Moody’s corta ‘rating’ da dívida portuguesa em dois níveis

0
69
Moody’s

Moody’sA agência de notação financeira Moody’s reviu em baixa o “rating” da dívida portuguesa em dois níveis, de Aa2 para A1, com um “outlook” estável.

 De acordo com a Moody’s, esta revisão em baixa tem em conta o facto de “a força financeira do Governo português continuar a enfraquecer a médio prazo, evidenciado pela deterioração crescente dos números da dívida do país, como a dívida em percentagem do PIB e a dívida em relação às receitas”.

 “As perspectivas de crescimento da economia portuguesa permanecem fracas, a menos que as recentes reformas estruturais comecem a dar frutos a médio/longo prazo”, acrescenta.

 O “outlook” da Moody’s – que permanecia negativo desde Outubro – é agora “estável”, com os riscos de subida e descida equilibrados.
A Moody’s alertou que poderia baixar “um ou dois níveis” o ‘rating’ da dívida portuguesa a 5 de Maio, reflectindo a recente deterioração das finanças públicas portuguesas, assim como os desafios da economia a longo prazo.

* Governo diz que ‘outlook’ estável dá sinal de “confiança”

 O Ministério das Finanças sublinhou que apesar do corte no ‘rating’ da dívida pública portuguesa, o ‘outlook’ estável da Moody’s dá um sinal “de confiança” na estratégia de política económica do Governo português.

 “Será de sublinhar que, no actual contexto de incerteza, a prioridade de consolidação orçamental, ainda que não garanta uma rápida recuperação da economia portuguesa, é uma condição necessária para o seu crescimento sustentado”, lê-se numa nota divulgada pelo Ministério.
 De acordo com o gabinete de Fernando Teixeira dos Santos, esta decisão da Moody’s de rever em baixa o ‘rating’ soberano de Portugal “decorre da crise financeira internacional que se faz sentir desde há mais de dois anos e que, na primeira metade de 2010, se tem manifestado sobretudo numa forte pressão” sobre a dívida soberana.

 Em declarações aos jornalistas à margem da reunião que decorreu em Bruxelas com os ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), Teixeira dos Santos disse que a decisão da agência de notação financeira “não surpreendeu” e era já esperada porque há 12 anos (desde 1998) que a empresa não revia o ‘rating’ português.

 “Creio que é uma decisão um pouco mais tardia que outras agências de rating mas que no fundo veio constatar aquilo que essas outras agências já tinham constatado, e por isso não tem nada de surpreendente”, disse Teixeira dos Santos.
 A Moody’s reviu em baixa o ‘rating’ da dívida portuguesa em dois níveis, de Aa2 para A1, com o ‘outlook’ estável.

 De acordo com a Moody’s, esta revisão em baixa tem em conta, entre outras, o facto de “a força financeira do Governo português continuar a enfraquecer a médio prazo, evidenciado pela deterioração crescente dos números da dívida do país”.