Portugal vence Croácia num regresso ‘voraz’ à Liga das Nações

0
165

A selecção portuguesa de futebol começou sábado da melhor forma a defesa do título da Liga das Nações em futebol, ao vencer a vice-campeã mundial Croácia por 4-1, num Estádio do Dragão ‘deserto’, devido à convid-19.

  No primeiro jogo caseiro da sua história à porta fechada, a formação lusa reagiu da melhor forma, num encontro em que marcou quatro golos, atirou três bolas aos ‘ferros’ e exerceu um domínio absoluto sobre uns ‘irreconhecíveis’ croatas.

  Depois de muito tentar, Portugal, vencedor da primeira edição da prova, numa final também no Dragão, contra a Holanda (1-0, a 9 de Junho de 2019), inaugurou o marcador com um tiro de fora da área de João Cancelo, aos 41 minutos.

  Na segunda parte, e com Cristiano Ronaldo de fora, a ver o jogo, devido a uma infecção num pé, Portugal foi mais eficaz e marcou mais três golos, por Diogo Jota, aos 58 minutos, João Félix, aos 70, e André Silva, já nos descontos, aos 90+5.

  Antes do tento do jogador do Eintracht Frankfurt, que apenas havia entrado aos 88 minutos, a Croácia, desfalcada dos ‘cérebros’ Modric e Rakitic, marcou, já ‘depois’ da hora, o seu tento de honra, por intermédio de Bruno Petkovic, aos 90+1.

  André Silva apontou o seu 16.º tento pela se-lecção lusa, isolando-se no 13.º lugar da tabela, liderada por Cristiano Ronaldo, com 99, enquanto João Cancelo apontou o quarto, em dia de estreia a faturar para Diogo Jota e João Félix.

  Por seu lado, o jovem Francisco Trincão, de 20 anos, que trocou o Sporting de Braga pelo FC Barcelona, tornou-se o 42.º estreante da ‘era’ Fernando Santos, ao entrar aos 78 minutos, em substituição de Bernardo Silva.

  Portugal entrou em ‘grande’ e lidera o Grupo 3 da Liga A, com três pontos, os mesmos da campeã mundial em título França, que, mais ‘comedida’, venceu por 1-0 a Suécia, em Solna, onde a formação das ‘quinas’ se desloca na terça-feira.

  Um golo de Kylian Mbappé, aos 41 minutos, na mesma altura em que João Cancelo adiantava Portugal no Dragão, foi suficiente para o ‘onze’ de Didier Deschamps triunfar, num jogo em que Upamecano fez a estreia e Rabiot regressou, dois anos depois.

  Nos descontos, os gauleses ainda poderiam ter ampliado o marcador, mas Antoine Griezmann, que se ‘apagou’ desde a chegada ao FC Barcelona, desperdiçou uma grande penalidade.

  Se os favoritos triunfaram no Grupo 3, também não houve surpresas no Grupo 2, com a Inglaterra a vencer na Islândia, por 1-0, e a Bélgica na Dinamarca, por 2-0.

  Em Reiquiavique, os ingleses, que estrearam Phil Foden e Mason Greenwood, tiveram, no en-tanto, de sofrer, já que só chegaram ao golo do triunfo nos descontos, graças a um penálti concretizado por Raheem Sterling, aos 90+2 minutos.

  A formação de Gareth Southgate, que jogou em inferioridade numérica dos 70 minutos (expulsão de Kyle Walker) aos 89 (expulsão de Ingasson), ainda apanhou um grande susto na jogada seguinte, mas, ao contrário do jogador do Manchester City, Birkir Bjarnasson falhou o castigo máximo.

  No outro encontro, em Copenhaga, a Bélgica, sem Courtois na baliza, impôs-se sem dificuldades por 2-0, num jogo em que se destacou Dries Mertens, ao assistir para o primeiro, marcado por Jason Danayer, aos nove minutos, e apontar o segundo, aos 76.