honorário Rogério Varela Afonso. A tarde, concluiu-se com convívio e conversa e torno da mesa ao sabor dos digestivos.

 O próximo almoço da Academia-Mãe será igualmente no “Castelo” quinta-feira 13 de Setembro a partir das 13 horas.