Jantar de Gala e Festival marcam celebrações do Dia de Portugal em Durban

0
59
Jantar de Gala e Festival marcam celebrações do Dia de Portugal em Durban

As celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Durban tiveram início no sábado dia 4 de Junho e serão encerradas no dia 25 deste mês. Várias organizações portuguesas celebraram individualmente naquela cidade, mas na sexta-feira, 10 de Junho e domingo dia 12, estiveram todas juntas. Na sexta-feira teve lugar um jantar de gala no restaurante da APKZN que contou com a presença de 120 pessoas.

 Como convidados estiveram o vereador Loggie Naidoo, em representação oficial do presidente da Municipalidade de Ethekwini, James Nxumalo, os cônsules de Angola, Espanha, Finlândia, Itália, Malta, Moçambique e Mauritânia, assim como representantes académicos da Universidade de Tecnologia de Durban.

 O restaurante estava decorado com as cores nacionais, vermelho, verde e amarelo.

 À chegada foi oferecido um Porto de Honra a todos que participaram no jantar. Antes de dar início foram entoados os hinos nacionais da República da África do Sul e de Portugal. O mestre-de-cerimónias, João de Gouveia pediu ao presidente da Associação, José da Silva, para dar as boas vindas a todos.

 Falou primeiro em português por ser o Dia de Portugal, dizendo que o feriado nacional assinala o dia da morte do poeta Luiz Vaz de Camões, explicando a história da data que o regime dictatorial do Estado Novo em 1933 até 1944, quando o primeiro ministro António Oliveira de Salazar referiu como o Dia da Raça, isto é a raça portuguesa ou os portugueses. Após a revolução do 25 de Abril de 1974, marcando o fim do regi-me dictatorial a celebração do dia passou a prestar homenagem a Portugal, a Camões e às Comunidades Portugue-sas. Isto seja aos Emigrantes Portugueses e seus descendentes que vivem em comunidades espalhadas por todo o mundo.

 Depois apresentou as boas vindas em inglês aos convidados de honra expressando a sua gratitude, assim como dos membros da direcção, pela presença de todos na séde que é casa dos portugueses e os nossos amigos sul africanos. Em seguida o jantar foi servido.

 Na declamação cultural das celebrações camonianas participaram a Sra. Mimi Faria, Presidente da Liga da Mulher em KZN que leu um poema de Camões e dois poemas de Fernando Pessoa foram lidos pela Professora Juliana da Rosa.

 Em seguida o cônsul honorário de Portugal em Durban, Elias de Sousa agradeceu a presença de todos, mas em especial aos convidados de honra. Sumarizando o significado do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Expressou a importância de dar continunidade a estas celebrações para que possamos demonstrar e continuar com o orgulho da nossa língua, história, cultura, música, danças, gastronomia e desporto. Devemos de ter mais envolvimento, participação, colaboração e motivação da nossa juventude.

 Continuou dizendo que as dificuldades que enfrentamos no nosso dia a dia, encontraremos soluções como os nossos antepassados. Também necessitamos de improvisar constantemente mais união, harmonia, transparência e sinceridade para que sejamos dignos de uma comunidade melhor e mais unida.

 Pediu um momento de silêncio por todos os portugueses que faleceram durante o último ano em Kwazulu Natal, em especial à professora Gilda de Freitas que nos deixou recentemente, sendo uma professora incansável durante muitos anos no ensino de Português nesta cidade.

 Desejou felicidades e sucesso aos novos corpos gerentes da Associação.

 Assim como muitas felicidades a todos os portugueses radicados por todo o mundo, para todos na África do Sul e em especial aos da província do Kwazulu Natal. 

 Terminou propondo um brinde às boas relações e sucesso dos dois países.

 Em seguida homenegeou seis membros da APKZN que durante os últimos dois anos estiveram encarregados do gerenciamento e controle desta associação. Se não fossem Cristina Pegado Wellov e Getúlio Ferrão, Bernardino Dias, Carlos Ahrens Teixeira, Alberto Ribeiro e Ernesto Ferreira  esta associação já não existia. “Enfrentaram mui-tos obstáculos e imensas dificuldades, mas conseguiram com presistência, imenso trabalho, sacrifícios, motivação e demonstrando muita paixão que estes seis membros continuaram a trabalhar arduamente para que esta casa não encerrasse”.

 Depois foi entregue uma medalha ao cônsul honorário de Portugal em Durban, Elias de Sousa, pela continua motivação em improvisar a união da nossa comunidade, prestar assistência às várias organizações portuguesas na província e aos membros da co-munidade.

 João de Gouveia leu o discurso do cônsul honorário, cujo conteúdo foi traduzido em inglês para os convidados não portugueses que estavam presentes.

