Inspectores do Serviço de Estrangeiros concluiram primeiras entrevistas de selecção de refugiados no Egipto

0
125

As autoridades portuguesas concluíram no Egipto a primeira missão de contacto e entrevistas aos refugiados candidatos ao grupo de mais de mil pessoas que vão ser instaladas em Portugal até 2019.

 Ao abrigo do programa europeu de reinstalação, aprovado em 2017 pela Comissão Europeia, Portugal manifestou disponibilidade para colher mais de mil refugiados ao longo deste ano e de 2019.

 O Ministério da Administração Interna (MAI) avançou  que “as autoridades portuguesas já concluíram a primeira missão de contacto e entrevistas com os refugiados que se encontram no Egpito, sob o acolhimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR)”.

 Nesta primeira missão, os inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, juntamente com uma equipa do Al-to Comissariado para as Migrações (ACM), realizaram 138 entrevistas a refugiados, segundo o MAI.

 As autoridades portuguesas destacam “a enorme curiosidade e motivação” destas pessoas em ser acolhidas em Portugal, refere o MAI, sustentando que o ‘kit de acolhimento para refugiados’, guia existente em Portugal que tem como objectivo apoiar os refugiados, está “a ser alvo de muita curiosidade, com os refugiados a mostrarem vontade de aceder à versão online e a

experimentarem os dicionários, cientes de que a aprendizagem da língua e a integração cultural são factores determinantes no sucesso dos processos de acolhimento”.

 De acordo com o Ministério da Administração Interna, Portugal tem sido elogiado pela disponibilidade demonstrada e pela sua política de integração.

 Os jornais egípcios têm noticiado o empenho de Portugal no programa de reinstalação, tendo em conta que é o terceiro país que mais acolhe refugiados reinstalados no Egipto, logo a seguir ao Reino Unido e Canadá, destacando também “o bom resultado do diálogo entre o Egipto e a União Europeia”.

 Além do Egipto, o SEF e o ACM têm também programado outra missão de selecção de refugiados à Turquia no âmbito deste programa da União Europeia.

 Ao abrigo de um outro programa de recolocação da UE, lançado em Setembro de 2015 e concluído em março de 2018, Portugal acolheu 1.552 refugiados que estavam em campos de acolhimento na Grécia e Itália.

 O Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA) de 2017 indica que os pedidos de asilo a Portugal aumentaram 19,1% em 2017 face a 2016, ascendendo a 1.750, sendo a maioria de cidadãos asiáticos e africanos.

 “Os principais indicadores em matéria de asilo e protecção internacional, no ano de 2017 e tal como já havia ocorrido em 2016, demonstram uma evolução expressiva face ao tradicionalmente verificado em Portugal. Como factor explicativo, surge o da instabilidade existente em diversas áreas geográficas”, refere este relatório do SEF divulgado em Junho.