Juventude auspicia na gala do 10 de Junho futuro risonho para a Comunidade Portuguesa

0
149

 No serão de sábado, 9 de Junho, pelas 20 horas, mais de três centenas de pessoas reuniram-se no salão de festas do Núcleo de Arte e Cultura (NAC), em Regents Park, para celebrar o jantar de gala do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Joanesburgo.

 O comendador Gilberto Martins esteve encarregue de chefiar o evento, ao ser o mestre-de-cerimónias da noite. Começou por pedir a todos pelas 19h30 que tomassem os seus lugares.

 Os escuteiros do 1º Agrupamento de S. Jorge, em conjunto com o embaixador de Portugal, Manuel de Carvalho e com o cônsul-geral de Portugal em Joanesburgo, Francisco Meireles, acenderam a “Chama da Pátria”.

 Em seguida, Miguel Pregueiro entoou o hino da África do Sul e Katia de Ponte o hino de Portugal.

 O comendador Martins pediu que o presidente do NAC dirigisse algumas palavras aos presentes. Joaquim Coimbra assim o fez ao atestar “boa noite a todos os presentes”, depois de dar as boas-vindas a todos.

 “Quero antes de mais nada dizer viva Portugal! Viva a África do Sul! Viva a Comunidade Portuguesa!”

 “Obrigado por terem optado fazer o jantar de gala no Núcleo e espero que a noite corra bem! Em boa companhia, com bom entretenimento e boa comida. Quero, apenas fazer um pedido, pedir aos pais da minha geração, para que todos façamos um grande, grande esforço para que os nossos jovens saibam o que é Portugal, o que é ser português, para falarem em casa Português. Temos que aproximar os jovens de nós e temos que ser nós a responder esse desafio.”

 “Para finalizar, quero agradecer à minha equipa aqui no Núcleo, à comissão de festas e ao pessoal da cozinha, pessoal do bar e a todos que contribuíram para que isto fosse possível. Aos patrocinadores também, agradeço.

 Muito obrigado e mais uma vez viva Portugal”, finalizou Joaquim Coimbra.

 Em seguida, Gilberto Martins chamou Alexandre Santos, presidente da sub-comissão das celebrações do Dia de Portugal em Joanesburgo. “Começaram, a semana passada na Casa da Madeira, as celebrações do Dia de Portugal com um momento de poesia, temos esta noite novamente um amante de literatura portuguesa, amante de poesia, que é um industrial da nossa praça. Convosco, Henrique Mota.”

 Henrique Mota fez uma breve palestra sobre poesia e declamou um poema, de José Régio, “Cântico Negro”. Um momento bonito e que acrescentou solenidade à noite, um outro aspecto e vertente da Cultura portuguesa.

 Foi depois feito um minuto de silêncio em memória dos compatriotas portugueses da Comunidade em Joanesburgo e na África do Sul em geral, que perderam a vida no último ano.

 Ao palco, para falar numa das maiores figuras de vulto da Comunidade lusa na África do Sul, dr. Durval Ferreira Marques, foi chamado ao palco José Contente, presidente da Academia do Bacalhau.

 “É para mim, na qualidade de presidente da Academia-Mãe do Bacalhau, uma grande honra, dirigir-vos umas palavras em homenagem daquele que foi neste país, há exactamente 50 anos, o cofundador das celebrações deste Dia de Portugal.”

 José Contente falou das Academias do Bacalhau, da sua alargada acção de solidariedade social, da criação da Sociedade Portuguesa de Beneficência e na ajuda que importante e vital que teve para acolher os portugueses vindos de Angola e Moçambique. Na subsequente criação do Lar da Terceira Idade Rainha Santa Isabel e no papel aglutinador que as Academias do Bacalhau têm no Mundo, hoje num total de 60 tertúlias em cinco continentes.

 Destacou a amizade e constante ajuda que Durval Marques deu à Comunidade portuguesa e o apoio continuado a associações, clubes, celebrações de efemérides, apoio ao desporto comunitário e cultura nas suas várias e vastas manifestações.

 Esta intervenção foi finalizada com uma forte salva de palmas à memória de Durval Marques e a tantos outros portugueses que contribuiram positivamente para a imagem e bom-nome da Comunidade na África do Sul.

