Irmãos Sandra e Ricardo Rodrigues animaram a festa de aniversário da Casa Social da Madeira

0
31
Irmãos Sandra e Ricardo Rodrigues animaram a festa de aniversário da Casa Social da Madeira

A Casa Social da Madeira festejou com assinalado bri-lho, na noite do penúltimo sábado, 19 de Novembro, o 34º da sua fundação, em Pretória, com um programa iniciado com concorrido jantar de convívio tipo “self-service”, de boas especialidades da nossa gastronomia, contando-se entre os presentes, o embaixador Ricoca Freire, o novo conselheiro da embaixada, Eduardo Rafael e a chanceler Carlota Amorim, o comendador Ivo de Sousa, os presidentes de outras colectividades e instituições lusas citadinas, Paula de Castro dos Lusíadas, Tony Oliveira da Academia do Bacalhau, Lino Faria da Casa do Benfica, Nela Calado da Liga da Mulher Portuguesa, pela igreja de Santa Maria dos Portugueses, o Frei Lameque André Michangula, assim como o presidente da Confraria do Santíssimo Sacramento, António Correia de Freitas, e a líder da Liga da Mulher Católica, Fátima de Freitas, e pelo Rancho Folclórico Luso-Madeirense de Joanesburgo, a sua presidente Alcina Barcelos. 

 As boas-vindas aos que naquela noite ali conviviam em bom número, com destaque para as entidades oficiais, estiveram a cargo do presidente dessa colectividade madeirense aniversariante, Samuel da Silva, baseando as suas palavras praticamente em agradecimento a todas essas comparências e colaboração que tivera para esta grande festa, onde englobou a actuação nesta efeméride do rancho folclórico da Casa Social da Madeira – finda a qual Damião de Freitas desejou, em seu nome pessoal e de todos os componentes do “bailinho” as maiores felicidades futuras -, passando de seguida à introdução do dueto dos irmãos Sandra e Ricardo Rodrigues, dois jovens luso-descendentes com vinte e dois anos de trabalho artístico, como sublinhou em prol da boa música portuguesa que divulgam na Madeira e no Continente, e com muito orgulho têm levado a países como Espanha, França, Reino Unido, Canadá, América Latina, Estados Unidos, Panamá e vários outros incluindo Venezuela donde ambos são naturais.

 Considerados de cantores revelação da música portuguesa, prosseguiu Samuel da Silva, acabam de promover o seu quinto álbum, gravado em Portugal, incluindo no seu reportório temas de famosos cantores, entre os quais Óscar de Leon, tido como rei da “salsa” no mundo, Sandra e Ricardo também desenvolvem trabalho meritório nos meios de comunicação social, destacando nesse prisma Sandra Rodrigues, que como jornalista já foi apresentadora pela RTP, entre 2007 a 2011, do programa “Venezuela Contacto” – como mais tarde soubemos ter liderado 84 programas televisivos -, destacando a terminar essa sua apresentação, o programa que pela rádio estes jovens irmãos desenvolvem actualmente no Funchal, intitulado “Meu Canto à Ilha da Madeira”, dois destinados à Venezuela e um a Portugal, para ambos pedindo uma salva de palmas dos presentes na festa de aniversário, aplauso que se fez entoar com estrondo por todo o salão.

 Entrando de imediato em acção, os presentes assistiram a um bom espectáculo, onde o duo cantou e encantou, espalhando por entre a assistência que não se fartava de aplaudir estes jovens artistas, já que durante a interpretação dos alegres números do seu reportório, não se limitaram apenas ao palco, mas em alguns dos números se misturando com os foliões por entre a assistência, espalhando com essa contagiante alegria, toda a sua competência artística, a justificar plenamente a aposta de Samuel da Silva, como atracção principal para esta celebração, que diga-se tem conhecido sucesso em praticamente todos os eventos que vem realizando desde que assumiu a liderança da Casa Social da Madeira, continuando depois em animação o baile ao som da “DJ VIX”, a cargo de quem esteve a música para este aniversário.

 No pequeno diálogo travado com estes dois jovens artistas, foi-nos revelado, sempre com grande alegria, aliado à vontade de triunfar com que partiram para esta sua aventura, o seu percurso artístico nestes termos:

 Como naturais da Venezuela e filhos de emigrantes, seu pai do Campanário, e sua mãe da Serra d’Água, decidiram a certa altura, com o degradar da situação bem conhecida de todos nesse país onde ambos nasceram, tentar a sua carreira artística no espaço português, e radicando-se na Ilha da Madeira, além das actuações nesse arquipélago, outros se estendendo com alguma regularidade ao continente, como nesse aspecto acontecera em Lisboa, Porto, Algarve, Aveiro, Arcos de Valdevez, Viana do Castelo, Espinho, Tondela Ceia e Mértola, com este último verão cheio de espectáculos promovidos, continuando já a receber convites para outros novos que certamente se seguirão.

