Jantar de Gala do Dia de Portugal em Pretória foi coroado com o concerto acústico dos “Anjos”

0
47
Jantar de Gala do Dia de Portugal em Pretória foi coroado com o concerto acústico dos “Anjos”

Teve lugar no dia 10 de Junho de 2015, na Associação da Comunidade Portuguesa de Pretória  (ACPP), o jantar de gala em celebração do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. O certame incluíu o concerto acústico do duo “Os Anjos”, que veio de Portugal para actuar naquela noite, após terem cantado na Cidade do Cabo, em Windhoek, capital da Namíbia e em Joanesburgo, nas celebrações do 10 de Junho em cada uma daquelas cidades.

 A noite começou com os convidados a chegarem, tomarem os seus lugares e servirem-se do jantar, que incluía duas variedades de sopa, canja e caldo-verde; e o buffet com pratos de bacalhau, frango, carne assada e acompanhamentos de arroz e batata e salada. Doces, muitos e deliciosos.

 Após o repasto, foram entregues os prémios do torneio de golfe do 10 de Junho, que foi disputado na capital sul-africana. Dois portugueses ocuparam os dois degraus mais altos do pódio com Bobby da Silva em segundo lugar e Carlos Tavares, o vencedor do torneio. Subiram ao palco seguidamente, todos os presentes que participaram no torneio, para receberem um prémio de participação de jogo, que era uma toalha microfibra e um conjunto de bolas de golfe.

 A seguir ao momento da entrega de prémios, Américo Pimentel, o presidente da ACPP, tomou o lugar de mestre de cerimónias da festa. Pediu aos presentes, que esgotaram a sala, para se levantarem para que os hinos das Repúblicas da África do Sul e de Portugal pudessem ser cantados.

 No seu discurso, Américo Pimental afirmou que não tinha nada escrito e que por isso iria falar do coração. “Vou começar onde terminei o ano passado, ao pedir união entre todas as colectividades e associações portuguesas em Pretória. Conseguimos este ano o que pretendíamos e, por isso, peço para o ano e ao longo deste ano, que continuemos assim, porque só desta forma levaremos a Comunidade Portuguesa para a frente”.

 Agradeceu também à Embaixada de Portugal ao afirmar que "esta embaixada sempre esteve connosco e o seu pessoal está sempre preparado a trabalhar connosco. Se não fossem eles, não estaríamos tão unidos.” Américo Pimentel finalizou a sua intervenção ao atestar que “temos sangue novo, o que é preciso para continuar este trabalho e continuar a levar a nossa Comunidade para a frente”.  Apelou ainda à criação de uma única casa – a pensar nos  nossos netos -, que inclua uma igreja, uma escola portuguesa e tudo mais que um clube necessita num mesmo terreno.

Agradeceu aos presidentes dos clubes envolvidos e à sua própria Direcção pela ajuda e apoio que deram ao presidente da ACPP na organização das celebrações do 10 de Junho em Pretória.

Antes de passar a palavra ao embaixador de Portugal na África do Sul, António Ricoca Freire, Pimentel agradeceu aos patrocinadores, que tornaram possível a vinda dos “Anjos”, bem como o conjunto de todo o programa das comemorações do Dia de Portugal.

 No seu discurso, o embaixador referiu também a importância da unidade e coesão da Comunidade Portuguesa na África do Sul. Referiu a importância das obras comunitárias, na medida que estas são da Comunidade, feitas para a Comunidade e pela Comunidade. Isto numa referência ao discurso de Gettysburgo feito pelo então Presidente dos Estados Unidos da América, Abraham Lincoln.

  “O que vos quero dizer hoje é que esta experiência este ano foi muito importante, porque assinalou que a Comunidade se assumiu como um todo, que Pretória esteve junta e sentiu-se como uma só Comunidade representada nas diversas instituições, todas com uma só missão.”

