Governo prevê investir 750 milhões de euros na preservação da zona costeira

0
104
Governo prevê investir 750 milhões de euros na preservação da zona costeira

O ministro do Ambiente e Ordenamento do Território, Jorge Moreira da Silva, anunciou que o Governo pretende investir 750 milhões de euros até 2050 no combate à erosão costeira do litoral português.

 O anúncio foi feito em Lisboa, na apresentação de um relatório sobre a erosão costeira, elaborado por um grupo de trabalho criado pelo Governo, cuja principal conclusão foi a necessidade de alimentar artificialmente, de forma sistemática, a areia das praias.

 “Para nós é esforço urgente e prioritário. Portugal está numa situação de maior vulnerabilidade do que outros países. Tem 25% da sua costa sob erosão e 66% sob risco. Por isso é fundamental que, mesmo num quadro de restrição orçamental, possamos fazer a adaptação às alterações climáticas”, afirmou aos jornalistas Jorge Moreira de Silva.

 Nesse sentido, o ministro afirmou que o Governo prevê realizar um investimento de 200 milhões de euros até 2020 (inserido no quadro co-munitário de apoio Portugal 2020) e 750 milhões de euros até 2050, através de acções de planeamento e protecção, elaboração de cartas de risco, alimentações artificiais de praias e monitorização da costa portuguesa.

 Jorge Moreira da Silva explicou que dado o “défice de se-dimentos existentes em algumas zonas de costa que o governo pretende levar a cabo “alimentações de elevada ma-gnitude”, estando neste momento a “identificar fontes possíveis de sedimentos”, trabalho que deverá estar concluído até junho.

 Para esse trabalho, Jorge Moreira da Silva referiu que terá de existir uma maior arti-culação entre o Governo e a gestão dos portos, uma vez que muitas das “dragagens” (remoção de sedimentos) serão feitas aí.

 O ministro do Ambiente disse ainda que espera ter concluído também até junho uma proposta de gestão integrada da zona costeira.

O relatório sobre a orla costeira portuguesa foi coordenado por Filipe Duarte Santos que alertou para a rápida erosão da costa e para a necessidade de adoptar medidas para o curto prazo (2020), mas também médio (2050) e longo (2100)

 O grupo de trabalho identificou como a zona mais crítica o troço entre a foz do Douro e a Nazaré.