 Além-fronteiras e como nos foi referido, já actuaram em países como Brasil, na Casa da Madeira de S. Paulo e na Feira de Panificação, na França, no Curaçau com Quim Barreiros, na Fundação de Neruba, em Espanha, no Reino Unido, Panamá, e América Latina, Canadá e Estados Unidos, sendo para Sandra a segunda vez que vem à África do Sul, pois já aqui estivera em 2006, para a convite do comendador Giorgio Pagan participar no Congresso Mundial das Academias do Bacalhau, confessando-se impressionada com pontos turísticos que visitou, bem elucidativos do poderio desta nação “Arco Iris”, como Sun City, Gold Reef City e Soweto, aqui onde estivera em casa de Nelson Mandela, para Ricardo Alvino Rodrigues Gomes é a primeira vez que aqui vem, e pelo que lhe foi dado observar, impressionado com o potencial deste país.   

 Quanto a Sandra, agora que aqui volta e considera muito importante o reencontro com as raízes, pessoas que ao longo dos tempos procuraram na África do Sul novas oportunidades, para si um povo válido e muito querido, que facilmente se faz crer e se dá a conhecer, gente que aposta na qualidade, a par do desenvolvimento económico e so-cial do país que os acolheu, e para si que tem ido a muitos lados, a radicada nesta terra é como que um caso aparte, daí a alegria de aqui voltar, e com seu irmão poderem mostrar o potencial do seu trabalho em termos artísticos, e no futuro poderem deliciar musicalmente todos os compatriotas espalhados por esta imensa África do Sul. 

 Com o reportório que foram enriquecendo ao longo de vinte e dois anos, a intensão é de poderem chegar à maior quantidade possível de pessoas os seus sons, e como fi-lhos de emigrantes a sua mensagem é levar o nome de Portugal a todo o recanto mundial onde existam comunidades portuguesas, e com isso poderem contribuir para que se não percam costumes e tradições da nossa terra, e como luso-descendentes nas-cidos na Venezuela e procedentes de uma terra latina, um orgulho poderem levar a todo o lado músicas como dualidade em colecções de muitos cantores, tanto da Madeira, Continente ou internacionalmente, sendo para si um orgulho muito grande terem no 

seu último álbum um famoso cantor em todo o mundo como é Óscar de Leon, considerado “rei da salsa”, a par de Célia Cruz, além da canção que em homenagem dedicam aos nossos emigrantes.

 Como a seu ver a música não tem nacionalidade, achando que podemos ouvir a mesma canção em português, francês, inglês, italiano ou chinês, e muito embora não possamos perceber o idioma em que é cantada, mas gostarmos da sua melodia, daí podermos unir e incluir essa música que une os povos, classifica-la como mensagem universal, nesta sua actuação no aniversário da Casa Social da Madeira, recordarem através das suas músicas grandes nomes de intérpretes e compositores da música portuguesa, com destaque para Max, Amália Rodrigues e Chainho, realçando sempre com a afirmação de que Portugal é dos que lá vivem e dos milhões espalhados por todo o mundo.

 Nos seus constantes agradecimentos à Casa Social da Madeira pela oportunidade de poderem actuar em Pretória, Sandra Olgária Rodrigues Go-mes de seu nome completo, realçando sempre o seu patriotismo, sem nunca esquecer o país onde nasceu – daí nas suas últimas actuações exibir a miniatura da bandeira da Venezuela numa das mãos, e entoar o hino nacional daquele país -, não se cansou de incutir no espírito de quem a ouvia, para cada qual em suas casas falarem português com os filhos, para que a riqueza da nossa língua não se perca no tempo e as futuras gerações se orgulhem das suas raízes, finalizando com vivas a Portugal, à África do Sul e à CSM que ali festejava mais um aniversário. 

 

* Jantar de convívio oferecido pela CSM à equipa de televisão da RTM-Madeira

 

 De referir também, já que nessa ocasião nos foi impossível proceder à respectiva cobertura, o jantar que por esta Casa Social da Madeira foi oferecido na noite de 9 de Novembro último, aos quatro elementos da RTM – Madeira, que na ocasião se deslocaram à África do Sul, para a cobertura da “Festa da Flor” na cidade sul-africana de Parys, para a qual e como réplica da que anualmente é realizada com grande pompa no Funchal, foi convidado especial o presidente da Região Autónoma da Madeira, Miguel Albuquerque, nesse convívio participando além do presidente da direcção, Samuel da Silva, os elementos directivos dessa colectividade madeirense, Li-no Faria, José Dias Roda, João Serradinho, Miguel Carreira, Angelino Nascimento, e Augusto Baptista Rosa, bem como o presidente da assembleia-geral da ACPP, comendador Mário Ferreira, e o líder da Academia do Bacalhau nesta mesma cidade, Tony Oliveira, Agostinho Simão e de Joanesburgo, ligada à Academia Mãe, Anelize Lousada, o qual decorreu em agradável ambiente de confraternização.