 Antes de servirem a sobremesa João de Gouveia pediu ao vereador Logie Naidoo, em representação oficial do presidente da Municipalidade de Ethekwini, para dirigir umas palavras e propôr um brinde aos Portugueses do Kwazulu Natal e a Portugal.

 Loggie Naidoo agradeceu o convite que lhe foi enviado e disse que tinha muito prazer e orgulho em estar a celebrar o Dia de Portugal com membros da comunidade portuguesa que estão sempre dispostos a contribuir e participar para o desenvolvimento do município de Ethekwini, prestando uma significativa contribuição ao crescimento económico da municipalidade.

 Lembrou que a situação económica está atravessar alguma crise, mas que não é evidente somente nesta República mas em todo o mundo. Porém a situação em Ethekwini está sob controle e os vários projetos que estavam planeados estão em progresso, ou iniciar-se-ão brevemente e a cidade de Durban ficará semelhante a um “mini Dubai”.

 Finalizou com um brinde de muitas felicidades para os portugueses no Kwazulu Natal e para Portugal.

 Para encerrar o protocolo do jantar de gala, João de Gouveia leu a mensagem do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, intitulado – Co-memorações do 10 de Junho junto das Comunidades Portuguesas no estrangeiro.

 A festa continuou com dança ao som de música variada, mas superando a música portuguesa que todos apreciaram ao longo da noite.

 

FESTIVAL

 

 O festival alusivo em que participaram as várias organizações portuguesas na cidade de Durban teve lugar no domingo, dia 12, em que assistiram mais de 250 pessoas.

 Logo pela manhã notava-se uma grande afluência de muitos portugueses e sul africanos para assistirem ao jogo de amizade de futebol, que teve início às 10h30 no campo da APKZN entre jovens e mais velhos. Nos primeiros 10 minutos os mais velhos dominaram o jogo embaraçando os jovens que ficaram tristes. Todavia, após os primeiros 10 minutos os mais velhos ficaram “sem pernas” e os adversários aproveitaram para fazer melhor jogo. O árbitro concedeu 2 penalties contra os jovens que não foram justificados, mas os jovens saíram vencedores por 4-2.

 A assistência apreciou o ta-lento dos jovens e a tenacidade da tentativa dos ex-jogadores do clube. Foram bem recebidos e aplaudidos pela a assistência num ambiente de alegria disputado em clima de festa.

 Entretanto os dirigentes das várias associações coordenavam e organizavam as suas secções com gastronomia tipicamente portuguesa e insular. A atmosfera, ambien-te, música portuguesa  e o “cheirinho” das bifanas , dos frangos grelhados à priri piri, da espetada com carne suculenta assada no especto de louro, dos pregos, feijoada, pastéis de nata e bolos confeccionados pelas senhoras. Os vários sabores da nossa culinária é um gesto que demonstra a união e orgulho de ser português que reina na nossa comunidade em Natal.

 Às 12h00 foram entoados os hinos nacionais da África do Sul e de Portugal e hasteadas as respectivas bandeiras durante o som dos hinos. O presidente da APKZN deu as boas vindas a todos. Em seguida pediu um momento de silêncio pelo falecimento de um membro da associação, Rui Borges no sábado de manhã.

 Apresentou o programa para o festival que decorreu durante todo o dia.

 O cônsul honorário de Portugal em Durban agradeceu a presença de todos no festival assim como aos organizadores de cada associação que participaram e contribuiram para que seja novamente um dia muito alegre e divertido nas celebrações do Dia Nacional do nosso querido e inesquecível Portugal.

 Continuou … “Devemos de desenvolver diversas actividades creativas e culturais, com o objectivo de manter as tradições e preservar a cultura.” A todos o meus sinceros agradecimentos.

 A banda da Salvation Army, exibiu-se no salão que estava repleto de pessoas, sendo aplaudida após cada número de música e imensamente no final.

 Pelas 15h00 foi a exibição do Grupo Folclórico da APKZN que trouxe ainda mais animação a todos que estavam presentes. Exibiram-se durante algum tempo com imensos aplausos de todos os presentes.

 Seguiu-se o corte do bolo do Dia de Portugal que foi oferecido pelo ICC (Centro de Conferências Internacionais) dando a oportunidade a muitas pessoas presentes de saborear com o café após o almoço.

 O festival continuou durante toda a tarde e mais uma vez serviu dum local de encontro entre membros da nossa comunidade que participam e continuam a suportar a celebração do Dia Nacional do nosso Portugal.

 Depois de terem visitado e participado no festival, seja português ou sul africano, partiram com mais um pouco de Portugal, seja da nossa saborosa comida, rica cultura, música alegre, danças, amizade e harmonia.

 Foi mais uma vez um convívio inesquecível com qualidade e entusiasmo de todos quantos participaram.