Na passagem aos quartos de final do Mundial de Futebol Portugal joga com a Espanha no Cabo

0
69
Portugal

PortugalPortugal e Espanha protagonizam amanhã, terça feira, na Cidade do Cabo, um dos mais emocionantes e aguardados duelos dos oitavos de final do Mundial 2010 de futebol, com o vencedor ciente de que o triunfo pode colocá-lo bem perto das meias finais.

 Quem sair por cima do duelo ibérico vai defrontar o vencedor do Paraguai-Japão nos quartos de final, muito provavelmente um desafio com menor grau de dificuldade do que aquele que os vizinhos prometem criar no Estádio Green Point.
 Conforme o demonstram as “apostas” em todo o Mundo, a maior responsabilidade e favoritismo estão do lado da Espanha, campeã da Europa em título e assumidamente candidata a vencer o grande troféu que lhe falta no futebol, a única das modalidades mais populares no país que nunca conquistou o mais importante título internacional.

 Portugal, semi-finalista no Alemanha 2006, está longe de se “encolher” e surge determinado a ultrapassar o eterno rival ibérico, até porque o passo seguinte rumo à desejada final de 11 de julho em Joanesburgo parece menos complicado.
 Seja como for, o mundial perderá uma das equipas mais queridas e acompanhadas pelos adeptos, à semelhança do que aconteceu ontem, no outro jogo “grande”, o sempre quente Alemanha-Inglaterra, com os britânicos a regressarem a casa.  
Carlos Queiroz não se cansa de elogiar a eficácia defensiva dos seus pupilos – em 25 jo-gos como treinador, apenas sofreu golos em quatro –, que cometem a proeza de ser os únicos a manter a sua baliza a zeros neste Mundial.

 Já no ataque as coisas continuam a não correr tão bem: na África do Sul, exceptuando a goleada 7-0 à Coreia do Norte, que se desorganizou por completo após o segundo golo, os “navegadores” não conseguiram marcar à Costa do Marfim nem ao Brasil, com a agravante de terem criado escassas oportunidades de golo.
 Cristiano Ronaldo, em quem muitos portugueses confiam para “resolver” no ataque, não tem feito a diferença neste mundial e tem pautado o seu desempenho por grande discrição – esta é a hora do “capitão” se assumir e liderar a equipa rumo a um resultado que orgulhe uma nação incondicional e apaixonadamente ao lado da selecção de futebol.
 Os “navegadores” já não perdem há 19 desafios, uma marca a ter em conta e que dá confiança adicional na hora de enfrentar uma equipa recheada de estrelas, todas com capacidade para resolver um jogo em lance.
 Carlos Queiroz mudou a equipa nos três jogos, mas certamente nem isso confundirá o experiente Vicente del Bosque, com uma equipa com qualidade suficiente para apenas pensar em si própria.

 Ainda assim, perspectiva-se grande equilíbrio e, a este nível, poderão ser ínfimos deta-lhes a definir quem continua na corrida para a glória.
 A Espanha, que cometeu a proeza de fazer o pleno de 30 pontos no apuramento, começou o Mundial surpreendida pela defensiva Suíça (0-1), mas rapidamente despertou e, com naturalidade, o seu naipe de venceu Chile e Honduras e assim garantiu o primeiro lugar do grupo H.

* Árbitro argentino no  Espanha-Portugal

 O argentino Hector Baldassi, árbitro designado para dirigir na terça feira o Espanha-Portugal, dos oitavos de final do Mundial2010 de futebol, vai dirigir o seu quarto desafio na competição.
 O “juiz”, que orientou sete partidas da fase de apuramento para a África do Sul, foi o responsável por controlar o Sérvia-Gana (0-1), o Holanda-Japão (1-0) e o Suíça-Honduras (0-0).
 Até ao momento, todos os jogos de Portugal estão a ser ajuizados por árbitros que falam castelhano, nomeadamente o uruguaio Jorge Larrionda no empate 0-0 com a Costa do Marfim, o chileno Pablo Pozo na goleada 7-0 à Coreia do Norte e o mexicano Benito Archundia em novo nulo (0-0) com o Brasil.

* Queiroz recupera Deco e “perde” Danny
          
 A seleção de Portugal revelou sábado um crescendo de confiança no êxito no Mundial 2010 de futebol, num dia em que Queiroz recuperou Deco e “perdeu” Danny, com um problema físico e em dúvida para o jogo com a Espanha.
 O seleccionador Carlos Queiroz, o trinco Pedro Mendes e o guarda redes suplente Beto foram os porta-vozes de um grupo que “transpira saúde” e, nas palavras do jogador do Sporting, em alta devido à “confiança, entreajuda, solidariedade e amizade entre todos, aliada à qualidade dos jogadores”.
 “Acho que o mais importante é ver se é possível ter um Portugal igual a si mesmo, que se supere. Tenho a confiança de que o melhor Portugal ainda está para vir”, disse Queiroz, destemido na hora de enfrentar a Espanha, na terça feira, nos oitavos de final.
 O selecionador acredita que nesta fase da prova “todos os adversários são difíceis e com 50 por cento de hipótese de êxito”, perspetivando “jogos emotivos, muito tensos, onde não há margem para erro”.

 O guarda-redes Beto lembra que “agora a margem de erro é zero”, admite que a Espa-nha é uma “equipa forte”, mas confia no potencial luso de “anular os pontos fortes da Espanha e investir nos fracos”.
 O médio criativo Deco, que falhou os desafios com a Coreia do Norte (7-0) e Brasil (0-0) devido a uma lesão na anca direita, voltou sábado ao trabalho sem limitações, pelo que está apto a defrontar o rival ibérico.
 Danny, titular com a Costa do Marfim e com o Brasil, sofreu uma pancada na coxa frente aos “canarinhos” e não treinou, estando em dúvida para terça feira no estádio Green Point, na Cidade do Cabo.

 O médio Ruben Amorim continua lesionado e está descartado para o quarto encontro luso na África do Sul.
 Como tem sido habitual após os jogos no Mundial, o treino de Portugal voltou a ser aberto e foram cerca de 2000 os adeptos presente.