Mais 550 milhões de euros nos bolsos das famílias e não há aumento de impostos

0
74

O primeiro-ministro afirmou que a proposta do Governo de Orçamento vai deixar nos bolsos das famílias mais 550 milhões de euros só em medidas fiscais, não apresenta aumento de impostos, nem recuos no plano social.

  Esta posição de António Costa consta de um vídeo publicado num microsite sobre o Orçamento do Estado para 2021 (oe2021.gov.pt.), logo após o Governo ter entregado a sua proposta na Assembleia da República.

  “Vamos continuar a promover o rendimento dos portugueses com o aumento das pensões mais baixas e um apoio social extraordinário. O valor mínimo do subsídio de desemprego vai também ser majorado a título definitivo para impedir que os mais afetados por esta crise fiquem abaixo do limiar da pobreza. No total, as medidas fiscais previstas neste Orçamento vão deixar nos bolsos das famílias portuguesas, no próximo ano, mais 550 milhões de euros”, defende o líder do executivo.

  Na sua mensagem, António Costa frisa que a covid-19 alterou profundamente as vidas das pessoas “e impôs necessariamente ao Governo novas prioridades e uma reprogramação daquilo que tinha previsto para 2020 e para 2021”.

  “Contudo, nada daquilo que é essencial ficou para trás, nem se alterou o rumo iniciado em Novembro de 2015. Não há recuos em nenhum dos progressos alcançados desde então. Não ficámos a marcar passo e recusámos a resposta austeritária a esta crise”, sustenta, aqui num pri-meiro recado dirigido aos parceiros parlamentares do PS: o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV.

  Segundo o primeiro-ministro, uma das principais prioridades da política orçamental será re-forçar a saúde, através da contratação de “mais 4.200 profissionais para o Serviço Nacional de Saúde”.

  “Vamos criar um subsídio de risco para quem está na linha da frente do combate à pandemia e, a par disto, faremos um forte investimento público nos cuidados de saúde primários, nos cuidados continuados integrados para apoiar os nossos idosos, na saúde mental e nos novos hospitais”, aponta.

  O líder do executivo considera também que a proposta orçamental vai “proteger quem trabalha”, com os apoios públicos a ficarem condicionados à manutenção do nível de emprego actual nas grandes empresas que tenham lucros.

  “As políticas activas de emprego serão reforçadas para os jovens e para os desempregados e os direitos dos trabalhadores serão protegidos com a suspensão da caducidade das convenções colectivas de trabalho ao longo destes dois anos”, salienta em nova alusão a reivindicações do Bloco de Esquerda.

  No plano da economia, além das medidas fiscais no valor de 550 milhões de euros em benefício da generalidade dos contribuintes, António Costa acentua que “não haverá qualquer aumento de impostos, será eliminado o agravamento das tributações autónomas para as micro, pequenas e médias empresas que retenham prejuízos e será devolvido aos consumidores o IVA pago nos setores da restauração do alojamento e da cultura”.

  Neste contexto, o primeiro-ministro defende que a cultura “merece até uma atenção muito particular neste Orçamento com mais 49 milhões de euros, porque, apesar da crise, há determinação no sentido do Governo cumprir o seu objectivo de reforço ao longo da legislatura do Orçamento da cultura”.

  António Costa observa que a conjuntura mundial é de crise, mas afirma-se depois “certo” de que este é um Orçamento que à altura do desafio que se enfrenta.

  “Só assim seremos capazes de juntos controlar a pandemia, proteger as pessoas e recuperar a economia. Este é um bom Orçamento para o Portugal de 2021”, acrescenta.