Portugal goleia Camarões em noite histórica para Ronaldo

0
39
Portugal goleia Camarões em noite histórica para Ronaldo

Portugal goleou os Camarões, por 5-1, em jogo de preparação para o Mundial2014 de futebol, numa noite em que, com mais um “bis”, Cristiano Ronaldo se tornou no melhor marcador da história da “equipa das quinas”.

 No Estádio Municipal de Leiria, Cristiano Ronaldo, que tinha alcançado os 47 tentos de Pauleta no “play-off” frente à Suécia, atingiu o 49.º golo ao serviço da Selecção portuguesa, ao marcar aos 21 e 84 minutos.

 Num encontro que serviu para as duas equipas prepararem a fase final do Mundial do Brasil, Raul Meireles (66 minutos), Fábio Coentrão (67) e Edinho (77) fizeram os outros golos lusos e Aboubakar (43) marcou para os africanos.

 No último encontro antes de divulgar a lista de convocados para o Mundial, Paulo Bento fez várias alterações no “onze”, com destaque para a primeira titularidade de William Carvalho e as estreias absolutas de Rafa e Ivan Cavaleiro, ambos também no “onze” inicial.

 Beto substituiu na baliza o habitual Rui Patrício, com Fábio Coentrão e João Pereira a manterem a titularidade nas alas defensivas, ficando o eixo entregue a Luís Neto e Rolando.

 No meio-campo, William Carvalho juntou-se aos habituais Raul Meireles e João Mou-tinho, enquanto no ataque o capitão Cristiano Ronaldo, que igualou Fernando Couto como segundo mais internacional da “equipa das quinas”, apadrinhou, no seu 110.º jogo, as estreias de Rafa e Ivan Cavaleiro.

 Numa primeira parte jogada num ritmo lento, Portugal dispôs da primeira oportunidade aos três minutos, quando Rafa, a passe de Raul Mei-reles e em excelente posição, rematou à figura de Itandje.

 Perante alguma apatia da selecção portuguesa, os Camarões melhoraram, com Abou-bakar a dispor de duas excelentes ocasiões, mas primeiro, aos 11 minutos, permitiu a defesa de Beto e depois, aos 20, atirou por cima.

 Numa altura em que a Selecção africana parecia estar melhor, Portugal acabaria por se adiantar no marcador, após uma excelente jogada de contra-ataque, concluída, à entrada da área, por Cristiano Ronaldo, na sequência de um passe de João Pereira.

 O golo aumentou um pouco o ritmo do encontro e, cinco minutos depois, o estreante Rafa dispôs de nova oportunidade, mas o toque de calcanhar após o cruzamento de Fábio Coentrão foi insuficiente.

 A toada morna voltou então à partida, até que, aos 43 minutos, Aboubakar, empatou.

Com Coentrão a pôlo em jogo e completamente solto, o mais perigoso dos camaroneses – bem melhor do que a “estrela” Samuel Eto’o – aproveitou para bater Beto.

 Já com o ponta de lança Edinho na equipa e com as posições no ataque mais defi-nidas, Portugal esteve muito melhor no segundo tempo, empurrando, sobretudo, nos primeiros 10 minutos, os Camarões para sua área, com Raul Meireles (52 minutos), Cristiano Ronaldo (54 e 56), na marcação de um livre, e Fábio Coentrão (56) dispuseram de boas oportunidades.

 Contudo e à semelhança da primeira parte, o golo acaba-ria por surgir numa fase de menor pendor luso e após uma ameaça de longe de Eric Choupo Moting, aos 63 minutos.

Aos 66 minutos, Raul Meireles aproveitou um mau passe de Chedjou para rematar para a baliza deserta, com Portugal a matar o jogo no lance seguinte, por Fábio Coentrão, que, após receber um passe de Ivan Cavaleiro, bateu Assembe.

 Até ao final do encontro, Portugal aumentou a vantagem, muito pela acção de Cristiano Ronaldo, pois dos seus pés saiu o remate que permitiu uma recarga vitoriosa a Edinho (77 minutos), antes de o próprio capitão da Selecção portuguesa fazer o quinto aos 84.

Aos 66 minutos, Raul Meireles aproveitou um mau passe de Chedjou para rematar para a baliza deserta, com Portugal a matar o jogo no lance seguinte, por Fábio Coentrão, que, após receber um passe de Ivan Cavaleiro, bateu Assembe.

 Até ao final do encontro, Portugal aumentou a vantagem, muito pela acção de Cristiano Ronaldo, pois dos seus pés saiu o remate que permitiu uma recarga vitoriosa a Edinho (77 minutos), antes de o próprio capitão da Selecção portuguesa fazer o quinto aos 84.