Golo de Jardel em cima da hora salva Benfica na Luz

0
4
Golo de Jardel em cima da hora salva Benfica na Luz

Golo de Jardel em cima da hora salva Benfica na Luz O Benfica apresentou-se quarta-feira com uma equipa revolucionada, mas o mesmo futebol descolorido exibido na época passada, resumindo-se a uma vitória magra, por 1-0, na recepção aos franceses do Toulouse, na “mostra” aos sócios para a temporada futebolística 2011/12.

 Um golo oportuno do defesa Jardel, aos 88 minutos, na sequência de um lance muito confuso na área visitante, evitou que o vice-campeão nacional terminasse o seu dia de festa com um “nulo” frente ao oitavo classificado do campeonato francês na época tran-sata, mas não disfarçou a pobreza do futebol “encarnado”.
 Sem ideias, nem velocidade no ataque, restou ao Benfica o consolo de não ter sofrido golos pela primeira vez nesta préepoca, mesmo privado dos influentes defesas Luisão e Maxi Pereira, que disputaram a Copa América, ainda que o Toulouse nunca tenha parecido muito interessado na baliza anfitriã.

 Uma incursão de Nolito aos seis minutos, concluída com um remate que obrigou Ali Ahmada à melhor defesa da primeira parte, pareceu antecipar uma boa exibição do Benfica, mas o “gás” esgotou-se rapidamente e o guarda-redes do Toulouse não teve muito mais trabalho até ao intervalo, apesar de ter apa-nhado um susto, aos 44, quando Aimar surgiu sem marcação no interior da área e desviou em “chapéu” ligeiramente sobre a barra.
 Dez minutos antes, a equipa francesa esteve muito perto de inaugurar o marcador, na sequência de uma notável iniciativa individual de Daniel Braaten, que viu Artur desviar o cruzamento para os pés de Franck Tabanou, mas o médio da equipa visitante errou o alvo, quando o guarda-redes “encarnado” ainda procurava recuperar a posição na baliza.

 O treinador Jorge Jesus mudou mais de meia equipa ao intervalo, substituindo todo o sector criativo do meio campo e os elementos do ataque e promovendo as entradas de Gaitan, Jara, Saviola e dos reforços Witsel, Enzo Perez, Garay e o guarda-redes Edu-ardo, ao contrário do Toulou-se, que não fez qualquer alteração – o médio português Paulo Machado foi o primeiro suplente utilizado pelo técnico Alain Casanova, aos 65 minutos.
  O Benfica só voltou a criar perigo, aos 82 minutos, atra-vés de um remate de Witsel que obrigou Ali Ahmada a de-fesa apertada, mas a resposta francesa gelou os 33.416 espectadores presentes no Estádio da Luz: o recém-entrado Xavier Pentecote surgiu isolado perante Eduardo, mas atirou ligeiramente ao lado do poste.

 Quando parecia que o clube lisboeta se iria ficar pelo empate sem golos no seu jo-go de apresentação, o defesa Jardel, que tinha entrado aos 69 minutos para o lugar de André Almeida, aproveitou um lance confuso na área do Toulouse, provocado pela insistência de Saviola, para concluir com êxito sobre a linha marcando o único golo da partida. Está claro que o público afecto aos encarnados não ficou satisfeito.