Fotojornalista João Silva sujeito a inúmeras intervenções cirúrgicas nos Estados Unidos

0
73
Fotojornalista João Silva

Fotojornalista João SilvaO fotojornalista que sofreu amputação parcial de ambas as pernas devido ao rebentamento de uma mina no Afeganistão continua a ser submetido a sucessivas intervenções cirúrgicas, disseram à Lusa os seus pais.

 João Silva, o luso-sul-africano nascido em Lisboa há 44 anos e residente em Joanesburgo desde tenra idade, está internado no hospital Walter Reed Memorial em Washing-ton, onde os médicos têm efetuado várias intervenções nos membros inferiores, amputados, de forma a prepará-los para as próteses, bem como no abdómen e bexiga, órgãos que sofreram ferimentos graves provocados pelos estilhaços, acrescentaram os seus progenitores.
 O prestigiado fotógrafo de conflitos (como gosta de ser rotulado), que trabalha sob contrato para o “The New York Times” desde 1997, acompanhava em 23 de Outubro uma patrulha norte-americana no Afeganistão e pisou uma mina anti-pessoal, depois de os especialistas terem dado o terreno onde se encontravam como desminado.

 João Silva recebeu os primeiros socorros no hospital militar de Kandahar, sendo 12 horas depois evacuado para um hospital do exército norte-americano na Alemanha e posteriormente transferido para Washington.
 Segundo Arnaldo Silva, pai do fotojornalista ferido, “a situação clínica do João tem me-lhorado, embora essas melhoras sejam lentas e difíceis de avaliar”.
 Arnaldo e a esposa, Maria de Lurdes, seguem a situação com natural angústia, vendo o filho regularmente nos últimos dias através de ligação Internet com webcam, instalada no quarto do hospital onde se encontra o João internado.
 Para o pai, no entanto, o facto de os médicos terem autorizado que o filho fosse levado para o jardim do hospital nu-ma cadeira de rodas especial, onde esteve algum tempo a semana passada a conviver com a mulher e outros pacientes, militares norte-americanos feridos em combate, constitui um “sinal positivo”.

 “Ver o nosso filho naquela situação causa um sofrimento tremendo, mas temos de enfrentá-la com muita coragem para lhe dar o estímulo de que precisa para encarar a vida com garra e optimismo”, de-sabafou Arnaldo Silva, emigrante na África do Sul há mais de 3 décadas.
 Entretanto, segundo informação prestada pelo colega e amigo Greg Marinovitch, com quem Silva escreveu o livro “The Bang-Bang Club”, foi aberto, na África do Sul, um fundo destinado a ajudar fi-nanceiramente o malogrado fotojornalista.
 O fundo foi anunciado no site “Photoshelter”, que divulga igualmente a obra de João Silva e coloca à venda várias reproduções da extensa obra do português ao longo das missões que efetuou para o “The New York Times”, e as agências “Reuters” e “Asso-ciated Press em zonas de conflito em África, Balcãs e Médio Oriente.
 “Se um dia o João descobrir que não precisa dos fundos angariados poderá doá-los a uma obra humanitária escolhida por si”, disse à Lusa Greg Marinovitch.
 
* Presidente Cavaco enviou mensagem a fotógrafo ferido no Afeganistão

 O presidente Aníbal Cavaco Silva enviou uma mensagem de encorajamento ao repórter-fotográfico João Silva, que sofreu amputação parcial de ambas as pernas no Afeganistão.
 Na mensagem, que foi entregue a João Silva no hospital Walter Reed Memorial, em Washington, onde se encontra internado, bem como aos pais, em Joanesburgo, Cavaco Silva refere que tem acompanhado a situação do fotojornalista “desde que ele se viu confrontado com aquele momento terrível da sua vida”.

 O presidente português salienta a coragem que Silva sempre demonstrou no exercício da sua profissão (de fotojornalista de guerra) e manifesta esperança de que ela o acompanhe ao longo da convalescença.
 “Como sempre manifestou grande coragem nas circuns-tâncias mais difíceis e estou certo de que a coragem que lhe fez granjear muitos admiradores o acompanhará nesta fase em que lhe é exigida uma forte determinação na luta contra a adversidade”, refere a missiva presidencial.
 O presidente Aníbal Cavaco Silva expressa a terminar de-sejos de que o repórter-fotográfico nascido em Lisboa há 44 anos e residente em Joanesburgo, na África do Sul “tenha uma rápida recuperação, para alegria dos seus e de todos aqueles que olham para si com grande respeito pelas suas qualidades.

 Na África do Sul, o embaixador de Portugal, João Ramos Pinto, e o cônsul-geral em Joanesburgo, Carlos Marques, têm prestado apoio constante aos pais de João Silva.
 A mulher do fotojornalista, de nacionalidade sul-africana, está com o marido em Washington. Os dois filhos do casal, de 5 e 6 anos, estão entregues aos cuidados dos avós paternos na sua casa em Joanesburgo.