Pequeno-almoço de angariação de fundos juntou mulheres na escola do Lusito com temática de combate ao cancro da mama

0
78

 Decorreu na manhã de sábado 26 de Outubro, no pavilhão de festas da escola do Lusito em Regents Park, Joanesburgo, um pequeno-almoço de angariação e fundos para a escola. O certame juntou 200 mulheres, a maioria das quais portuguesas e que teve como temática o combate ao cancro da mama, com a médica cirurgiã a professora Carol Ann Benn, directora do Centro do Cancro da Mama do hospital Helen Joseph e da Netcare, a dar uma palestra sobre o cancro da mama e a esclarecer dúvidas da plateia presente.

 Noémia Contente, membro da Direcção da escola do Lusito, deu as boas-vindas a todos os presentes e agradeceu aos patrocinadores que tornaram o evento daquela manhã possível. E deu o palco à professora Benn.

 Na sua intervenção a professora Carol Benn alertou para a necessidade das mulheres, logo a partir da puberdade, fazerem a auto apalpação, consultarem regularmente o ginecologista e fazerem análises sanguíneas para despiste de marcadores de cancro. Sejam eles cancro da mama, do útero e até do colon.

  A cirurgiã desmistificou também vários hábitos como na auto apalpação o ter de levantar o braço a 90 graus. Alertou para a importância na vacinação contra o cancro do útero e como as mulheres são amedrontadas com ideias pré-concebidas e mitos. A professora informou as presentes de que já não é exclusivamente necessário fazer quimioterapia e que não é obrigatória fazer-se uma mastectomia.

 “Hoje tratamos cancros da forma como eles se comportam e casuisticamente, ou seja, pessoa a pessoa”, afirmou a médica.

 “Não vivam em medo e peçam uma segunda opinião sempre, porque há muitos médicos que querem logo fazer mastectomia e não é preciso. Também, há muitos diagnósticos feitos erradamente. E não é preciso fazer logo biopsias porque é um processo muito invasivo, há muitos passos que tomamos antes da biopsia sequer, quanto mais uma mastectomia. Falem, façam perguntas porque os vossos médicos têm obrigação de vos esclarecer e procurem sempre segundas e terceiras opiniões. É importante não se entregarem logo ao desespero”, declarou Benn.

 Falou também em relação aos homens presentes na sala, para fazerem o despiste no cancro da mama, também muito frequente em homens e despiste no cancro da próstata – um cancro muito mais frequente do que o cancro da mama nas mulheres na África do Sul.

 A doutora Benn esclareceu depois várias questões como se as mulheres com casos de cancro na família, são mais propícias ao cancro de forma hereditária e que devem fazer exames frequentemente.

 Foram também esclarecidas questões em relação à menopausa e novamente, a médica explicou que cada pessoa é um caso, que tratamentos com substitutos hormonais nem sempre são necessários e que cada mulher tem de conhecer o seu corpo e actuar em conformidade. Com um misto de muito humor e sem tabus, a professora Carol Ann Benn falou de forma próxima e esclareceu todas as questões que lhe foram colocadas. Recebeu no fim da sua pales-tra um ramo de flores e uma forte e calorosa ovação por parte da plateia.

 O buffet do pequeno-almoço foi então servido, de notar a alta qualidade da comida em oferta, com uma larga varie-dade de buffet quente, queijos, fruta, sumos, café e chá e mesa de bolos e pastelaria.

 Um dos momentos altos da manhã foi a actuação de Roberto Adão, Miguel Pregueiro e de Jason da Costa. Com estilos diferentes, os artistas portugueses encantaram e entretiveram a plateia com tema e dança para todos os gostos.

 À porta do pavilhão estiveram à venda obras de artesanato, já para o Natal, feitas pelos alunos da escola do Lusito para angariação de fundos.

 A palestra da professora Carol Ann Benn foi organizada pela “Crochet”, uma organização de mulheres que ajudam pacientes com cancro da mama.

 A manhã foi concluída com o sorteio das rifas que estiveram à venda e convívio entre as presentes.