Penálti nos ‘descontos’ garante ao Sporting um Natal no topo da I Liga

0
388

Uma grande penalidade convertida por Sporar já em tempo de ‘descontos’ deu sábado uma vitó-ria muito suada ao Sporting, por 1-0, na receção ao Farense, em jogo da 10.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

  Aos 86 minutos, o guarda-redes do Farense Rafael Defendi fez falta sobre o marroquino Feddal, sendo admoestado com o segundo cartão amarelo e consequente expulsão, dando oportunidade para o avançado esloveno, da marca dos 11 metros, consumar um triunfo ‘arrancado a ferros’, aos 90+1, num jogo sem grandes ocasiões de perigo.

  A vitória permite ao Sporting chegar ao Natal na liderança do campeonato, com 26 pontos, enquanto o Farense mantém-se em zona perigosa da tabela classificativa, no 16.º posto, com oito, em igualdade com Portimonense e Boavista, os dois últimos posicionados.

  O Estádio José Alvalade recebeu pela primeira vez um duelo entre Sporting e Farense – já que a última vez que estes dois ‘históricos’ se defrontaram foi em 2002, ainda no antigo recinto ‘leonino’ -, numa partida em que se destacaram as titularidades de Tiago Tomás no lugar do esloveno Sporar e de Nuno Mendes, que estava em dúvida, na ala esquerda.

  O escocês Ryan Gauld teve nos pés a primeira ocasião do encontro, aos seis minutos, negada pelo guarda-redes espanhol Adán, no único lance próximo às duas balizas na primeira meia hora, que se cifrou nas muitas dificuldades ‘leoninas’ em romper a boa organização defensiva do Farense, sem conceder espaços aos líderes.

  Foi apenas aos 36 minutos que o Sporting conseguiu criar algum perigo, num cabeceamento por cima do marroquino Feddal, seguido de um remate de João Palhinha na entrada da área, aos 38, que sofreu um ligeiro desvio num defesa.

  Apesar da maior posse de bola sportinguista, os algarvios iam conseguindo colocar a equipa ‘verde e branca’ em sentido e Ryan Gauld era a ‘seta’ apontada à baliza ‘leonina’.

  O antigo jogador do Sporting, que já havia tentado de livre direto (32 minutos), concluiu uma transição rápida pelo flanco direito com um re-mate de primeira, em zona frontal, agarrado por Adán a dois tempos.

  Respondeu o Sporting com a melhor ocasião que dispôs no primeiro tempo, já em período de compensação: Pedro Gonçalves desmarcou Tiago Tomás e este, já com pouco ângulo, atirou ao poste.

  Se a primeira parte foi parca em ideias, a segunda foi pelo mesmo caminho, com o jogo a continuar ‘atado’. Pedro Gonçalves, até então algo ‘desaparecido’, quebrou a monotonia com um remate defendido por Defendi, aos 52 minutos, mas o Sporting prosseguiu sem criatividade para desbloquear o ‘nulo’.

  O recém-entrado Bruno Tabata, através de um cruzamento-remate, aos 69, obrigou Defendi a esticar-se e a afastar para canto com dificuldade, mas o guarda-redes acabou como protagonista da partida pelos piores motivos quando, aos 86, foi imprudente ao socar Feddal em vez da bola, no interior da área, o que levou ao segundo amarelo e consequente expulsão.

  Depois da assistência médica a Feddal, que durou alguns minutos, o esloveno Sporar converteu a grande penalidade que deu um triunfo muito suado ao Sporting, atirando para o meio da baliza e batendo Hugo Marques, a render Defendi, que ainda evitou o golo a Bruno Tabata, aos 90+5, num remate à meia volta.

 

* Benfica e FC Porto venceram antes da Supertaça

 

O Benfica venceu domingo em casa do Gil Vicente e o FC Porto impôs-se na recepção ao Nacional, pela mesma margem (2-0), na 10.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, mantendo ambos a perseguição ao líder Sporting.

 

Antes de se defrontarem, já na quarta-feira, pela conquista da Supertaça Cândido de Oliveira, ‘encarnados’ e ‘azuis e brancos’ precisavam de vencer para não se distanciarem dos ‘verdes e brancos’, que tinham triunfado no sábado, ante o Farense, por 1-0.

Com os triunfos, os três rivais continuam separados por dois pontos entre si: os ‘leões’ estão em primeiro, com 26, as ‘águias’ em segundo, com 24, e os ‘dragões’, campeões em título, em terceiro, com 22.

Perante um Gil Vicente ‘aflito’ na tabela, no 14.º lugar, com nove pontos, apenas mais um do que as equipas em lugares de descida direta, a equipa de Jorge Jesus teve dificuldades em ‘furar’ a resistência gilista, chegando ao intervalo sem golos.

Já depois da expulsão de Ygor Nogueira, pouco antes do intervalo, os lisboetas estiveram mais à vontade e marcaram os dois golos em seis minutos: primeiro, um autogolo de Rodrigo, aos 59, e depois um tento de Everton, aos 65.

Mais tarde, no Estádio do Dragão, um penálti de Sérgio Oliveira, aos 21 minutos, abriu o marcador e deu lugar a uma vitória tranquila, que foi dilatada por Marega aos 39, a passe de Taremi, que já havia sofrido a falta para grande penalidade.

Foi o quarto triunfo seguido para a formação de Sérgio Conceição, numa partida em que Sérgio Oliveira chegou aos oito golos em todas as competições, o melhor registo da carreira, e o avançado Marega marcou pelo terceiro jogo seguido, após ‘faturar’ em duas partidas com o Tondela (não jogou contra Olympiacos e Paços de Ferreira).

Se o FC Porto segue em terceiro, o Nacional segue dois pontos acima da zona de descida, tendo averbado o terceiro desaire seguido na I Liga, mantendo-se com 10 pontos, no 13.º lugar, em igualdade com Marítimo (12.º) e Moreirense (11.º).