Marcelo avisa na ONU que se deve aprender com o fracasso da Liga das Nações ao não evitar a II Guerra Mundial

0
115

 O Presidente português avisou na terça-feira, 24 de Setembro, que se deve aprender com o fracasso da Liga das Nações, que não evitou a II Guerra Mundial, e que “ninguém é uma ilha”, pedindo apoio à Organização das Nações Unidas (ONU).

 Perante a Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou o afastamento dos Estados Unidos da América e a entrada tardia da União Soviética para a Liga das Nações, de que aquela organização “nunca recuperou”, vendo crescer “lideranças hipernacionalistas, xenófobas isolacionistas e unilateralistas”.

 “Sabemos onde foi parar o mundo, porque há precisamente 80 anos começava a II Guerra Mundial. O que era a promessa de há cem anos convertia-se numa hecatombe, 20 anos após. Vale a pena parar um minuto para retirar as lições desse passado ainda próximo, agora que estamos a entrar nos 75 anos de vida das Nações Unidas”, afirmou.

 Marcelo Rebelo de Sousa, que falou em português, reforçou esta mensagem no final da sua intervenção neste debate geral da 74.ª Assembleia Geral da ONU, em inglês: “Só aqueles que não conhecem a História e, por isso, não se importam de repetir os erros do passado, minimizam ou relativizam o papel das Nações Unidas”.

 “Nesta sala, felizmente, somos todos patriotas. Porque amamos as nossas terras, e desejamos. E o melhor não é ignorar o mundo em que vivemos, e em que dependemos. Nós, patriotas, nós sabemos que precisamos de mais, e não de menos, Nações Unidas”, acrescentou.

 O chefe de Estado português falou de patriotismo depois de ter ouvido o Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, dizer, na sessão de abertura deste debate geral, que “o futuro não pertence aos globalistas, mas aos patriotas”.

 Marcelo Rebelo de Sousa contrapôs que os líderes devem ser “não só multilateralistas”, como “verdadeiros patriotas das nossas próprias pátrias”.

 “Ser-se patriota é ter-se orgulho no passado, é ter-se orgulho nas raízes, é ter-se orgulho na História própria, mas é também ter-se a exacta noção de que o mundo é como é, e de que os outros têm direito a ter orgulho nas suas próprias pátrias. E que o mundo, onde não há ilhas, é fruto do diálogo do encontro, da permanente conjugação entre o espírito patriótico de todos e cada um de nós”, defendeu.

 O Presidente da República argumentou que “vale a pena lutar por uma visão multilateral de todos, a começar nos que se consideram mais poderosos, porque ninguém é uma ilha, ninguém consegue sozinho ou com alguns aliados enfrentar problemas que são globais”.

 Insistindo que há que “aprender a História e as suas lições”, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que nenhum poder é eterno e que as conjunturas mudam e aconselhou a que se resista “à tentação de olhar para o nosso ego, o nosso poder, a nossa próxima eleição”.

 O chefe de Estado apontou como sinais preocupantes no plano global “a subida de tensões envolvendo protagonistas cimeiros da cena internacional, a corrida à guerra comercial, à guerra económica e financeira, à guerra das divisas e, ao mesmo tempo, a corrida aberta aos armamentos”, bem como “o recurso à ciberpresença como meio de intervenção externa”.

 Por outro lado, segundo o Presidente português, são “sinais favoráveis” no contexto internacional “o avanço na saúde materno-infantil” e “a nova esperança aberta entre a Grécia e a República da Macedónia do Norte”, assim como “a janela” para a “desnuclearização da península coreana”.

 Marcelo Rebelo de Sousa saudou igualmente “a transição estável na República Democrática do Congo” e “algumas perspectivas mais promissoras na África Oriental”.

 “São bons sinais as relações de entre a União Europeia e a União Africana. Portugal, directamente ligado às primeiras cimeiras euro-africanas, disponibiliza-se para organizar a próxima reunião de líderes entre a União Europeia e a União Africana durante a sua presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, em 2021. Em suma, temos perspectivas favoráveis. Exige-se que continuemos nesse mesmo caminho”, concluiu.