França quer acabar com o G-8 e criar o G-14 com a presença da África do Sul

0
116
G8

G8A França vai incumbir-se de selar a morte do G-8 em 2011, quando assumir a presidência rotativa deste grupo dos sete países ricos mais a Rússia, afirmou o presidente Nicolas Sarkozy ao jornal O Globo.

Na entrevista que concedeu ao diário brasileiro por e-mail, Sarkozy destacou que a França pretende consolidar um grupo maior – o G-14, que inclui Brasil, China, Índia, México, África do Sul e Egipto. “Uma coisa é certa: o G-8 já  não é suficiente. Se quisermos que seja eficaz, que permaneça legítimo, não temos escolha.

Somos obrigados a ampliá-lo aos grandes países emergentes sem os quais não poderemos enfrentar os desafios globais”, admitiu o presidente francês na entrevista ontem divulgada. Sarkozy, que chegou ontem Méao Brasil, não disse, entretanto, se outros membros do G-8, como os Estados Unidos e o Japão, concordam com esta posição.

Sarkozy garantiu que vai insistir na necessidade de agilizar a reforma da governação global, na próxima reunião do G-20, grupo das 20 maiores economias do mundo, em Pittsburgh, no Estado norteamericano da Pensilvânia, nos dias 24 e 25 de Setembro. “Se alguém acreditar que, após a crise, tudo poderá recomeçar como antes, estará redondamente enganado. Ninguém poderá aceitar i to e nós não permitiremos que aconteça”, assinalou.

O presidente francês referiu ainda que Alemanha, Inglaterra e França assinaram em comum uma carta no passado dia 2 “para que a Europa chegue a Pittsburgh unida e com mais alto nível de ambição”. “Nesta carta, a questão da regulamentação dos bónus está claramente formulada. Desejamos que o conjunto dos nossos parceiros do G-20 se una a nós nessas propostas ambiciosas”, acrescentou.