 O jantar foi em seguida servido, com um buffet de pratos típicos portugueses, bacalhau à Braz, lombinhos de porco, frango grelhado acompanhados de salada verde, arroz de tomate e de batatas assadas. De referir, a alta qualidade da refeição e a fartura de comida em oferta.

 Após o repasto foi altura do espectáculo de variedades começar, primeiro com a Claudia’s Dance Studio e as suas várias bailarinas, que com vários estilos de música adicionou mais cor à noite.

 Um dos pontos altos foi a actuação de Isabel da Silva, de dez anos de idade e do seu par de dança e Kian Grottis de 12 anos, que vão a Portugal competir daquela noite a 15 dias num concurso de danças de salão. Com vários estilos de dança de salão, as crianças maravilharam as centenas de pessoas presentes na noite e deixaram o público a pedir por mais.

 A estes dois talentos das pistas de dança, outro dos pontos altos da noite foi a actuação do rancho folclórico Troyeville/NAC. Composto por vários dançarinos jovens e com um misto de experiência, as modas tocadas também encantaram os presentes.

 O Troyeville/NAC procura dançar modas do Norte a Sul de Portugal e mostrou naquele serão a sua qualidade de interpretação que desde os dançarinos à tocata deram um espectáculo que apenas acrescentou emoção e profundidade cultural ao evento.

 A refeição foi encerrada com a mesa das sobremesas, todas elas típicas portuguesas, fizeram as delícias das papilas gustativas de todos.

 Seguiu-se, enquanto as sobremesas estavam a ser degustadas, um intervalo no certame.

 Em nome do NAC, o comendador Gilberto Martins agradeceu aos patrocinadores todos da noite, a Pastelaria Princesa, Viva Africa, Midway Liquors, Candy da Silva, Craig Louser, Amaro Fresh Products, Carlos Ferreira, Meat Gallery, “Bubbles” com a “Sounds Gr8”, Tulisa Meat Maket, o escritório de representação do Banco Santander Portugal, a Air France e a agência de viagens Novo Mundo.

 E, entre os vários pontos altos da festa, seguiu-se aquele que coroou a noite, a entrada de nada mais nada menos que oito jovens artistas portugueses, nascidos na África do Sul, para cantarem e encantarem os convidados. Primeiro a actuar foi Roberto Adão, que cantou “o Emigrante”, trajado a rigor com a farda do Troyeville/NAC. Seguiu-se-lhe o jovem Miguel Pregueiro em dueto com Daniela Estanqueiro que interpretaram “Bailando”. Outro dueto seguiu-se a este com Leandro Coimbra e Katia de Sá a cantarem “Falling in love with you”. O jovem luso Jason da Costa, de Vanderbijlpark cantou e maravilhou à guitarra. Katia de Ponte também maravilhou os presentes com a sua voz. Diana-Lee interpretou “sou português” e Leandro Coim-bra e Daniela Estanqueiro cantaram “What a wonderful world”, um momento musical de extrema beleza na noite. Diana-lee fez-se acompanhar de  Katia de Sá para cantarem “Havana”.

 Um momento muito especial nestas actuações foi a colaboração entre Roberto Adão e Katia de Ponte que cantaram o tema popular português “Laurindinha”, a interacção com o público foi muito bonita e tipicamente portuguesa.

 A nova revelação lusa Miguel Pregueiro cantou um tema original seu “O meu amor”. Outro momento mágico foi o duo de Roberto Adão e Leandro Coimbra que cantaram “Lisboa Menina e Moça”.

 Miguel Pregueiro e Jason da Costa deram as suas vozes ao tema clássico da música de Creedance Clearwater Revival “Have you seen the rain”. Daniela Estanqueiro, uma revelação musical que está a tomar a Comunidade de assalto, com a sua voz cristalina, cantou “Aleluia” do filme de animação Shrek, em Português uma tradução feita pela própria.

 Para fechar, com quatro em palco e quatro entre a plateia, fecharam a actuação com o tema de Ed Sheeran, “Perfect”, que também foi traduzido em Português.

 Os oito, no fim do tema, mereceram uma longa e ruidosa ovação de pé.

 O comendador Gilberto Martins afirmou “não sou contra trazerem artistas de Portugal, mas aqui, temos estes jovens que estão a assegurar o futuro da Comunidade. Não só com música, mas com o seu tempo e dedicação, falam Português, cantam Português e são daqui, são nossos”, declarou. Ao que a plateia aplaudiu ainda mais fortemente.

