FMI aprova financiamento a Portugal

0
170
FMI

FMIO Conselho de Administração do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou sexta-feira em Washington a participação da instituição financeira no resgate internacional a Portugal, com um empréstimo de 26 mil milhões de euros.

 Do crédito total, 6,1 mil milhões de euros serão disponibilizados “imediatamente”, e 12,6 mil milhões de euros até final de 2011, adianta o comunicado divulgado pelo FMI após a reunião.

 “O FMI, juntamente com os nossos parceiros europeus, está empenhado em apoiar este esforço nacional. A acção do FMI para apoiar Portugal contribui para o amplo esforço internacional em curso para ajudar a trazer estabilidade à zona euro e assegurar a reto-ma da economia global”, afirmou o director interino do FMI, John Lipsky.

* Cavaco Silva sublinha aprovação do apoio a Portugal e lembra que a sua execução será “muito exigente”

 O Presidente da República, Cavaco Silva, sublinhou a importância da aprovação do programa de auxílio financeiro a Portugal pelos ministros das Finanças da União Europeia e realçou que a execução do acordo “será muito exigente”.
 Numa mensagem publicada na sua página na rede social Facebook, Cavaco Silva sublinhou que a decisão de segunda-feira dos ministros das Finanças da UE “foi muito importante” para Portugal e também para a União.

 “Portugal tem agora a responsabilidade de honrar os compromissos assumidos e encontrar um espaço para a justiça social e o desenvolvimento económico”, refere o chefe de Estado.
 O Presidente da República realça ainda que “a execução do acordo de assistência financeira será muito exigente e irá pôr à prova a capacidade dos agentes políticos”.
 “Confio na determinação dos portugueses para enfrentar este desafio. Como sempre demonstrámos ao longo da nossa História, vamos ser
capazes de vencer esta etapa difícil da nossa vida colectiva”, sublinhou.

 Os ministros das Finanças da Zona Euro e da União Europeia aprovaram na segunda-feira passada o pedido de assistência financeira a Portugal.
 A ajuda será repartida em partes iguais de 26 mil milhões de euros pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF) e Fundo Monetário Internacional (FMI), o que dá um total de 78 mil milhões.

 Para receber a assistência financeira, Portugal comprometeu-se a realizar um programa de três anos, Junho de 2011 até meados de 2014, que inclui reformas estruturais para assegurar um aumento do potencial de crescimento da economia, a criação de empregos e a melhoria da competitividade.
 O programa inclui ainda uma estratégia de consolidação dos desequilíbrios das finanças públicas, que prevê a redução do défice orçamental para 3,0 por cento do PIB até 2013, e um regime de apoio ao sistema bancário até 12 mil milhões de euros.