Golo solitário de Jackson Martinez dá a vitória ao FC Porto

0
120
Golo solitário de Jackson Martinez dá a vitória ao FC Porto

Um golo solitário de Jackson Martinez materializou o maior ascendente do FC Porto no confronto com o Benfica, no jogo da primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol.

 A equipa de Luís Castro leva para a Luz a vantagem mínima, mas, quanto a isso, apenas se pode queixar da falta de pontaria dos seus jogadores, que dispuseram de mais oportunidades do que a de Jorge Jesus.

 O Benfica, por seu lado, esteve um pouco mais "tímido", por comparação à atitude que tem revelado ao longo da época, e o facto de Jesus ter poupado alguns elementos não explica a contenção revelada em largos momentos do encontro.

 Luís Castro apostou, de início, em Herrera no lugar de Carlos Eduardo, por comparação com o "onze" que arrancou para a partida de domingo, frente ao Belenenses, contando também com os regressados Danilo, Fernando e Quaresma, que então cumpriram um jogo de suspensão.

 Jorge Jesus, por sua vez, entregou a baliza a Artur (Oblak tem sido o titular) e fez descansar alguns dos jogadores mais utilizados, como Nico Gaitan, Lima, Markovic e Enzo Perez, mantendo Rodrigo na linha ofensiva, hoje acompanhado por Cardozo, Salvio e Sulejmani desde o início.

 Pertenceram à equipa da casa as primeiras ocasiões de golo, nomeadamente aos quatro minutos, quando Quaresma ganhou a lateral esquerda e cruzou para Varela, com Artur a desviar-lhe a bola no momento exacto, e no minuto seguinte, quando Defour se entendeu com Herrera e o mexicano deixou-se antecipar por Luisão, já no coração da área.

 A intensidade dos portistas nos primeiros momentos do jogo materializou-se no golo de Jackson Martinez, que saltou mais alto que toda a gente num canto apontado por Quaresma, aos seis minutos, cabeceando com sucesso e sem hipótese para defesa de Artur.

 Aos 23 minutos, o Benfica chegou com perigo à baliza portista, numa jogada rápida de Rodrigo, pela direita, que foi à linha final cruzar para o "coração" da área, onde surgiu Maxi Pereira em boa posição, mas a rematar contra um defesa.

 Aos 25 e 29 minutos, respectivamente, Jackson e Varela voltaram a colocar em sentido Luisão e Garay, com o internacional luso a dispor da melhor ocasião, mas rematou de forma displicente, o que permitiu a Artur desviar para canto.

 Com Ruben Amorim e Feijsa a preencher melhor o meio-campo benfiquista, a equipa de Jorge Jesus sacudiu o ímpeto contrário a partir da meia-hora e voltou a criar dificuldades à defesa portista.

 Ruben Amorim ajudou a "estender" o jogo do Benfica e, a quatro minutos do intervalo, conseguiu cruzar milimetricamente para Rodrigo, que, junto à pequena área, cabeceou sem oposição, mas de forma muito deficiente.

 Com as equipas mais encaixadas entre si do que no primeiro tempo, Luís Castro foi o primeiro a "mexer", trocando Varela pelo argelino Ghilas, aos 63 minutos, no que foi imediatamente seguido por Jorge Jesus, que fez entrar Gaitan para o lugar de Sulej-mani e Lima para o de Rodrigo.

 O jogo seguiu intenso, mas sem grandes oportunidades de golo, mas aos 77 minutos, pouco depois de Herrera ter sido substituído por Carlos Eduardo, Jackson Martínez dominou a bola entre Garay e Luisão e rematou ao poste.

 O Benfica respondeu cinco minutos depois, a remate de Rúben Amorim, da zona frontal, mas Fabiano estava atento e conseguiu rechaçar.

 Markovic ainda rendeu Salvio (80) e Quintero entrou para o lugar de Defour (86), tendo pertencido ao jovem colombiano a melhor oportunidade de toda a segunda parte, no último minuto do tempo regulamentar, mas quando já só tinha Artur pela frente tentou servir um colega, permitindo a intervenção de Garay.