Importância dos Lusíadas realçada no jantar de gala anual

0
96
Importância dos Lusíadas realçada no jantar de gala anual

Para angariação de mais alguns fundos que lhe permitam continuar a ajudar os mais necessitados na comunidade que a ela recorrem, alguns em desespero pedindo auxílio, a Associação de Bem-Fazer “Os Lusíadas” promoveu na noite do penúltimo sábado, 26 de Outubro, no salão nobre da ACP de Pretória, o seu Jantar de Gala anual, a que marcaram presença mais de quinhentas e cinquenta pessoas, entre as quais Frei Gilberto Teixeira que ali procedeu à bênção da refeição, a encarregada de negócios da nossa Embaixada, dra. Ana e Brito Maneira, e a chanceler Carlota Amorim, os comendadores Mário Ferreira e Ivo de Sousa, o presidente da Confraria do Santíssimo Sacramento, na Igreja de Santa Maria, António Correia de Freitas, e o líder do “Grupo de Jovens PIE”, dessa mesma igreja católica portuguesa de Pretoria West, Carlos Câmara.

 No convívio em que no decorrer do jantar actuou o jovem acordeonista Cláudio Alho, seguido do grande “show” a cargo do conjunto “MI CASA”, como ali ficou bem demonstrado pelo seu género de música, o grande favorito da juventude, que desde o início e em toda a actuação do agrupamento, se aglomerou em frente ao palco, ocupando todo o espaço reservado à pista de dança, vibrando de entusiasmo o reportório ali apresentado nessa noite, continuando depois essa avalanche na aquisição de “CDs” e pedidos de autógrafos, vindo os festejos depois do leilão efectuado por Manuel José de três artigos oferecidos com essa finalidade, e qualquer deles a deixar um lucro muito significativo, a encerrar com o animado baile ao som da “Discoteca Sound’s GR-8”, de Paulo dos Santos.

 Foi mestre-de-cerimónias Carlos Calado, que ali provou toda a sua competência no desempenho desse cargo, tanto nas boas-vindas e agra-decimentos aos que nessa noite ali se encontravam, como na apresentação de biografias de Cláudio Alho, um jovem que em música venceu este ano na sua categoria o “ National S.A. Talent Championship”, e dos elementos do conjunto Mi Casa, que como ponto alto do historial desta banda, o facto de ter sido escolhida para actuar na cerimónia oficial de tomada de posse de Barack Obama, em Janeiro último, como presidente dos Estados Unidos da América do Norte, como do motivo que deu lugar a este jantar, descrever por alto a verdadeira missão dos Lusíadas, até porque na qualidade de membro da instituição conhece a fundo a sua missão, deixando no entanto esse esclarecimento em pormenor para a presidente dessa Associação de Bem-Fazer, Paula de Castro, que chamado ao palco, e começando na sua intervenção com os agradecimentos a todas as presenças nesse elegante convívio, e reconhecimento a quem consigo colaborou no evento, a começar pela ACPP na cedência do salão, englobando nesse prisma o apoio do presidente dessa colectividade, comendador Mário Ferreira, todos os seus membros, e a Américo Pimentel toda a ajuda prestada.

Agradecendo em primeiro lugar a Deus por ter permitido a realização desta festa, mostrou-se reconhecida a todos quantos de qualquer maneira a ela deram a sua contribuição, de modo especial ao Meat2Oceans Market a oferta de toda a comida; a Manuel Bento Teixeira as verduras e vegetais; a Jorge Ferreira o sistema de segurança ali nessa noite; a Carlos Calado a sua prontidão para a apresentação das actividades nestes festejos; aos jovens do grupo “PIE” toda a cooperação que lhe deram; ao delegado em Pretoria do Século de Joanesburgo, toda a sua disponibilidade no apoio a esta causa; ao jovem acordeonista Cláudio Alho a sua actuação ali nessa noite, e no fundo a todos quantos de uma maneira ou de outra colaboraram nesta festa, sem esquecer todos os donativos recebidos, Paula de Castro viria a salientar no seu improviso, primeiro em inglês e depois em português:

A caridade é um dom de Deus que nos é dado gratuitamente e devemos segui-la da melhor maneira na ajuda a quem precisa, sem pensar no que nos vai custar, classificando “Os Lusíadas” a que preside, como única organização portuguesa de bem-fazer nesta área de Gauteng, devidamente reconhecida oficialmente pela entidade que na capital sul-africana regula esta actividade, continuando:

Somos poucos membros activos, e quando digo poucos refiro-me em números a uma mão cheia e pouco mais, e nesse sentido estamos também a atravessar a nossa crise, olhando a que precisamos de mais elementos para levar por diante a nossa missão, olhando às trinta e três famílias carenciadas que estamos a ajudar com donativos mensais, e infelizmente com as dificuldades bem co-nhecidas de todos, cada vez nos são pedidas mais ajudas, sendo chegada a hora de pôr as politiquices e os orgulhos de lado, e como somos nem clube, nem partido político pensarmos menos em nós, e mais em quem necessita, o que não podemos fazê-lo so-zinhos.

 Como tal e para que possa-mos socorrer quem precisa, convidamos todos vós a fa-zerem parte dos Lusíadas. Precisamos cada vez mais do vosso contributo à união da comunidade, e trabalhar em conjunto, sem, divisões nem pensar em títulos, mas de mãos dadas na ajuda a quem infelizmente está por qualquer motivo a passar por grandes dificuldades, a que infelizmen-te com o agravar dos tempos, ninguém está livre de vir a en-frentar no amanhã, e sem boas acções, pensamentos positivos, compreensão e es-pírito de ajuda, não pode haver caridade, terminando com votos de feliz Natal e próspero Ano Novo para to-dos.

 Convidada a proferir algumas palavras, também a conse-lheira da nossa embaixada, dra. Ana e Brito Maneira, se dirigiu ali aos presentes, para depois de a todos saudar, e se mostrar radiante pela oportunidade de pela segunda vez conviver neste salão com a comunidade lusa, facto que considerava ser para si um prazer, passando a afirmar:

A Associação de Bem-Fazer “Os Lusíadas” é pelo que me apercebo um dos pilares importantes desta comunidade, e o jantar que aqui tivemos hoje vai certamente apoiar trinta e três famílias, daí este tipo de actividade me parecer da maior importância, atendendo a que a solidariedade tem esse valor fundamental.

Apresentando-se para aqueles que porventura a desconheciam, estar na África do Sul  desde 4 de Agosto último, vindo de Genebra onde esteve a representar Portugal nas Nações Unidas, a dra. Ana e Brito Maneira justificou a ausência neste convívio destinado à beneficência, do embaixador Ricoca Freire, pelo facto de nessa precisa noite estar a jantar com a ministra dos negócios estrangeiros deste país, dra. Machabane, porque senão estaria ali também seguramente com a comunidade, prosseguindo:   

Quando nos unimos conseguimos fazer coisas importantes. Além de ajudar as pessoas, conseguimos transformar as comunidades num elo forte, e nesse sentido eu queria aproveitar as palavras de Paula de Castro e dizer-vos que para além de ser para mim um enorme prazer ver uma mulher líder de uma associação como esta, daí enquanto mulher me sentir feliz cada vez que vejo outras senhoras em lugares importantes de chefia, a nova encarregada de negócios da nossa embaixada, finalizou a sua intervenção com estas palavras:

“Podem contar comigo enquanto aqui estiver, para nos ajudar em tudo o que for preciso, sendo sempre importante para mim apoiar as nossas associações e estar com a comunidade. Sempre que acharem importante falem comigo, eu estou na embaixada para vos ajudar e trabalhar convosco”.