Portugueses entre os primeiros passageiros do maior navio de cruzeiros do mundo

0
52

 O maior navio de cruzeiros do mundo, o ‘Symphony of the Seas’, partiu para a primeira viagem oficial, com mais de 130 turistas portugueses, depois de chegar a Barcelona com 250 jornalistas do mundo inteiro.

 No penúltimo sábado, iniciou a primeira temporada de verão com cruzeiros pelo Mediterrâneo ocidental a partir de Barcelona, o primeiro dos quais, o inaugural, com mais de 130 portugueses de um to-tal de pelo menos 5494 turistas a bordo, indo depois durante o inverno navegar pelas

Caraíbas, num total de 52 partidas anuais.

 A informação foi dada pela companhia Royal Caribbean durante o cruzeiro pré-inaugural de três dias para a comunicação social, com 250 jorna-listas, 18 dos quais portugueses, pelo sul de Espanha, entre Málaga e Barcelona.

 O navio, de 228 mil toneladas, 362 metros de comprimento e 66 de altura, representa um investimento de 1,17 biliões de euros e começou a ser construído em Outu-bro de 2015 no estaleiro de Saint Nazairre, no sul de França, onde ficou concluído em definitivo há cerca de um mês e foi lançado ao mar.

 Tem 2.774 camarotes com capacidade para hospedar até 6.780 turistas e a tripulação é composta por 2.175 pessoas de 60 nacionalidades diferentes, sendo que 16 delas são portuguesas.

 É o caso de Fernando Jorge, 38 anos, de Lisboa e há 15 anos a trabalhar em cruzeiros.

 “Comecei na área de serviço ao cliente na recepção e estive em mais de 20 navios até agora”, conta o agora director-geral, que reparte férias entre Portugal e o Canadá, país de onde é originária a esposa.

 Inês Antunes, 35 anos, da Lourinhã, é uma das três enfermeiras-chefes do hospital do navio.

 “Tinha um sonho de fazer um cruzeiro, adoro a minha profissão como enfermeira e tentei juntar o útil ao agradável. Vim por cinco meses e já lá vão cinco anos e meio a trabalhar em cruzeiros. Já dei três voltas ao mundo”, disse à Lusa.

 Outro dos portugueses chama-se Ruben Pereira, 32 anos, de Leira e responsável pela área técnica e artística do Estúdio B, uma das principais salas de espectáculos do navio.

 Há sete anos na companhia, foi a bordo que conheceu a namorada, da Austrália, com quem está de casamento marcado.

 Enquanto os artistas ensaiam para o espectáculo de dança no gelo, inovador no mundo dos cruzeiros com patinadores a dançar ao ritmo de músicas, Ruben salienta que o Estúdio B é “uma sala que se transforma e se adapta a cada espectáculo”, “capaz de rivalizar” com as melhores salas do mundo, condições que o “permitiram crescer profissionalmente”.

 Um naufrágio como o do ‘Titanic’, celebrizado no cinema, seria hoje improvável no ‘Symphony of the Seas’, porque, com a tecnologia existente a bordo, “a qualquer momento na sala de controlo conseguem saber a temperatura individual em cada quarto e activar sistemas”, explica o director-geral, dando o exemplo de que “se houvesse uma área que estivesse inundada, o navio conseguiria chegar ao próximo porto” em segurança.

 O ‘Symphony of the Seas’ oferece diversas experiências culturais, de lazer, gastronómicas e até tecnológicas aos passageiros sejam crianças ou adultos.

 Entre as inovações no mundo dos cruzeiros, contam-se um espectáculo no gelo, com patinadores a dançar ao ritmo de músicas, um bar onde os robôs substituem os empregados e a bebida é pedida através de um ‘tablet’, um escorrega de 30 metros de altura, um teatro para acrobacias aquáticas, um restaurante com cozinha de infusão, ‘paintball’ com armas a laser e um jardim com árvores e plantas de cerca de duas mil espécies e onde se consegue ouvir o barulho de aves e cascatas de água.

 A bordo há também preocupações ambientais, com reciclagem das águas e de todos os resíduos produzidos a bordo, produção da energia que consome, utilização de combustível com menor teor de enxofre e sistemas de purificação que permitem remover mais de 97% das emissões

de dióxido de enxofre gerados pelos motores.

 A Royal Caribbean, com 60 mil trabalhadores, 40 navios a operar (dos quais 25 são de cruzeiros) e 25% da quota do mercado dos cruzeiros, factura por ano 7,3 biliões de anos.

 Com 11 navios em construção, pretende aumentar em 30% a sua capacidade, aumentando em 40 mil o número de camas e em mais de dois milhões o número de passageiros nos próximos seis anos.

 A Melair Cruzeiros é a representante para Portugal.