Godinho Lopes é o novo presidente do Sporting até 2014

0
218
Godinho Lopes

Godinho LopesLuís Godinho Lopes, um engenheiro de 58 anos, vai presidir ao Sporting até 2014, após a sua Lista A ter ganho as eleições realizadas no sábado, com 36,55 por cento dos votos (33.275), anunciou o presidente em exercício da Assembleia-Geral, João Lino de Castro.

  Godinho Lopes, que já tinha sido vice-presidente do Sporting na Direção de Dias da Cunha e foi responsável pela construção do novo Estádio José de Alvalade, derrotou por apenas 360 votos a Lista B, liderada por Bruno de Carvalho, que recolheu 36,15 por cento dos votos (32.915).
  Num universo de mais de 14.000 eleitores e de cerca de 88.000 votos expressos, no terceiro lugar da corrida à sucessão de José Eduardo Bettencourt, que se demitiu em 15 de Janeiro, ficou a Lista D, de José Dias Ferreira, com 16,54 por cento, seguida da B, de Pedro Baltazar, com 8,80, e da E, de Sérgio Abrantes Mendes, com 1,95.

* Lista de Bruno de Carvalho vai solicitar impugnação do acto eleitoral

  A lista de Bruno de Carvalho considerou que o pro-cesso de contagem de votos “não foi totalmente transparente” e vai pedir a impugnação das eleições do Sporting, revelou uma fonte da candidatura.
  Ainda não está decidido se o pedido de impugnação avança já hoje, segunda-feira, mas a Lista C pretende fazê-lo durante a semana, sendo que o presidente da Assembleia-Geral eleito, e já empossado, é Eduardo Barroso, que se candidatou pela lis-ta de Bruno de Carvalho.
 Godinho Lopes esteve sempre à frente na contagem do votos para o Conselho Directivo por margem curta sobre Bruno de Carvalho, mas a expectativa de que este poderia ultrapassá-lo começou a pairar depois de a contagem das mesas com os sócios mais antigos, as primeiras a serem apuradas, ter dado uma vantagem não muito significativa do primeiro.

  Essa expectativa decorreu do pressuposto de que Bruno de Carvalho teria vantagem entre os sócios mais novos, mas a verdade é que Godinho Lopes conseguiu a vitória, embora a tivesse visto a margem reduzir-se à medida que a contagem caminhava para o fim, para uma diferença final de apenas 360 votos.
  A incerteza quanto ao vencedor motivou a recontagem parcial, por solicitação da lista de Bruno de Carvalho, que incidiu em algumas mesas, havendo um ou noutro caso em que o número de votos terá não coincidido com a primeira contagem.

Godinho Lopes, de “pai” do novo estádio a presidente do Sporting

  Luís Godinho Lopes, até há poucas semanas mais conhecido por ter sido o responsável pela construção do novo Estádio José Alvalade, inaugurado em finais de 2003, foi anunciado como o 36.º presidente do Sporting, com mandato até 2014.
  Engenheiro de formação, Godinho Lopes, um empresário do ramo da construção civil nascido há 58 anos em Moçambique, venceu as eleições de sábado com apenas mais 360 votos do que Bruno de Carvalho, num acto eleitoral com cinco candidatos e mais de 14.000 votantes e 88.000 votos expressos.
  Com o número 26.547, Godinho Lopes era o sócio do Sporting mais recente entre os candidatos à presidência, mas já teve experiência dirigente no clube, uma vez que foi vice-presidente, responsável pelo património, no Conselho Directivo liderado por Dias da Cunha.

  Os incidentes registados por ocasião do anúncio dos resultados, foram o culminar de semanas de campanha eleitoral em polémica crescente entre Godinho Lopes e Bruno de Carvalho, desde cedo apontados como os principais favoritos.
  O clima começou a aquecer quando Godinho Lopes acusou Bruno de Carvalho de ser “um Vale e Azevedo de terceira categoria”, numa alusão ao antigo polémico presidente do Benfica, que ainda tem pendentes vários processos judiciais.
  Tal como os outros concorrentes – José Dias Ferreira, Pedro Baltazar e Sérgio Abrantes Mendes –, Bruno de Carvalho acusava Godinho Lopes de ser o “candidato da continuidade”, afirmando que na sua lista estavam vários nomes com responsabilidades na gestão do clube na última década e meia, considerada desastrosa nos planos desportivo e financeiro.

  Godinho Lopes garantia, no entanto, que era o único candidato credível, por, entre outros argumentos, conhecer a fundo a situação financeira do clube e ter mantido conversações com os dois bancos que são os seus principais credores.
  Apesar de não confirmar o treinador do Sporting de Braga Domingos Paciência como seu técnico, com a justificação de que o nome por si escolhido estava a trabalhar noutro clube, Godinho Lopes assentou a sua estratégia desportiva em dois no-mes: Luís Duque e Carlos Freitas.
  Luís Duque será administrador da SAD, enquanto Carlos Freitas será responsável pela área do mercado futebolístico. Ambos coincidiram no Sporting com Godinho Lopes e estão ligados aos dois últimos títulos nacionais conquistados pelos “leões”:

  Duque foi campeão em 2000 como presidente da SAD e Freitas em 2000 e 2002 como gestor de activos.
Na “batalha” dos reforços, estão conotados como sendo possíveis contratações de Godinho Lopes jogadores como os defesas Garay (Real Madrid), Rodriguez (Sporting de Braga), Alex Silva (São Paulo) e Wendt (FC Copenhaga) e os avançados Zahavi (Hapoel Telavive), Jô (Manchester CitY) e Bobô e Hugo Almeida (Besiktas).