Passos Coelho prometeu apoio à construção do Estado timorense

0
56
Passos Coelho prometeu apoio à construção do Estado timorense

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que na quinta-feira concluiu o primeiro de dois dias de uma visita oficial a Timor-Leste, prometeu que Portugal não falhará no apoio à construção do Estado timorense.

 O chefe do executivo PSD/-CDS-PP disse que "a cooperação portuguesa tem sido muito intensa" e vai continuar, em áreas como a segurança, defesa, justiça e saúde, assumindo o "compromisso de não falhar na altura que é mais decisiva para a construção deste Estado democrático".

 No final deste dia de visita a Timor-Leste, Pedro Passos Coelho ouviu cantar os parabéns pelo seu 50.º aniversário, na Escola Portuguesa Ruy Cinatti, em Díli, onde conviveu com membros da comunidade portuguesa residente em Ti-mor-Leste.

 Nesta escola, o chefe do exe-cutivo PSD/CDS-PP assistiu a um espectáculo alusivo aos descobrimentos marítimos portugueses, com uma banda sonora que incluía Amália e Cesária Évora, remetendo para os laços criados pela língua portuguesa.

 No que respeita à difusão da língua portuguesa em Timor-Leste, contudo, Pedro Passos Coelho recebeu de responsáveis desta escola a informação de que há um défice de programação televisiva infantil falada em português acessível às crianças timorenses.

 A mesma queixa, associada ao receio de que as próximas gerações de timorenses não aprendam a falar português, tinha sido feita aos jornalistas por um dos sobreviventes do massacre do Cemitério de Santa Cruz de 1991, antes da chegada do primeiro-ministro português a este local.

 Passos Coelho referiu saber que a Escola Portuguesa Ruy Cinatti tem mais de 800 alunos, na sua maioria timorenses, e um número semelhante em lista de espera. "Não conseguimos ir ao encontro de todos", afirmou, a esse propósito, salientando em seguida que também há um investimento "noutras escolas de referência".

 Antes de visitar esta escola e o Cemitério de Santa Cruz, o primeiro-ministro esteve no Museu da Resistência, em Díli, e foi conhecer o Centro de Formação da Polícia Na-cional de Timor-Leste, que conta com a cooperação de elementos da Guarda Nacio-nal Republicana (GNR) portu-guesa.

 Ao final da manhã, teve um encontro com o primeiro-mi-nistro timorense, Xanana Gusmão, na sequência do qual foram assinados protocolos de cooperação – na área da saúde, Portugal compro-meteu-se a ajudar a montar uma autoridade do medicamento e um sistema de emer-gência médica pré-hospitalar em Timor-Leste.