Governo e Renamo alcançam consenso

0
90
Governo e Renamo alcançam consenso
O Governo moçambicano e a Resistência Nacional de Moçambique (Renamo), principal partido da oposição, anunciaram na quarta-feira ter chegado a acordo para a integração de representantes dos partidos políticos parlamentares na direcção do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE).

 O entendimento divulgado quarta-feira segue-se a um acordo que as duas partes alcançaram na segunda-feira para o aumento do número de membros da Renamo na Co-missão Nacional de Eleições (CNE).
 
 A composição dos órgãos eleitorais é a principal razão da grave tensão política e militar que Moçambique vive desde a assinatura do Acordo Geral de Paz, em 1992, uma vez que a Renamo acusa a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) de dominar os órgãos eleitorais.
 
 Em declarações à imprensa, os chefes da delegação do Governo, José Pacheco, e da Renamo, Saimon Macuiana, nas negociações bilaterais, disseram ter chegado a acordo para a integração de representantes de partidos parlamentares no STAE, órgão operativo dos processos eleitorais em Moçambique.
 
 De acordo com os dois responsáveis, as duas partes entenderam-se em relação à criação do posto de director-geral adjunto do STAE e na integração de representantes de partidos políticos parlamentares nos departamentos do organismo.
 O acordo vai permitir que o STAE passe a contar com re presentantes da Frelimo e Renamo e do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), o terceiro maior partido moçambicano.
 
 Segundo José Pacheco e Saimon Macuiana, as duas partes vão concluir na quinta-feira as negociações em torno da revisão pontual da lei eleitoral, para permitir que o recenseamento eleitoral para as eleições gerais (presidenciais e legislativas) de 15 de Outubro, arranque no próximo dia 15. 
 
 Após o termo do debate sobre a lei eleitoral, as duas partes vão passar à discussão sobre o desarmamento dos homens armados da Renamo.
 A sessão contou pela primeira vez com a presença dos cinco observadores nacionais escolhidos pelas duas partes nas negociações sobre a crise política no país.