FC Porto vence Paços de Ferreira na Mata Real

0
42
FC Porto vence Paços de Ferreira na Mata Real

Um FC Porto de alta intensidade na primeira parte e em serviços mínimos na segunda garantiu a segunda vitória consecutiva na I Liga de futebol, por 1-0, ao vencer fora o Paços de Ferreira.

 O colombiano Jackson Martínez, a marcar golos no reduto pacense desde 2012/13, apontou o único golo, aos 40 minutos, correspondendo ao centro de Quintero da direita, e ajudando o FC Porto a somar o 12.º triunfo em 17 confrontos no recinto pacense para a I Liga.

 No intervalo de uma decisiva eliminatória europeia, o FC Porto recebe amanhã, terça-feira os franceses do Lille, depois de ter ganho em França por 1-0, abrindo caminho para a entrada na Liga dos Campeões, o técnico Lopetegi promoveu quatro alterações no "onze", com destaque para a estreia de Adrián López.

 Além do avançado ex-Atlético de Madrid, entraram no "onze" Ricardo, no lado direito da defesa, Evandro no meio campo, e Cristian Tello no ataque, enquanto Paulo Fonseca, que reencontrava a anterior equipa, repetiu o “onze” que jogou frente ao Benfica, na jornada inaugural (derrota por 2-0).

 O FC Porto entrou forte, foi intenso e alto na pressão, fazendo dos médios interiores (Rúben Neves e Evandro) uma segunda linha de pres-são, ligeiramente atrás dos três avançados (Tello, Adrián Lopez e Jackson), retirando espaço na zona de construcção do Paços, num colete-de-forças que levava o adversário a jogar directo.

 Neste período, os azuis-e-brancos conquistaram oito pontapés de canto, contra apenas um dos locais, mas, apesar do domínio quase absoluto, com um futebol que privilegiava as faixas laterais, embora previsível, quase não ameaçaram a baliza de Rafael Defendi.

 A excepção foi o lance do golo, aos 40 minutos, com Casemiro, a "6", a servir Quintero – que substituíra o lesionado Tello – e este, com um centro largo, a encontrar Jackson nas costas da defesa e a bater Defendi.

 O Paços, que até foi quem rematou primeiro à baliza, logo aos dois minutos, num pontapé enrolado de Minhoca, conseguiu sacudir a pressão no segundo tempo, beneficiando também do desacelerar do FC Porto.

 Equilibrou o jogo e por três vezes esteve perto de chegar à igualdade.

 Cícero, aos 55 minutos, num cabeceamento a finalizar a melhor jogada do encontro, envolvendo cinco elementos, esteve muito perto do empate, assim como Hélder Lopes, aos 60, a finalizar um pontapé de canto estudado.

 Lopetegui percebeu o perigo, apesar dos apelos à intensidade dos seus jogadores se revelarem infrutíferos, e colocou em campo Herrera, mais tarde Óliver Torres, e foi já com o espanhol em campo que o FC Porto voltou a fazer melhor a gestão do resultado, com bola e muita circulação.

 Após as duas primeiras jornadas, o FC Porto soma por vitórias os jogos realizados, enquanto o Paços de Ferreira ainda não somou qualquer ponto na I Liga.