Governo afirma que SAA poderá sair da falência no final do mês

0
173

  O Governo sul-africano comunicou que a South African Airways (SAA) poderá sair da falência técnica já no final deste mês de Fevereiro e uma decisão de parceiro equitativos poderá ser alcançada até ao final de Março.

  A companhia de bandeira do país está em falência técnica desde Dezembro 2019 e os problemas financeiros foram agravados pela pandemia de Covid-19, com a suspensão de todas as operações em Setembro do ano passado.

  O Departamento de Empresas Públicas afirmou numa reunião virtual do Parlamento, que os restantes 10,5 biliões de randes poderiam ser desbloqueados para a linha aérea uma vez que um decreto-Lei fosse aprovado. Até à data, cerca de 2,8 biliões de randes desse valor total já foram injectados na SAA.

  O director-geral do Departamento de Empresas Públicas, Kgathatso Tlhakudi afirmou “esperamos que durante este mês que os auditores acabem o trabalho”, declarou. Por fim, o Departamento afirmou que um plano concreto de retoma de operações da SAA ainda não foi estabelecido.

Sindicatos pressionam a SAA a pagar salários em atraso

  O Sindicato Nacional de Trabalhadores Metalúrgicos (Numsa) e a Associação Sul-Africana de Tripulantes (Sacca) declararam ao tribunal do trabalho que o não pagamento dos ordenados em atraso por parte da South African Airways (SAA) colocou os colaboradores sob enorme e desnecessária pressão e querem que o tribunal declare uma que é linha aérea infringiu a Lei.

  Os sindicatos querem que o tribunal tome medidas para que os auditores do plano de resgate da SAA obriguem a companhia de bandeira da África do Sul a pagar os ordenados em atraso há três meses, o décimo terceiro mês e uma tranche de 5.9% referente à inflação, com retroactivos desde Abril de 2020. Foi requerido ao tribunal o pagamento no prazo de sete dias.

 

* “SA Express para ser vendida a comprador privado” – Departamento de Empresas Públicas

 

  A companhia aérea subsidiária da companhia de bandeira do país está em liquidação, mas o Departamento de Empresas Publicas identificou um possível comprador e que está a seguir os trâmites legais para ser vendida a um privado. O preço de venda da SA Express está cifrado nos 50 milhões de randes. Este valor será um aval bancário, dado como garantia, que irá ser contra posto pela venda de bens e de imóveis da companhia e recuperado a partir da garantia bancária. O director-geral do Departamento, Kgathatso Tlhakudi afirmou que a instituição espera que o novo comprador torne a SA Express competitiva a nível doméstico novamente.