 Foi chamado ao palco o cônsul-geral de Portugal em Joanesburgo. Francisco-Xavier de Meireles afirmou “hoje quero falar de amor a Portugal, do amor invisível, os jovens ofereceram espectáculo de altíssima qualidade porque têm amor por nós, por Portugal.

 As tradições que aqui foram dançadas com o rancho, es-ses todos têm amor a essas tradições e amor ao que significa Portugal.

 E todos aqueles, o que foi preciso fazer para ter a aparelhagem de som, as luzes e sala tão bonita. E porque sou tão orgulhosamente português, quero falar em Inglês.” “A África do Sul vive tempos de mudança, isso gera confusão, perplexidade e quando se vê jovens a sacrificar o seu tempo e a dar o seu talento, para a Comunidade, temos que nos sentir muito orgulhosos.”

 “Quero dar-vos um pequeno exemplo. No outro dia estava a ver um programa de Natureza e falou o sir David Attenborough que descreveu o clima de África e usou duas palavras, Agulhas e Benguela. As duas correntes que se encontram condicionam o clima de África todo até às florestas tropicais do Congo e são duas palavras portuguesas, porque os vossos avôs se esforçaram por isso.

 Terem orgulho de serem portugueses como aqui se cantou. Há muitas razões de se sentirem portugueses e o que espero que levem para os vossos descendentes, celebramos 870 anos de existência que é 30 vezes mais velho que muitos países.

 Mensagem simples: estamos em África há 600 anos e são as contribuições que fazemos, diariamente, fizemo-lo sem distinções de raças, credos ou valores.”

 O diplomata acrescentou “um palavra final de amor, destacar a gentileza do Joaquim Coimbra em convidar o Consulado-Geral, quero agradecer publicamente, porque este ano apesar das mudanças, estamos a conseguir atender 30% mais pessoas.”

 Terminou com vivas a Portugal, à África do Sul e à Comunidade.

 Foram por fim, entregues as Medalhas de Mérito aos jovens que se destacaram na sociedade sul-africana.

 Como excelência académica, jovem de 19 anos, obteve 8 distinções na Matric, foi premiado Tiago Jardim.

 No desporto, com apenas 9 anos é campeã de karaté com 13 medalhas de ouro. A premiada foi Micaela Alves.

 A jovem de 24 anos, Simone Cardoso, foi premiada na área académica.

 Novamente no desporto, o jovem ciclista Keanu Miguel da Silva foi galardoado com uma Medalha de Mérito.

 Ainda no desporto mas no hóquei em patins, a distinção foi feita à jovem de 18 anos Gabriela da Costa.

 Novamente na área académica, com 22 distinções de 25 cadeiras, Chantel Guedes Santos foi distinguida.

 Nas menções honrosas, votado o melhor árbitro de futebol, foi feita uma distinção a Vítor Gomes.

 E na área de jornalismo e fotografia, por várias décadas de trabalho e dedicação à Comunidade portuguesa, foi feita uma menção honrosa ao fotógrafo profissional Carlos da Silva.

 Por fim, para encerrar a noite, falou apenas em Inglês o em-baixador de Portugal, Manuel de Carvalho.

 “Portugal tem talento”, atestou. “O tempo voa e foi há dois meses que estive aqui em Joanesburo e é muito bom estar de volta. Neste tempo estive no Free State, no Kwazulu-Natal.

 Quero agradecer ao NAC e dar parabéns pela noite magnifica que aqui tivémos. Quero agradecer pelo jantar, a organização e o espectáculo de talento que tivémos aqui ocasião de ver. Dá-me orgulho e esperança ver tantos jovens talentos na música, em Inglês e em Português.

 Há futuro na Comunidade, há pessoas com tanto talento que devem manter o contacto com Portugal. Portugal está numa boa posição no Mundo e é uma boa proposta de futuro e hoje vimos no NAC que se está a trabalhar em prol disso.”

 Apelou o diplomata a que as famílias em casa falem o Português e contactem cada vez mais com o idioma. Concluiu a sua intervenção com a afirmação “estamos a celebrar um país com nove séculos de existência que tem conseguido sempre se reinventar. Portugal tem um grande futuro, viva Portugal!”

 O programa foi dado como terminado e  a festa durou até de madrugada.