Pela primeira vez uma mulher é presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência

0
40
Depois de 40 anos de existência: Pela primeira vez uma mulher é presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência

Isabel Policarpo foi eleita na terça-feira, dia 2 de Setembro, presidente do Conselho Executivo da Sociedade Portuguesa de Beneficência, passando a ser, depois da instituição ter sido fundada há cerca de 40 aos, a primeira mulher a desempenhar aquelas funções. A eleição teve lugar na sede da SPB, em Albertskroon, Joanesburgo, durante uma reunião do Board of Trustees da instituição.

  A nova presidente da Direcção da SPB teve a seu favor sete votos dos “trustees”, contra seis de Jorge de Freitas, que assim cessa funções naquele órgão directivo, depois de um mandato de três anos que estatutariamente já tinha terminado no passado dia 1 de abril.

  Isabel Policarpo tem agora a missão de formar a sua Direcção, sabendo-se já que o empresário José Valentim, uma figura de referência da comunidade portuguesa e um dirigente com vasta experiência associativa, será um dos vice-presidentes da SPB.

  Na mesma reunião, o comendador Gilberto Martins, que revelou grande capacidade de liderança na assembleia geral da SPB realizada no passado dia 19 de Agosto, foi eleito presidente do Board of Trustees da Sociedade Portuguesa de Beneficência, órgão que terá como vice-presidente José Luís Rodrigues e como secretário Pedro Silva.

  De salientar a existência de uma certa previsibilidade para as alterações verificadas nos quadros directivos daquela instituição comunitária de solidariedade social, que entra assim numa nova fase de gestão, mais aberta e transparente, depois de um período de regime fechado, ditatorial e persecutório.

  A mudança impunha-se e para ela já tinha sido feita uma chamada de atenção por parte do nosso jornal que, no editorial de 4 de Agosto da autoria do nosso director e com o titulo “Mulheres activas”, a propósito da celebração do Mês da Mulher na África do Sul, escrevia sobre a necessidade de se “reivindicar equidade em órgãos de instituições comunitárias, nomeadamente reclamando lugares femininos no Board of Trustees da Sociedade Portuguesa de Beneficência, composto integralmente por homens, quinze ao todo, alguns deles sem capacidade nem competência para os lugares que ocupam”.

  Quinze dias depois, esta sugestão estava concretizada, cumprindo-se democraticamente todo o articulado dos Estatutos da Beneficência e renascendo a alegria entre os idosos residentes no Lar Rainha Santa Isabel, que é também o nome da nova presidente, que à causa do Lar já deu muitos anos de voluntariado.