 O diplomata terminou a sua intervenção ao dizer que “hoje na missa, na igreja de Santa Maria dos Portugueses, citei um pequeno verso do Fernando Pessoa que acho muito, muito importante. O verso foi “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce”. Aqui, está reflectido isso mesmo. Viva Portugal e viva a África do Sul e viva a Comunidade Portuguesa na África do Sul.”

Concluída esta intervenção, Américo Pimentel chamou ao palco várias pessoas envolvidas na organização e no levar a cabo das celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Para assinalar a contribuição de cada organização, foram entregues medalhas comemorativas a cada representante das várias instituições, entre elas, ao director do semanário português na África do Sul, o Século de Joanesburgo, Rogério Varela Afonso. Pela cobertura extensiva e pelo apoio mediático conferido a todas as celebrações.

 Após estes momentos de intervenções públicas, seguiu-se o ponto alto da noite, aquilo por que os mais de 500 convidados esperavam, o concerto dos “Anjos”.

 

* Concerto dos “Anjos”

 

A banda formada por Sérgio Miguel Paulino Rosado e o seu irmão Nelson Manuel Paulino Rosado deu um concerto acústico com a sua banda, que tocou vários temas como o primeiro sucesso do duo, “Ficarei”. A este, que abriu o concerto, seguiram-se outros sucessos do álbum “Anjos – Acústico ao Vivo”, como “Eu estou aqui”, da banda sonora da telenovela portuguesa “Vingança”, “Eu quero voltar” e “Perdoa”. Vários convidados, formaram à frente do palco uma pista de dança o que conferiu ao concerto já de si intimista pela natureza acústica, um ambiente ainda mais envolvente.

 Os irmãos Rosado, com vozes fortes e de timbre característico, mostraram em palco a razão do seu sucesso que perdura há 16 anos de carreira e a sua amplitude de vozes. Sérgio tocou guitarra num tema, pífaro e Nelson a harmónica. Mostraram também assim, a sua versatilidade musical. Momentos humorísticos, como quando o fio do microfone de Sérgio Rosado se soltou, Nelson Rosado prontamente apontou-lhe o seu para que a música e som não sofressem interrupções.

Os “Anjos” interagiram muito com o público e asseguraram estarem muito satisfeitos com a recepção que tiveram pela África do Sul e na Namíbia. Sérgio contou inclusive uma anedota e Nelson gracejou em vários momentos da actuação.

 Passaram de Português para Inglês sem qualquer falha de sotaque ou vocabulário, para que aqueles que não entendiam Português pudessem seguir de perto os procedimentos e também estar envolvidos no concerto. Prova disso foi quando a banda tocou o tema “Hallelujah”, que mereceu uma forte ovação do público.

 O momento alto do concerto, foi quando atingiu o seu pico, já perto do fim. A banda interpretou o tema “A Vida Faz-me Bem” e a meio da canção, dividiu o público que se encontrava diante do palco em duas secções, uma para cada “Anjo.” Seguiu-se então uma competição coral e os vencedores, claro, foram todos os presentes, que disfrutaram de um momento musical em envolvência com os músicos.

 O concerto terminou, de uma forma um tanto ou quanto abrupta, dado que o público e a banda estavam num momento alto de musicalidade e envolvência, isto porque Mário Ferreira, subiu ao palco para agradecer à banda, ao público e aos patrocinadores por terem participado e aproveitado a noite do Dia de Portugal. O concerto encerrou com um último tema, que não estava previsto no alinhamento, mas que revelou não só a versatilidade da banda mas também a natureza do espectáculo acústico, que requer improvisação e adaptabilidade à plateia.

Os “Anjos” após cinco minutos de interregno, voltaram para junto do público, para autografarem postais da banda, álbuns que se encontravam à venda e tirar várias fotografias com membros da plateia. 

O serão, que começou perto das 19h30 estendeu-se até de madrugada, com muitos convidados a permanecer no salão em convívio e conversa, até perto das 2h da manhã.