Gomes estofador tem como principais clientes companhias aéreas e individualidades com aviões a jacto

0
132
Fernando de Freitas Gomes

Fernando de Freitas GomesFernando de Freitas Gomes nasceu em Tomar em 1940 e veio para África, tendo chegado à cidade da Beira (Moçambique) a 5 de Dezembro de 1958. E o seu primeiro trabalho foi logo em Janeiro de 1959, quando um conterrâneo que tinha uma sala de espectáculos em Gondola, Cinema Preciosa (nome da esposa do proprietário) lhe encomendou estofar 500 cadeiras.

 Solicitado pela Reportagem do “Século” a explicar a sua decisão de vir para Moçambique, recordou que “na minha freguesia, Carregueiros, concelho de Tomar, distrito de Santarém, havia muitos emigrantes que vinham para Moçambique, e desses, os que eram funcionários públicos iam passar seis meses de férias (conhecida por licença graciosa) de 4 em 4 anos a Portugal.

 “Esses meus conterrâneos, quando voltavam à nossa terra natal, falavam-nos da vida em Moçambi-que, onde viviam bem, com lares estáveis e os filhos a estudarem nas es-colas – primárias e liceus – com vista a terem um futuro profissional de qualidade. Isso fez com que eu decidisse, na primeira oportunidade que surgiu, de vir para África. Foi por aventura”.
 Mais tarde Fernando Gomes trabalhou no Lar Moderno na cidade da Beira.

 O nosso entrevistado recordou que trabalhou durante 6 meses como serralheiro na Barragem da Chicamba Real. Porquê serralheiro?
 “Eu fiz o ciclo preparatório e mudei para o curso nocturno. Estudei serralharia em Tomar na Escola Téc-nica Jacom Rhaton. O meu tio António Antunes de Freitas, irmão da minha mãe, era um dos melhores estofadores de Tomar. Por isso, o meu pai pediu-lhe que quando eu saísse das aulas fosse para o seu estabelecimento industrial “Estofaria Antunes”, onde me iniciei nesta apaixonan-te arte, executando mobi-liário antigo e estofaria de carros”.
 À noite estudava serralharia, arte que também muito aprecia por ser uma actividade técnica de precisão. Inquirido entre as duas por qual opta, Fernando Gomes foi peremptório: “a estofaria por ser uma arte criativa”.

 Desde 1987 que F. Gomes Estofador está instalado em edifício próprio, no n.º 349 da Commissioner Street, em Fairview, Joanesburgo. Pode ser contactado pelo telefone (011) 614 2471; fax 011 614 9806; ou pelo telemóvel 082 412 6669.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

 Solicitado a pronunciar-se sobre o número de empregados, Fernando Gomes referiu que “a empresa tem 18 empregados, dos quais 4 são moçambicanos e 14 sul-africanos. Devo dizer que tenho orgulho em que o meu pessoal fez a sua aprendizagem aqui, na prática, nesta nossa unidade fabril. Todos começaram a partir da básica, pois todos foram varredores da oficina. E gradualmente foram adquirindo conhecimentos da técnica de estofaria, que eu lhes ensinei.

 Na secretaria trabalham a esposa, Maria Luisa Gomes, e a filha Carla Gomes Lima.
 Regista-se que anos antes, as duas filhas Carla e Cândida foram talentosas jogadoras de basquetebol e ambas receberam as cores Springbok.
 Fernando Gomes foi dirigente da AARM/Associação dos Antigos Residen-tes de Moçambique; membro fundador do Grémio de Empresários de Língua Portuguesa da África do Sul; membro do Clube Samaritano de Boksburg; foi presidente da Casa do Benfica da África do Sul; e dirigente da Sociedade Portuguesa de Beneficência, tendo sido 2.º secretário na presidência do comendador Giorgio Pagan.

 “O primeiro avião que estofei foi um Lear Jet, do Presidente José Eduardo dos Santos , de Angola, em 1985, no Aeroporto de Lanseria. O último trabalho de relevo foi estofar o helicóptero do Presidente Armando Emílio Guebuza, de Moçambique”.