FC Porto empata em Basileia e ganha vantagem para a segunda-mão

0
44
FC Porto empata em Basileia e ganha vantagem para a segunda-mão

Um FC Porto dominador, mas pouco assertivo, empatou a  1-1 na visita ao esforçado, porém frágil, Basileia e colocou-se em vantagem rumo aos quartos de final da Liga dos Campeões de futebol.

 O ex-benfiquista Derlis González (11 minutos) colocou os suíços na frente, no único remate dos anfitriões à baliza, mas Danilo (79), de penalti, justo, empatou e deu vantagem aos “dragões” na eliminatória.

 Os portugueses, que apenas podem queixar-se de si por não terem resolvido a ques-tão, ficaram ainda com razão de queixa do árbitro inglês, que, aos 34 minutos, perdoou o derrube de Walter Samuel a Jackson Martinez, na área.

 O FC Porto dominou claramente em todas as estatísticas, menos a da eficácia: o conjunto de Paulo Sousa fez um golo e depois foi demasiado ‘curto’, sempre incapaz de assumir o desafio, mesmo após sofrer o empate, revelando-se uma equipa claramente ao alcance de um ‘dragão’ ao seu nível.

 Assumindo a sua superior qualidade técnica e estatuto, o FC Porto pegou no jogo desde o apito inicial, ainda que sem criar perigo.

 Incapaz de definir as regras em sua própria casa, o Basileia tentava explorar o contra-ataque e foi com um lançamento longo de Frei que o jovem paraguaio Derlis Gon-zález aguentou o aperto de Alex Sandro e Marcano para, já em queda, atirar para fora do alcance de Fabiano (1-0), inaugurando o marcador aos 11 minutos, mas saindo lesionado do lance.

 Os ‘dragões’ sentiram o golo e o seu desnorte ofensivo persistiu, mesmo após o remate de Danilo (20 minutos) que o guarda-redes desviou para canto, no qual Casemiro, sozinho ao primeiro poste, não aproveitou.

 Os portugueses eram “senhores” da bola, porem inócuos a criar perigo, frente a um adversário com todos os seus elementos a defender atrás da linha de bola, sem conce-der espaços.

 No reatamento, o FC Porto julgou ter empatado (48 minutos) quando Casemiro recarregou defesa de Vaclík, mas Marcano estava em fora do jogo e interferiu na acção do guarda-redes, sendo, por isso, bem anulado, embora após muito tempo.

 Óliver (59 minutos) lançou Tello em velocidade, mas Vaclík teve reflexos e cedeu canto: o guarda-redes checo atrapalhou depois Jackson (65), que, na pequena área, tentou picar a bola e atirou por cima, na melhor oportunidade “azul e branca”.

 A opção por Rúben Neves (68 minutos), para o lugar do lesionado Óliver, retirou criatividade à equipa, mas uma ida à linha de Danilo (78) culminou com cruzamento que Walter Samuel travou, em carrinho, mas com o braço, cometendo penalti que o próprio lateral direito converteu (1-1).

 Até ao fim, o FC Porto foi a única equipa a tentar ganhar.