FMI empresta 893 milhões de euros a Angola

0
89
FMI

FMIO Fundo Monetário Interna-cional deverá apoiar Angola com um crédito de 1,3 mil milhões de dólares (893 milhões de euros), anunciou um alto responsável da instituição financeira de apoio ao desenvolvimento.

 “Vamos recomendar um em-préstimo de 1,3 mil milhões de dólares como o montante a conceder ao abrigo do programa `stand by´”, disse a directora do FMI para África, Antoinette Sayeh.
 A ser aprovado pela direcção do fundo, quando em Novembro for submetido a votação, este será um dos maiores empréstimos já concedidos a um país africano ao abrigo de um programa do género.

 O empréstimo terá uma du-ração de 27 meses e deverá permitir regularizar as opera-ções no mercado monetário.
 As duas partes chegaram a acordo sobre um programa a 29 de Setembro, cerca de um mês depois do início das ne-gociações solicitadas por Luanda, sem que tenha sido divulgado o apoio financeiro a prestar pelo fundo.

 O programa deverá permitir aliviar as pressões de liquidez imediatas e estimular a confiança do mercado e recuperar uma posição macroeconómica sustentável, segundo o Fundo.

No relatório hoje divulgado, o Banco Mundial salienta que, a manter-se a actual tendência, o Banco Nacional de Angola deverá voltar a poder disponibilizar aos bancos “grandes quantidades de dólares de uma forma sistemática e consistente e os leilões [de divisas] poderão voltar com risco limitado de desvalorização forte do kwanza”.

“Isto será especialmente verdade à medida que as políticas macroeconómicas ganhem acrescida credibilidade com o Acordo Stand-By com o FMI e podem ser esperadas mais reservas à medida que comecem os desembolsos do FMI”, salienta.

Actualmente, o Banco Nacional está a vender quantidades limitadas de dólares a uma taxa fixa, usando uma fórmula para alocá-las aos bancos comerciais, o que resulta na acumulação de procura, que só deverá ser satisfeita à medida que seja disponibilizada mais moeda estrangeira.

Depois de um início de ano de queda acentuada nas receitas petrolíferas, o défice corrente está a melhorar (devido à subida na produção e preços de petróleo) e as reservas estrangeiras recuperam criando condições para a normalização do mercado monetário pelo banco central.

Em Agosto, o preço médio do Girassol (petróleo de referência para Angola) manteve-se 80 por cento acima do mínimo de Dezembro de 2008, ainda que 45 por cento abaixo do máximo histórico de Julho do ano passado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia de Angola cresça 0,2 por cento este ano e 9,3 por cento em 2010, afastando a anterior previsão de recessão, tal como já havia feito o Banco Mundial.