Portugal vai abrir representações diplomáticas em mais seis países

0
114
Portugal vai abrir representações diplomáticas em mais seis países

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, anunciou na terça-feira em Lisboa a abertura de embaixadas e representações diplomáticas em seis países, incluindo na Guiné Equatorial, que aderiu no ano passado à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

 "Neste ano, apostaremos na estabilização da rede diplomática e consular, com moderação e racionalização de meios, e voltaremos novamente a expandir a presença da diplomacia portuguesa em diversos pontos do globo e em vários continentes – através da abertura de embaixadas no Panamá e em Astana [Cazaquistão] e da extensão da nossa presença a Baku [Azerbaijão], Nairobi [Quénia] e Malabo [Guiné Equatorial]", afirmou Rui Machete, na abertura do seminário diplomático, que reuniu na terça e quarta-feira, em Lisboa, diplomatas e membros do Governo para discutir as prioridades da política externa portuguesa.

 O ministro confirmou ainda a criação de um novo consulado na província administrativa de Cantão, no sul da China, uma informação que já adiantara numa audição parlamentar sobre o Orçamento do Estado para 2015.

 Reiterando que a "diplomacia económica constitui uma aposta" do Governo, o chefe da diplomacia portuguesa anunciou que a AICEP – Agência para o Investimento e Co-mércio Externo de Portugal "vai alargar a presença a 12 novos mercados" e destacou que a rede externa tem realizado acções de natureza comercial e negociado convenções na área económica, "por forma a assegurar a competitividade fiscal e a capacidade

de atracção de investimento estrangeiro".

 Sobre as comunidades portuguesas residentes no estrangeiro, Rui Machete afirmou que "a mobilidade dos cidadãos assume-se hoje como elemento estruturante de uma nova realidade económica e social, à qual a rede externa do ministério não pode ficar indiferente e se deve adaptar, enquadrando-a nos interesses específicos da política externa portuguesa".

 O ministro elencou medidas que pretendem garantir uma maior proximidade com as comunidades portuguesas, como a criação que novas permanências consulares, a avaliação e certificação das aprendizagens no ensino de português no estrangeiro e parcerias nas áreas cultural e social com estruturas associativas, além do alargamento da rede dos gabinetes de apoio ao emigrante.

 "São medidas decisivas na consolidação de políticas externas de apoio social e de reforço da acção cultural, num momento em que o fenómeno migratório ganha maior significado social", disse Rui Machete, prometendo que em 2015 o Governo continuará a procurar melhorar o atendimento consular, "resolvendo alguns problemas pontuais que ainda subsistem – quer através do reforço de recursos humanos, quer através da requalificação tecnológica dos postos".

 

* Ministro Rui Machete visita hoje Angola para reforço da cooperação bilateral

 

 O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros português, Rui Machete, chega hoje, segunda-feira, a Luanda para uma visita oficial de dois dias, para o reforço das relações bilaterais e de cooperação entre Angola e Portugal.

 Um comunicado de imprensa do Ministério das Relações Exteriores de Angola, enviado hoje à agência Lusa, refere que Rui Machete reúne-se hoje com o seu homólogo an-golano, Georges Chikoti.

 A nota refere que além das questões bilaterais que irão dominar o encontro entre os dois ministros, Georges Chikoti e Rui Machete "poderão abordar, também, assuntos multilaterais de interesse regionais e internacionais, tendo em conta a presença de Angola no Conselho de Segurança das Nações Unidas, como membro não permanente do mesmo órgão, a presidência em exercício angolana da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos (CIRGL), a segurança marítima na região do Golfo da Guiné, a CPLP, a Guiné Bissau e a cooperação Angola-União Europeia".

 De acordo com o programa de visita, o chefe da diplomacia portuguesa tem encontros agendados com os ministros da Economia, Abraão Gourgel, e do Ensino Superior, Adão do Nascimento.

 Durante a sua estada, está igualmente reservado um encontro com empresários portugueses em Angola e o encerramento de uma exposição de uma artista angolana Fineza Teta, no Instituto Camões.

 Rui Machete tem prevista igualmente visitas à escola profissional da construtora portuguesa Teixeira Duarte e ao estaleiro da Tecnovia.

 O Ministério das Relações Exteriores angolano destaca na sua nota que as relações político diplomáticas e de cooperação entre Angola e Portugal datam da década de 1970 e atualmente incidem sobretudo nos setores da educação, saúde, interior, ciência e tecnologia, sóciocomunitário, com grande pendor na área empresarial e comercial.

 Rui Machete adiou a 11 de Dezembro uma visita de trabalho prevista a Angola em virtude da deslocação que fez então a Bruxelas para uma reunião ministerial.

 A deslocação de Machete a Luanda estava prevista para o dia 15 de dezembro, mas o chefe da diplomacia portuguesa participou em Bruxelas no Conselho de Negócios Estrangeiros da União Europeia.

 A informação sobre a deslocação tinha sido avançada à agência Lusa no início de Dezembro pelo embaixador de Portugal em Angola, João da Câmara, que referiu que a visita pretende ajudar a relançar a comissão mista entre os dois países, acrescentando que “há uma série de matérias que estão pendentes, que podem ajudar no relacionamento”.

Lisboa e Luanda tinham acordado a realização da primeira cimeira bilateral, que deveria decorrer em Fevereiro de 2014, em Angola, mas em Outubro de 2013 o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou o fim do projecto para estabelecer uma cooperação estratégica com Portugal.

 Alguns dias antes, em entrevista à Rádio Nacional de Angola, o ministro Rui Machete, tinha pedido desculpa a Luanda pelas investigações do Ministério Público português, de-clarações que provocaram polémica em Lisboa.