Festa do Magusto no Lar da Rainha Santa Isabel foi um autêntico sucesso

0
64
Festa do Magusto no Lar da Rainha Santa Isabel foi um autêntico sucesso

Realizou-se no penúltimo fim de semana dias 21, 22 e 23 de Novembro, no Lar da Rai-nha Santa Isabel a festa anual da castanha “O Magusto” com bastante sucesso, tendo os resultados superado todas as expectativas da própria Direcção da Sociedade Portuguesa de Beneficência.

 Como noticiado na nossa edição anterior, na noite de abertura do Magusto, que coincidiu com a festa do Natal da Academia do Natal de Joanesburgo, foram angariados cerca de 600.000 randes, que se destinam ao projecto de melhoramentos na enfermaria do Lar Santa Isabel.

 No sábado dia 22, o tempo chuvoso começou a causar pânico entre os organizadores da festa, mas na hora da abertura, cerca das 10 da manhã, o tempo melhorou e o sol abriu para alívio de muitos que participaram neste festival.

 Estava patente ao público uma exposição de trabalhos do Estúdio Brush Stroke de Cremilde Cardoso e suas alunas.

 O conjunto musical Duo Jovial abrilhantou o almoço em que participaram vários residentes do Lar, com a presença da embaixatriz, dra. Joana Miranda, que se demorou em conversa afável com vários utentes do Lar.

 No domingo dia 23, houve Missa Campal, pelas 11.30 horas, celebrada pelo Padre Lemos.

 Novamente o conjunto Duo Jovial animou o almoço, tendo também actuado o artista vindo da Madeira, João Luis Mendonça.

 No domingo, exibiram-se igualmente os ranchos folclóricos da Casa dos Poveiros e do Troyeville e Núcleo de Arte.

 A presidente do executivo da SPB, Isabel Policarpo, subiu ao palco para agradecer as presenças da embaixatriz e da cônsul-geral de Portugal, agradecendo mais uma vez a todos que contribuiram para o sucesso da festa do Magusto.

 A presidente da Sociedade Portuguesa de Beneficência Isabel Plicarpo, prestou as seguintes declarações ao nosso jornal: “ Tenho imensas pessoas para agradecer, mas vou começar por agradecer ao grupo Liquor City, liderado por Manny Atouguia, pelas bebidas oferecidas. Aos talhos que patrocionaram as carnes. À Cremilde Cardoso, que ficou muito satisfeita por a sua exposição ter tido sucesso, tendo oferecido ao Lar dois quadros, para serem leiloados. Ao Pedro Silva, do Wanderers, que ofereceu o jantar para todos na noite de abertura do Magusto, que coincidiu intencionalmente com o jantar de Natal da Academia do Bacalhau de Joanesburgo, porque estas duas instituições estão unidas sem outras intenções que não sejam o de angariar fundos para ajudar os mais necessitados.

 Uma pessoa que trabalhou bastante, foi a Adelaide Contente, que apareceu no Lar com vários bolos, decorações de Natal, tendo ajudado a pôr as mesas com a sua amiga Esmé.

 Como tem acontecido nos anos anteriores, na cozinha esteve a D. Paulina com a sua equipa, que foram incansáveis.

 À Analisa Lousada e ao Dominique, que ofereceram o “Jumping Castle” e uma tenda para diversões das crianças.

 A Irmã Esmeralda que, com a sua experiência, esteve voluntáriamente a ajudar nas farturas.

 A Matilde Abreu, Teresa Rodrigues e Adelaide Contente, que também deram o seu valioso contributo, em especial na venda das senhas.

 O meu irmão Carlos Santo, que forneceu o carvão e a lenha.

 À dra.Vera Nazaré, que no sábado nos surpreendeu com a oferta de scones, cremes e compotas de fruta, que foram bem vendidos.

 A todos os patrocinadores da revista do Magusto e em geral a todos os que contribuiram com algo para esta festa um Muito Obrigado.

 Não posso deixar de mencionar uma coisa muito importante que aconteceu este ano. Um pioneiro da Academia do Bacalhau e do Lar Santa Isabel, senhor Capelinha, como muitos outros esquecidos no passado, recebeu recentemente uma carta de agradecimento da nova Direcção. Pois ele, ao receber esta carta, resolveu vir ao Magusto e fez questão em visitar o Lar.

 Outro pioneiro, que ao receber a carta de agradecimento pelo seu trabalho, compareceu no domingo no Lar Santa Isabel, foi Francisco Lopes, que me confessou  bastante comovido, com as seguintes palavras; “Sabe uma coisa D. Isabel? A senhora deu-me anos de vida com a sua carta de agradecimento”.