Portos de Cabo Verde com nova quebra de passageiros em Outubro

0
118

Os portos de Cabo Verde movimentaram 68.298 passageiros em Outubro, uma nova queda mensal após quatro meses consecutivos a crescer e a recuperar o tráfego afectado pela pandemia de covid-19 em abril.

  Segundo os dados mais recentes do relatório mensal de tráfego da Enapor, empresa pública cabo-verdiana responsável pela gestão dos nove portos do arquipélago, foram movimentados menos 3,4% de passageiros de Setembro para Outubro.

  De Julho para Agosto tinham sido movimentados mais 25.000 passageiros – para um total de 74.919 -, crescendo então 49,4% no espaço de um mês, tráfego que no mês seguinte caiu 5,9%, para 70.580.

  Até então, desde Maio, com a retoma progressiva dos transportes marítimos interilhas, após um mês e meio de suspensão, devido à pandemia de covid-19, que o tráfego de passageiros vinha a crescer todos os meses.

  Os dados do relatório da Enapor apontam ainda que o tráfego de outubro ficou 12,8% abaixo do registado no mesmo mês de 2019.

  Do total de passageiros em Outubro, 37,9% representou o movimento no Porto Grande e 32,9% no Porto Novo, respetivamente nas ilhas vizinhas de São Vicente e Santo Antão. O Porto da Praia, capital do país, registou uma quota de 9,6% do total, com um movimento de 6.539 passageiros, indica o relatório.

  A CV Interilhas, liderada (51%) pela portuguesa Transinsular, detém a concessão do serviço público de transporte marítimo de passageiros e carga, durante 20 anos, sendo actualmente a única empresa a operar neste sector no arquipélago.

  Ainda em Outubro, os portos de Cabo Verde movimentaram 546 navios, um aumento de 43 navios face a setembro (8,3%), mas uma quebra de 19,2% tendo em conta os dados do mesmo mês de 2019, enquanto o movimento de mercadorias cresceu 11,8% no espaço de um mês, para 191.160 toneladas, valor que fica praticamente 20% abaixo em termos homólogos.

  Desde 3 de Setembro que os navios que garantem as ligações marítimas interilhas em Cabo Verde podem usar até 75% da lotação nas viagens superiores a três horas e meia, contra os 50% estipulados desde a retoma do serviço em maio, devido à pandemia de covid-19, conforme previsto numa resolução do Conselho de Ministros.

  As alterações visam especificamente o transporte marítimo, alterando a definição anterior, que obrigava a que a lotação dos navios devia “respeitar o distanciamento social mínimo de 1,5 metros”, o que se traduzia, até então, numa ocupação máxima de 50% da capacidade dos navios.

  Aquando da aprovação desta resolução, o Governo explicou que as alterações permitiriam às viagens interilhas com tempo de duração inferior a três horas e meia uma ocupação de 100%. A medida pretendia “manter a vigilância e reforçar as medidas de combate ao covid-19”, mas também “iniciar uma atividade gradual da retoma económica e circulação das pessoas entre as ilhas por via marítima”.

  A administração da CV Interilhas admitiu em Agosto perdas de 4,5 milhões de euros em 2020, devido à covid-19, necessitando de uma compensação financeira do Estado. A posição foi assumida em entrevista à Lusa por Paulo Lopes, administrador-executivo da CV Interilhas, a propósito do primeiro ano de actividade da empresa, admitindo que a pandemia teve “um grande impacto” na atividade, desde logo pela suspensão de todas as ligações interilhas de transporte de passageiros.

  Além do período de Abril a Maio sem transporte de passageiros e a retoma gradual das ligações entretanto iniciada, o administrador da CV Interilhas recordou que a empresa esteve obrigada a reduzir a lotação dos navios a 50%, como medida de prevenção da doença.

  “Sendo a concessão [do serviço público de transporte marítimo de passageiros e carga] deficitária, passa a ser mais deficitária. Obviamente que isso não tem um impacto direct, porque há uma redução também de custos, nós implementamos um conjunto de medidas, nomeadamente chegamos a parar navios para reduzir os custos de operação”, disse o administrador, admitindo, contudo, que a subvenção do Estado, prevista no contrato de concessão, não será suficiente em 2020.