GP de Portugal de Fórmula 1: Hamilton supera record de Schumacher com 92 vitórias

0
101

No fim-de-semana de 23, 24 e 25 de Outubro, o piloto hexacampeão do Mundo de Formula 1, Lewis Hamilton superou o record de Michael Schumacher que tinha igualado no GP de Eifel em Nurburgring na Alemanha há duas semanas. O piloto britânico fixou agora a marca em 92 vitórias em GPs de Formula 1. O pódio foi completado pelo companheiro de equipa Valtteri Bottas e pelo holandês Max Versatappen da Aston Martin Red Bull Racing.

  No sábado houve drama que chegasse com o tetra campeão do Mundo de Formula 1 Sebastian Vettel, na terceira sessão de treinos livres da parte da manhã, a passar por cima de uma grelha de escoamento de água e a força de sucção do monolugar do alemão levantou a dita grelha. Os comissários de pista do Circuito Internacio-nal do Algarve rapidamente resolveram o problema e vistoriaram o restante traçado algarvio.

  Isto atrasou a qualificação em meia-hora mas quando a acção começou sem paragens foi Lewis Hamilton que conquistou a pole position e foi do primeiro lugar da grelha que partiu o bri-tânico. Mas, a corrida de Hamilton não começou da melhor maneira com uma primeira volta repleta de tensão e ultrupassagens.

  De notar uma primeira volta de mestre do cam-peão do Mundo de 2007, o finlandês Kimi Raik-konen, que partiu da 16ª posição e numa só volta subiu a sexto. O espanhol Carlos Sainz em McLaren-Renault dominou durante as primeiras seis voltas do GP de Portugal, mas após os pneus de Bottas terem atingido a temperatura de operação ideal, o finlandês da Mercedes rapidamente recuperou terreno e ultrupassou o espanhol da McLaren. O mesmo se passou com o mo-nolugar de Hamilton que com os pneus na temperatura ideal, conseguiu ultrupassar Sainz e depois o companheiro de equipa, Bottas.

  O GP de Portugal foi replete de drama e logo na primeira volta o piloto sensação do “circo” da F1, Max Versatappen da Red Bull Racing colidiu com o mexicano Sergio Perez da Racing Point, o que obrigou o mexicano a uma primeira paragem logo na segundo volta, que condicionou a prova de Perez. Mas, o piloto mexicano da Racing Point mostrou todo o seu valor e conseguiu ascender ao sétimo posto da classificação final da prova.

  O monegasco Charles Leclerc atingiu o mesmo posto que conseguiu na qualificação da corrida, o quarto lugar. O Ferrari, muito condicionado em termos de performance de motor esta época, andou nos lugares cimeiros durante as primeiras 20 voltas, mas após a primeira ronda de paragens nas boxes para troca de pneus, Leclerc caiu para a segunda metade da tabela.

  Foi através de muita luta que o monegasco da Scuderia Ferrari conseguiu recuperar o quarto posto. Já o companheiro de equipa, o alemão Sebastian Vettel, não foi além do décimo posto.

  De notar um momento dramático da corrida, foi quando o canadiano da Racing Point, Lance Stroll, colidiu com o britânico Lando Norris da McLaren. Numa tentativa de ultrupassagem ao inglês da McLaren, Norris tentou por fora passar na primeira curva, mas não conseguiu controlar o carro e colidiu com Norris danificando ambos os monolugares. Isto valeu a Stroll uma penalidade de cinco segundos.

 

* Como tudo aconteceu

 

  Os 20 pilotos alinharam na grelha de partida no Circuito Internacional do Algarve em Portimão para a segunda prova de estreia no Mundial 2020 de F1. Nuvens cinzentas ameaçaram chu-va e durante as 66 voltas ao traçado português algumas gotas cairam mesmo, mas sem influenciar a corrida.

  Com algumas gotas de chuva a cairem no ar-ranque, os Mercedes de Bottas e Hamilton com os pneus médios, tiveram dificuldades na partida e do lado sujo da pista com Vertappen logo a conseguir um melhor arranque e a colocar-se atrás de Hamilton. Atrás dos quatro primeiros, largadas fortíssimas de Kimi Raikkonen, Sergio Perez e Carlos Sainz.

  Bottas conseguiu conter “abrir” os cotovelos e forçou Verstappen para for a da pista na curva 3 e recuperou o segundo posto. O holandês voltou à pista mas ao fazê-lo colidiu com Sergio Perez e fez com que o mexicano fizesse um peão. Ha-milton não conseguia aquecer os pneus devidamente e perdeu a liderança para o companheiro de equipa. Sainz ultrupassou Hamilton e seguiu para ultrupassar Bottas.

  Lando Norris também sentiu dificuldades para obter andamento no seu McLaren e na volta 18, à medida que o britânico estava a entrar no ritmo da prova, o canadiano Stroll colidou com Norris, que mais tarde obrigou Stroll a parar o carro dentro da garagem com danos no seu Racing Point.

Com a corrida a chegar à metade, 35 voltas de 66, Hamilton tinha uma vantagem de oito segundos sobre o companheiro Bottas e 40 segundos à frente do terceiro classificado Verstappen.

  Leclerc tinha parado para mudra de pneus e estava no quarto posto diante de Perez que tinha lutado com o ex-companheiro de equipa, o francês Esteban Ocon da Renault para conseguir o quinto posto.

  Hamilton foi chamado às boxes para trocar de pneus na volta 40, com os pneus duros e o domínio da Mercedes foi tal, que apesar da longa linha de boxes, Hamilton conseguiu parar e sair em segundo lugar 20 segundos à frente de Verstappen. Quando Bottas parou na volta seguinte, Hamilton retomou a liderança para não mais a largar.

  Sergio Perez, em quinto, acabou por perder nas últimas duas voltas, dois lugares para Pierre Gasly e Carlos Sainz e quedou-se com o sétimo lugar.