Portugal não figura como alvo da “jihad” islâmica

0
113
Portugal não figura como alvo da “jihad” islâmica

O porta-voz do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), Filipe Pathé Duarte, considera que Portugal está no “puzzle de enquadramento” da ‘jihad’ islâmica, não como alvo, mas como ponto de passagem.

 De acordo com o responsável, existem duas conclusões sobre as notícias dos últimos dias, que dão conta da passagem de jovens britânicos por Portugal antes de ruma-rem às fileiras do Estado Islâmico na Síria, sendo que uma destas é precisamente o facto de o nosso país ser “ponto de passagem”.

 “Naturalmente, longe de qualquer alarmismo, Portugal está enquadrado no ‘puzzle’ da própria ‘jihad’, não sendo alvo preferencial, mas acima de tudo como ponto de recuo e passagem, o que acaba por ser uma forma de podermos consciencializarmo-nos”, frisou Pathé Duarte.

 Segundo o responsável, as autoridades portuguesas estão a agir “atempadamente e de acordo com aquilo que é pretendido perante o próprio nível de ameaça”.

 A propósito, lembrou que Portugal é membro da NATO e da União Europeia, mas que se encontra no extremo ocidental da Europa, “fazendo fronteira com o Magrebe”.

 O responsável considerou ainda que os jovens que são recrutados para a ‘jihad’ pertencem a “franjas sociais que estão permeáveis na Europa”, reconhecendo que essa realidade não se encontra no nos-so país.

 “Por uma questão de proporcionalidade, as comunidades muçulmanas francesas, britâ-nicas, alemãs ou holandesas são muito mais dilatadas que a portuguesa. A nossa é muito reduzida, estando perfeitamente inserida na sociedade”, sublinhou.

 De acordo com Pathé Duarte, o facto de não haver recrutamento de jovens portugueses não quer dizer que, no âmbito da livre circulação da União Europeia, “alguém não circule e não venha cá cometer um atentado”, frisando que essa realidade há que ser tida em conta “permanentemente”.

 A Procuradoria-Geral da República confirmou a existência de vários inquéritos para in-vestigar factos relacionados com o denominado Estado Islâmico, um dos quais investiga actividades desenvolvidas nos Açores.

 Numa resposta enviada à agência Lusa, a PGR acrescenta que os inquéritos estão a cargo do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) e que um deles "investiga actividades desenvolvidas nos Açores".

 "Estes inquéritos encontram-se em segredo de justiça", refere a PGR, sem acrescentar mais pormenores sobre o assunto.

 Na semana passada, o Expresso divulgou a história de um açoriano que se preparava para ir para a Síria para integrar as fileiras da ‘jihad’, mas acabou travado pela Judiciária na Praia da Vitória.

 No domingo, o Sunday Times voltou a abordar a história de um jovem de 22 anos identificado como Fabio Pocas, emigrante português radicado em Londres, que terá ido para a Síria para se juntar ao Estado Islâmico.